Respostas Psicofisiológicas na Arbitragem do Judô: Efeitos da Experiência dos árbitros e do Nível das Competições.

Por: Mario Luiz Miranda.

2012 27/12/2012

Send to Kindle


Resumo

A competição de judô é instituída por grande número de regras e o combate se configura pela diversidade de ações entre lutadores. O desempenho adequado e a tomada de decisão correta na arbitragem dessa modalidade requerem autocontrole e elevado nível de concentração, que são variáveis psicofisiológicas moduladas pela interação do córtex pré-frontal e de estruturas límbicas juntamente com o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA) e o sistema cardiovascular. Portanto, o objetivo deste trabalho foi investigar reações psicológicas e fisiológicas de árbitros em competições de judô. Para tal, a amostra foi constituída de dois grupos de árbitros: o primeiro designado grupo nacional (GN; n = 8), cujos participantes possuíam mais tempo de atuação, isto é, 17 ± 4 anos de prática e o outro denominado grupo estadual (GE; n = 8), que por sua vez, continha árbitros com menos tempo de experiência, ou seja, 6 ± 1 anos de prática. Ambos os grupos participaram de competições de nível regional (CREG) e estadual (CEST). Foram medidas as alterações da variabilidade da frequência cardíaca (VFC), do fluxo salivar (FS), do cortisol salivar (CS) e da imunoglobulina A salivar absoluta (sIgAabs) e taxa (sIgAtaxa). Para essas variáveis, as condições e grupos foram comparados por meio de análise de variância a dois fatores com medidas repetidas. Além disso, a ansiedade obtida via teste de ansiedade em arbitragem de competição esportiva (SCAT adaptado) e inventário de ansiedade-estado (IDATE-E), cuja comparação foi feita por teste não-paramétrico de Friedman e as diferenças examinadas pelo teste de Dunn. Observou-se que na CEST ambos os grupos de árbitros apresentaram maior nível de ansiedade (p < 0,05). O GE também mostrou maior ansiedade indicada pelo SCAT adaptado (21 ± 3 pontos) que o GN (16 ± 4 pontos), em CEST (p < 0,05). Os índices da VFC indicaram maior atividade parassimpática no GN (rMSSD = 118 ± 35 ms) do que no GE (rMSSD = 49 ± 23ms), em CEST (p < 0,05). O índice da VFC medido pela razão SD1/SD2 no GN (0,58 ± 0,16), também representou maior atividade parassimpática do que no GE (0,33 ± 0,11), em CREG (p < 0,05). O GE manifestou maior atividade simpática (SDNN = 59 ± 21ms), especialmente em CEST (p =0,02), do que o GN (SDNN= 128 ± 66 ms). Notou-se não haver diferenças estatísticas significantes nas variações no CS. O GE apresentou maior FS e sIgAtaxa (0,73 ± 0,36 ml/min; 498 ± 253 g/min, respectivamente) do que apresentado pelo GN para essas variáveis (0,34 ± 0,33 ml/min; 213 ± 215 g/min, na devida ordem), em todas as mensurações (p < 0,001). Houve correlação entre o SCAT adaptado e o índice rMSSD da VFC (rs = 0,39) e o índice SDNN (rs = 0,40) e entre o índice rMSSD e a sIgAtaxa (rs = 0,40). Os resultados mostraram que árbitros de judô para buscarem seu equilíbrio psicofisiológico, na arbitragem das competições, efetuaram autorregulações orgânicas motivadas pela sua experiência profissional e em conformidade com os desafios que surgiram da importância do evento esportivo

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39134/tde-16042012-171729/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.