Sistema de Periodização em Blocos: Efeitos de Um Modelo de Treinamento Sobre o Desempenho de Nadadores Velocistas de Alto Nivel

Por: Paulo Cezar da Silva Marinho.

2008 25/02/2008

Send to Kindle


Resumo

O desporto de alto nível na atualidade exige uma constante intensificação do processo de treinamento com o propósito de continuar a elevação do desempenho competitivo. Uma das formas de intensificá-lo refere-se à organização das cargas de forma concentrada típica do sistema de periodização em blocos. Embora documentado na literatura, este sistema não apresenta evidências de experimentos concretizados com a natação. Diante de tal situação o presente estudo teve como objetivo propor um modelo de treinamento em blocos adaptado a nadadores velocistas de alto nível e analisar os efeitos decorrentes de sua utilização sobre os indicadores internos e externos relacionados com o desempenho competitivo, tais como a força máxima, capacidade aeróbia e anaeróbia, força propulsora, velocidade média, freqüência e comprimento de braçadas em 50 e 100m. Foram selecionados três nadadores velocistas de alto nível (S1, S2 e S3) por atenderem aos critérios estabelecidos previamente elaborados com base no International Point Score (IPS). O S1, S2 e S3 possuíam idades, no momento do estudo, iguais a 19, 21 e 24 anos respectivamente. Os sujeitos foram submetidos à um macrociclo composto por 18 semanas. Neste período foram inseridos três momentos de controle com o intuito de identificar possíveis alterações nos indicadores relacionados com o desempenho. Os efeitos do treinamento sobre o desempenho competitivo foram mensurados comparando-se os resultados obtidos nas provas de 50 e 100m do ano de 2004 com o do ano de 2005. Os resultados decorrentes da utilização do modelo proposto mostraram melhoras substanciais em alguns dos indicadores relacionados com o desempenho coincidindo exatamente com a etapa competitiva. A força máxima do S1 apresentou um crescimento de 60,61% a do S2 de 24,14% e a do S3 de 26%. Em relação a capacidade aeróbia o S1, S2 e S3 mostraram aumentos iguais a 4,45, 3,22 e 4,58% respectivamente. No tocante a capacidade anaeróbia o S1 mostrou um aumento de 26,31%, o S2 de 30,7% e o S3 de 36,6%. Aumentos substanciais na força propulsora foram encontrados somente para o S1 e S3 (12,96 e 4,38% respectivamente). A velocidade média referente a distância de 50m apresentou aumentos substanciais em todos os sujeitos estudados, sendo para o S1, S2 e S3 iguais a 1,09, 2,52 e 3,14% respectivamente. Analisando o comportamento da relação freqüência e comprimento de braçadas, responsável pelos ganhos substanciais na velocidade média em 50m, constatou-se que esta não mostrou um padrão definido. No tocante a distância de 100m o S1 apresentou um aumento de 2,52% na velocidade média, o S2 de 6,5% e o S3 de 2,34%. Os ganhos na velocidade média em 100m decorreram de um acentuado aumento na freqüência de braçadas e uma diminuição em seu comprimento. Em se tratando do desempenho competitivo em 50m o S1 e S3 apresentaram quedas no tempo de prova iguais a 1,72 e 1,73% respectivamente. Em relação ao desempenho competitivo em 100m a queda no tempo de prova do S1 foi igual a 0,63% e do S2 a 0,7%. O S2 foi o único sujeito que não apresentou melhoras no desempenho competitivo, no entanto, os resultados obtidos estiveram muito próximos de suas melhores marcas. Diante dos resultados obtidos pode-se assumir que o modelo de treinamento proposto no presente estudo se mostrou eficaz.

Endereço: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000440738&opt=1

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.