Sistemas de Pedivela Não-circulares e Interfaces Pedal-pedivela no Ciclismo: Uma Revisão da Literatura.

Por: Frederico Dagnese e Rodrigo Rico Bini.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.14 - n.4 - 2012

Send to Kindle


.Resumo

Sistemas de coroas não circulares e novas interfaces entre o pedal e o pedivela vem sendo propostas com o objetivo de otimizar variáveis relacionadas com o desempenho no ciclismo (e.g. pico de torque e eficiência) com resultados conflitantes acerca do desempenho. Nesta perspectiva, o objetivo desta revisão foi abordar aspectos teóricos do uso de sistemas de pedivela não circulares e novas interfaces entre o pedal e o pedivela e seus efeitos em variáveis biomecânicas, fisiológicas e do desempenho. A redução do trabalho interno, pico de torque no pedivela e tempo decorrido nos pontos mortos (posições de 12 horas e 6 horas) estiveram entre as variáveis utilizadas para otimizar o desenho de sistemas de pedivela não circulares e novas interfaces entre o pedal e o pedivela. Alterações na cinemática foram observadas sem mudanças na ativação dos músculos dos membros inferiores de ciclistas utilizando sistemas de pesdivela não-circulares e novas interfaces entre o pedal e o pedivela. Resultados conflitantes foram observados na economia/eficiência indicando benefícios pouco claros do uso de sistemas de pedivela não circulares e resultados positivos do uso de novas interfaces entre o pedal e o pedivela na economia/eficiência.


 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2012v14n4p470

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.