Sensibilidade Interoceptiva e Respostas Psicofisiológicas Ao Exercício Submáximo

Por: Luiz Fernando de Farias Junior.

2014

Send to Kindle


Resumo

LUIZ FERNANDO DE FARIAS JUNIOR

SENSIBILIDADE INTEROCEPTIVA E RESPOSTAS PSICOFISIOLÓGICAS AO EXERCÍCIO SUBMÁXIMO

Data: 25/04/
Esconder Resumo

INTRODUÇÃO: O complexo comportamento humano de realizar exercício físico envolve processamento cognitivo, físico e emocional. As recentes teorias sobre fadiga e reposta afetivas ao exercício físico atribuem importante papel na regulação da intensidade do esforço aos fatores interoceptivos. Além disso, Evidências recentes tem apontado haver variabilidade na capacidade humana em perceber esses estímulos interoceptivos. Dessa forma, pessoas mais sensíveis apresentam excitação fisiológica mais acentuada ao estresse físico e/ou emocional, e maior intensificação dessas sensações. Adicionalmente, estudos tem relatado que feedback interoceptivo diminui a intensidade do esforço exercida, e que pessoas com maior sensibilidade interoceptiva controlam melhor a intensidade de esforço em tarefas com ritmo livre. Contudo, os modelos de prescrição de exercício físico dinâmico apresentam padrão de intensidade de esforço fechado, e não é conhecida as repostas psicofisiológicas entre os grupos de variabilidade interoceptiva durante a realização de exercício físico. OBJETIVO: O presente estudo verificou a influência da sensibilidade interoceptiva sobre as repostas psicofisiológicas em exercício dinâmico com carga constante. MÉTODOS: A amostra foi composta por 24 homens jovens adultos, insufientemente ativos, que foram designados a dois grupos de acordo com seus níveis de sensibilidade interoceptiva: Alta sensibilidade (n=11) e Baixa sensibilidade (n=13). Todos foram submetidos a um teste incremental (TI) em cicloergômetro para identificação do limiar de variabilidade da frequência cardíaca (LiVFC) e da potência pico (PP). Posteriormente, os sujeitos foram submetidos (em ordem aleatória e cruzada) a dois protocolos experimentais de exercício físico em cicloergômetro durante 20 minutos com intensidade correspondente a 20% abaixo e 20% acima LiVFC. Durante os protocolos experimentais as respostas de Frequência Cardíaca (FC), Percepção Subjetiva de Esforço (PSE), Valência Afetiva (VA), Estado de Alerta e Nível de pensamento Dissociativo-Associativo ao exercício físico foram registradas. O teste de Shapiro-Wilk e as análises da média, assimetria e curtose verificaram a normalidade de distribuição dos dados. O Teste de Mauchly verificou a esfericidade dos dados de medidas repetidas. O Teste t para amostra independente e o Teste de Mann Whitneyverificaram as igualdade dos dados descritivos entre os grupos. A ANOVA two away (grupo x momentos) para medidas repetidas verificou as possíveis diferenças entre as respostas psicofisiológicas. RESULTADOS: Houve diferença estatisticamente significante entre os grupos na PSE (F(3,36)=18,50, p=0,000), VA (F(3,36)=4,14, p=0,01) e no Estado de Alerta (F(3,36)=4,03, p=0,01) no exercício realizado em intensidade correspondente a 80% LiVFC. Na intensidade correspondente a 120% LiVFC não houve diferença entre os grupos, somente entre os momentos em cada grupo. CONCLUSÃO: A sensibilidade interoceptiva modifica as respostas psicofisiológicas durante a realização de exercício físico dinâmica com intensidade moderada (abaixo do LiVFC).

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.