Satisfação Corporal e o Nível de Atividade Física de Adolescentes do Município de Ubaitaba, Ba

Por: Nadjara Souza Bomfim.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.3 - n.1 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: Analisar a variação da satisfação corporal entre os adolescentes com a idade, massa corporal, estatura, IMC, silhueta e nível de atividade física diferenciados. Métodos: A população do estudo foi composta pelos alunos matriculados entre a 5ª e 8ª série do ensino fundamental, em escolas públicas do município de Ubaitaba, BA, sendo a amostra constituída de 284 adolescentes, estratificados por escola, sexo e série (IC=95%). Foram realizadas medidas antropométricas (massa corporal, estatura, circunferência cintura e quadril) e aplicada uma entrevista construída mediante a composição de partes de outros instrumentos já validados contendo questões relativas às variáveis sociodemográficas, saúde clínica e percebida e aspectos comportamentais. Na análise dos dados foram utilizados procedimentos da estatística descritiva (frequência, média, mediana, desvio padrão) e medidas inferenciais da estatística não paramétrica; p<0,05.  Resultados: A insatisfação com a imagem corporal foi mais prevalente nas meninas que queriam engordar, porém mantiveram-se dentro das silhuetas da magreza. Não foi encontrado variação na satisfação corporal para o sexo masculino, nas variáveis investigadas. Porém para o sexo feminino aquelas mais pesadas e com o IMC mais elevado estavam mais insatisfeitas com o corpo. Conclusões: Os resultados apresentados nessa investigação sinalizam que programas dirigidos ao controle de peso corporal em adolescentes podem contribuir para minimizar a distorção da imagem corporal, de tal forma que possa contribuir para um constructo de satisfação corporal.

Referências

Kakeshita IS, Almeida SS. Relação entre índice de massa corporal e a percepção da auto-imagem em universitários. Rev. Saúde Pública. 2006;40(3):497-504.

Damasceno VO, Lima JRP, Vianna JM, Vianna VRÁ, Novaes JS. Tipo físico ideal e satisfação com a imagem corporal de praticantes de caminhada. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(3):181-6.

Kaplan KM, Wadden TA. Childhood obesity and self-esteem. J Pediatr 1986;109(2):367-70.

Grant CL, Fodor IG. Adolescent attitudes toward body image and anorexic behavior. Adolescence. 1986;21(82):269-81.

ANEP. Critério de classificação econômica Brasil. Disponível em: . Acesso em maio de 2008.

Stunkard AJ, Sørensen T, Schulsinger F. Use of the Danish Adoption Register for the study of obesity and thinness. Res Publ Assoc Res Nerv Ment Dis. 1983;60:115-20.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2000.

Gomes VB, Siqueira KS, Sichieri R. Atividade física em uma amostra probabilística da população do Município do Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública. 2001;17(4):969-76.

Branco LM, Hilário MOE, Cintra IP. Percepção e satisfação corporal em adolescentes e a relação com seu estado nutricional. Rev. psiquiatr. clín. 2006;33(6): 292-6.

Vilela JEM, Lamounier JA, Dellaretti FMA, Barros Neto JR, Horta GM. Transtornos alimentares em escolares. J. Pediatr. 2004;80(1):49-54.

Chipkevitch E. O adolescente e o corpo. Pediatria Moderna. 1987;22:231-7.

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/1959

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.