Relações Interpessoais na Formação Superior de Educação Física

Por: Carlos Henrique de Vasconcellos Ribeiro, e Rafael Marques Garcia.

Arquivos em Movimento - v.15 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Nosso estudo se debruça, especificamente, sobre as relações interpessoais durante a formação de professores/as de Educação Física em uma das principais universidades federais que oferecem este curso no Brasil: a Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).Nosso objetivo foi analisar de que forma essas relações influenciavam o processo de ensino-aprendizagem dos/as discentes na disciplina de voleibol do núcleo em questão. Para isso, foram analisados 56 encontros durante um período acadêmico, devidamente registrados em um diário de bordo, tratado pela técnica de análise de conteúdo. Os achados revelaram que a interação entre os/as discentes ocorriam de maneiras diferentes conforme relações de gênero, orientação sexual, fatores regionais/culturais e os níveis de afinidade extraclasse, possibilitando e reforçando assim diferenças de inclusão e participação nas atividades propostas.

Referências

ANTUNES, C. Relações interpessoais e auto-estima: a sala de aula como espaço do crescimento integral. 5. ed. Petrópólis, RJ: Vozes, 2007.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011, 229 p.

BIZZOCCHI, C. O Voleibol de Alto Nível: da Iniciação à Competição. São Paulo: Fazendo Arte Editorial, 2004.

BOJIKIAN, J. C. M.; BOJIKIAN, L. P. Ensinando voleibol. 4. ed. São Paulo: Phorte, 2008.

CARVALHAR, D. L. Identidades generificadas no currículo da educação infantil: entre princesas, heróis e sapos. 2009. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

CAVALCANTI, C. País e região: desigualdades e preconceitos regionais no Brasil. Cadernos de estudos sociais, v. 9, p. 25-40, 1993.

CONNELL, R. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, vol. 20, n.º 2, p. 184-206, jul./dez, 1995.

CUCHE, D. A noção de cultura nas ciências sociais. Trad. de Viviane Ribeiro. Bauru: Edusc, 1999.

FERNANDES, B. R.; BATISTA, A. Interação social de adolescentes em sala de aula: perspectiva teórica. Rev. Simbio-Logias, v.3, n. 5, p. 1-19. Dez/2010.

FIGUEIREDO, Z. C. C. Formação docente em educação física: experiências sociais e relação com o saber. Movimento, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 89-111. Jan./abr. 2004.

FOUCAULT, M. História da sexualidade, v.1: A vontade de saber. Graal ed. 14 ed. Rio de Janeiro, 1988.

GAYA, A. (Org.). Ciências do movimento humano: introdução à metodologia da pesquisa. Porto Alegre: Artmed, 2008.

JONES, A.; ISSROFF, K. Learning Technologies: Affective and Social Issues in Computer Supported Collaborative Learning. Computers and Education, v. 44, n. 4, p. 395-408, 2005.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 15. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

LIMA, M. R. C. et al. Aprendizagem cooperativa e o problema de formação de grupos. CINTED–UFRGS, Novas Tecnologias na Educação, 2005.

LOURO, G. L. Segredos e Mentiras do Currículo: sexualidade e gênero nas práticas escolares. In: SILVA, Luiz. A Escola Cidadã no Contexto da Educação Globalizada. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 33-47.

_____. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (orgs). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3a. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 7-35.

LÜDORF, S. M. A. A prática pedagógica do professor de Educação Física e o corpo de seus alunos: um estudo com professores universitários. Pensar a Prática, v. 8, n. 2, p. 243-255, jul./dez. 2005.

_____. Corpo e formação de professores de educação física. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v.13, n. 28, p. 99-110, jan./mar. 2009.

______. Formação de professores de Educação Física: retratos de uma instituição. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, Cristalina, v. 2, n. 1, p. 126-136, jul. 2010.

MACHADO, A. A. Voleibol: do aprender ao especializar. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

OLIVEIRA, P. P. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2004.

PROLA, M. T. M. Modelagem de um agente pedagógico animado para um ambiente colaborativo: Considerando fatores sociais relevantes. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

RIBEIRO, J. L. S. Conhecendo o Voleibol. Rio de Janeiro: Sprint, 2004.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995, pp. 71-99.

SILVA, A. C.; SILVA, F. A. G.; LÜDORF, S. M. A. Formação em Educação Física: uma análise comparativa de concepções de corpo de graduandos. Movimento, v. 17, n. 2, p. 57-74, abr./jun. 2011.

TORRES, P. L.; ALCANTARA, P. R.; IRALA, E. A. F. Grupos de consenso: uma proposta de aprendizagem colaborativa para o processo de ensino-aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 4, n.13, p.129-145, set./dez. 2004.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. O positivismo; a fenomenologia; o marxismo. Atlas, 2015.

VIDAL, D. E. A necessidade da prática da criatividade e da melhoria dos relacionamentos interpessoais no processo ensino-aprendizagem: um estudo de caso. 2000. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Flo

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/21880

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.