Representações de Corpos e Seus Discursos: Pintando a Tela a Partir dos Olhares D@s Acadêmic@s de Educação Física

Por: .

87 páginas. 2005 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Esta dissertação tem por objetivo analisar e conhecer as representações de corpos inscritos nos(as) acadêmicos(as) de Educação Física e os discursos articulados a estas representações. Para tanto, este estudo buscou a partir de um grupo focal, coletar os dados narrativos para problematizar o corpo, não apenas como um fenômeno biológico, mas sim, produzido através de distintos discursos, práticas sociais, enunciados científicos, dentre outras construções que circulam na trama social, além de discutir representações de corpos e problematizar pedagogias inscritas nos corpos. Sendo assim, utilizando o aporte teórico dos Estudos Culturais numa perspectiva pós-estruturalista, encontrei fundamentação para discutir os corpos como um construto social e cultural, pois este campo tem um importante deslocamento quanto ao entendimento de cultura e das suas relações na produção dos sentidos e dos sujeitos, tendo em vista, os Estudos Culturais, estar contribuindo para examinar as práticas culturais pelas quais os indivíduos vêm a entender a si e ao mundo que os atravessa, sendo alvo de diferentes e múltiplos marcadores identitários, baseada em Silva (1995, 1999, 2000), Larrosa (1994,1995,2003), Hall (1997, 2000) entre outros. Além de estar baseada nesta vertente adotei o ambiente para determinar o meio no qual estamos inseridos e somos históricos e culturalmente (re) produzidos e interpelados a partir de diferentes situações, instituições ou agrupamentos sociais. É através do ambiente que as características, as “marcas”, passam a ser reconhecidas e incorporadas por nós, fazendo com que eu esteja imersa no discurso da Educação Ambiental apoiada em Reigota (2001) e Carvalho (2002). Partindo então deste contexto, a Educação Ambiental concebe processos, por meio dos quais os indivíduos e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, voltadas para a sustentabilidade do meio, essencial à qualidade de vida para as relações de ambiente. Como estratégia para a coleta de dados narrativos foi utilizado o curso intitulado “Corpo e Ambiente” constituído de nove encontros, um por semana na Escola Superior de Educação Física-UFPel com sete participantes, sendo duas mulheres e cinco homens. A categorização foi feita através da análise de discurso, a partir das transcrições narrativas que emergiram nos encontros. Pensando nestas questões através do Curso foram construídas narrativas, em diferentes dimensões, sociais, culturais, políticas, enfim, criando resistência nas manifestações entorno das representações de corpos. Ao serem problematizadas, emergiram outras narrativas no fluir dos discursos, como “corpos enquanto fases da vida”, “corpos – poder, força”, “corpos – desejo, consumo”, “corpos - visão utilitarista, (corpos -instrumento de trabalho, segmentado, saudável)” e “corpos – expressão (corpos midiáticos)”. A partir de suas narrativas, conforme Larrosa (2003) do que se vem dizendo, sobre os corpos, observa-se que os corpos são constituídos por diversas épocas e atravessados a todo o momento pelos distintos discursos, práticas sociais, enunciados científicos, dentre outras construções que circulam na trama social, sendo assumidos e ressignificados pelos sujeitos.

Endereço: https://argo.furg.br/?BDTD26

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.