Resposta Cardiovascular Materna e Fetal Ao Exercício Isométrico

Por: Francisco Luciano Pontes Jr., , Maria Cristina Mutarelli, Milton Rocha de Moraes, e Ronaldo de Carvalho Araújo.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.14 - n.3 - 2006

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: O objetivo do presente trabalho foi verificar o efeito do exercício isométrico com variação no percentual da contração voluntária máxima e no tamanho dos grupos musculares recrutados sobre a resposta cardiovascular materna e fetal. Materiais e métodos: A amostra foi constituída de 37 mulheres saudáveis, sedentárias que foram divididas em dois grupos, grávidas (n=13) e não grávidas (n=24). No primeiro dia foi determinada a contração voluntária máxima (CVM) nos dinamômetros de preensão manual e no de extensão de costas e pernas. No dia seguinte foram realizados testes a 30% e 50% dos valores previamente obtidos em ambos os dinamômetros. Resultados: O percentual da contração voluntária máxima não afetou a freqüência cardíaca materna e fetal quando uma menor massa muscular foi recrutada (dinamômetro de preensão manual). Quando uma grande massa muscular foi acionada (dinamômetro de extensão de costas e pernas) o principal fator na determinação da freqüência cardíaca materna e fetal não foi o percentual da contração voluntária máxima, mas a própria quantidade de massa muscular. Conclusão: Em atividades isométricas a quantidade de músculos recrutados é mais importante que a intensidade da contração para o aumento da freqüência cardíaca materna e fetal. O aumento para a freqüência cardíaca fetal, entretanto, não ultrapassou o limite considerado seguro de 160 batimentos por minuto.

Endereço: http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/696/701

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.