Relação de índices Fisiológicos e Neuromusculares com o Desempenho de Corrida de Adolescentes Fundistas

Por: Rodolfo André Dellagrana.

102 páginas. 2011 25/03/2011

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: Analisar a relação dos marcadores fisiológicos e neuromusculares com o desempenho de corrida de jovens atletas de fundo. Métodos: Foram avaliados 23 corredores de fundo, do sexo masculino, com idades entre 16 e 19 anos (todos no estágio V de Tanner). A coleta de dados foi dividida em quatro etapas: 1) foi realizada a avaliação antropométrica de massa corporal e estatura, além disso, foram avaliadas as espessuras das dobras cutâneas do tríceps e da panturrilha. Em seguida, foi realizado teste de esforço máximo; 2) foi realizado teste submáximo em esteira, para a determinação da economia de corrida (EC); 3) teste de força e potência muscular, de flexores e extensores de joelho, foi administrado em um dinamômetro isocinético; 4) foi realizada uma competição simulada, com a prova de corrida de 5000 metros no ambiente de treinamento dos atletas. Para as relações entre as variáveis, foi realizada correlação de Pearson e Sperman (nãoparamétrica), além, da análise de regressão linear para avaliar a predição das variáveis independentes sobre o desempenho de corrida (5000m). Resultados: Os atletas analisados apresentaram tempo médio na prova de 5000 metros de 18,47±1,17. Os valores médios dos índices fisiológicos de consumo máximo de oxigênio (VO2máx), consumo de oxigênio e a velocidade de corrida referente ao limiar ventilatório (VO2LV e VLV), velocidade de corrida associada ao consumo máximo de oxigênio (vVO2máx), pico de velocidade (PV) e economia de corrida (EC) a 11,2 km/h, foram de 63,64±6,03 ml/kg/min, 53,56±6,61 ml/kg/min, 14,22±1,08 km/h,18,22±0,95 km/h, 18,40±0,85 km/h e 40,23±1,78 ml/kg/min, respectivamente. Já para os índices neuromusculares de trabalho máximo (TM), pico de torque (PT) e potência muscular (PM) de flexores, foram observados valores de 209,86±34,32 J/kg, 183,83±28,61 Nm/kg e 236,10±47,03 W/kg. Para os extensores o valor médio de TM foi de 325±45,16 J/kg, PT de 300,62±37,65 Nm/kg e PM de 349,90±63,75 W/kg. Foram observadas correlações ignificativas da EC (11,2 km/h) com o TM de flexores (r = 0,49, p<0,05), enquanto que a PM de extensores, apresentou relação significativa com a vVOmáx (r = 0,43, p<0,05). Não foi encontrada nenhuma correlação significativa dos índices neuromusculares com o desempenho de corrida. No entant , as variáveis fisiológicas de VO2máx, VO2LV, VLV, EC (11,2 km/h) e PV apresentaram associação significativa com o desempenho de corrida (r = -0,61; r = - 0,52; r = -0,64; r = -0,53; r = -0,47, respectivamente). A VLV foi a variável com melhor predição do desempenho na prova de 5000 metros (40%). Além disso, a VLV, o VO2máx, a EC e o PV em conjunto explicam 80% da variabilidade no desempenho de c rrida de 5000 metros. Conclusões: Os índices neuromusculares não apresentam associação com o desempenho em corrida de longa distância (5000m), entretanto, os índices fisiológicos de VLV, VO2máx, EC (11,2 km/h) e PV, apresentam alta capacidade de predição do desempenho na prova de 5000 metros.

Endereço: http://hdl.handle.net/1884/26284

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.