Sinais Clínicos de Membros Superiores Predizem a Destreza Manual de Pacientes com Doença de Parkinson

Por: , P. H. S. Pelicioni, R. Vitório, S. S. Beretta e V. C. Zampier.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

Os sinais cardinais da doença de Parkinson (DP) incluem tremor, rigidez, bradicinesia (lentidão na execução de movimentos) e instabilidade postural. Os pacientes com DP também reportam dificuldades para realizar tarefas diárias que envolvem destreza manual, tais como utilizar talheres e colocar a chave na fechadura. É possível que os sinais da DP influenciem a destreza manual dos pacientes, entretanto, esta relação ainda não está clara na literatura. Neste contexto, o objetivo do presente estudo foi testar sinais motores da DP  presentes nos membros superiores como possíveis preditores da destreza manual dos pacientes. Participaram do estudo 54 indivíduos com diagnóstico de DP idiopática, entre os estágios 1 e 3 da escala de Hoehn e Yahr. Para a avalição dos sinais clínicos dos membros superiores foi utilizada a subescala motora da Unified Parkinson's Disease Rating Scale (UPDRS). A pontuação para cada item da UPDRS varia entre 0 (normal) e 4 (severo/grave), ou seja, quanto maior é a pontuação, maior é a gravidade do sinal motor da DP. A destreza manual foi mensurada por uma adaptação do teste de Annette Pegboard. O tabuleiro utilizado (largura: 18 cm; comprimento: 31 cm; altura: 5 cm) possuía 20 orifícios (profundidade: 4 cm; diâmetro: 1,5 cm) dispostos em duas fileiras de 10 orifícios. A tarefa consistiu em mover 10 pinos, inicialmente posicionados na fileira mais afastada, para a fileira mais próxima do paciente. Foram realizadas três tentativas para cada membro superior e o tempo gasto para a realização da tarefa foi registrado por um avaliador experiente por meio de um cronômetro manual. O tempo médio de cada membro foi considerado para a análise. O teste de regressão linear (stepwise) foi empregado para testar o modelo que incluiu os sinais motores (tremor, rigidez e bradicinesia) na predição do tempo gasto pelos pacientes com DP para completar o teste de destreza manual com cada membro. Os sinais de bradicinesia no movimento de pronação/supinação e de tremor de ação foram apontados como preditores do tempo para a realização do teste de destreza manual (membro superior direito: p = 0,006; R = 0,612; r2 = 0,375; membro superior esquerdo: p < 0,001; R = 0,667; r2 = 0,445). Os sinais clínicos de bradicinesia e de tremor de ação dos membros superiores predizem a destreza manual de pacientes com DP. É possível sugerir que intervenções (medicamentosa ou atividade física) com a finalidade de melhorar os sintomas de bradicinesia e tremor de ação podem ter algum efeito sobre o desempenho da destreza manual.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.