Situações de Jogo Percebidas Como Fonte de Estresse Por Jovens Atletas de Handebol

Por: Daniel Alvarez Pires, Laura Geiciele Lameira Lopes e Polyane Jenephen Santos de Oliveira.

XX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VII CONICE - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

INTRODUÇÃO 
O estresse é um desequilíbrio físico e psicológico, produto da interação do atleta com seu meio ambiente físico e sociocultural (SAMULSKI et al, 2009). Esse estado emocional pode influenciar de forma negativa a performance esportiva antes, depois, e especialmente durante as competições. Para Stefanello (2007), o estímulo estressante pode iniciar a partir de situações em que o indivíduo avalia como ameaçadoras. 
Segundo De Rose Junior et al (2004) a competição se configura como um potencial gerador de estresse e estar preparado psicologicamente para lidar com tais situações é fundamental para que o atleta desempenhe suas habilidades com bom rendimento. Estudo recente feito com atletas adolescentes de handebol confirmam que a competição é geradora de estresse em jogadores de ambos os sexos (CAPUTO; ROMBALDI; SILVA, 2017). Desta forma, identificar as principais fontes geradoras de estresse em atletas auxilia a obter dados que podem proporcionar a maior compreensão das situações causadoras de estresse bem como a melhorar o desempenho dos atletas nessas condições. Tendo em vista a importância do tema em questão, o objetivo do estudo foi identificar as situações de jogo causadores de estresse em atletas de handebol.



METODOLOGIA
Participaram do estudo 20 atletas de handebol do sexo masculino pertencentes às categorias cadete, juvenil e júnior de um projeto de extensão do Campus de Castanhal da Universidade Federal do Pará (UFPA), com idade média de 18,01±4,47 anos. Foram utilizados uma ficha de dados sociodemográficos e o questionário "Situações de Stress no Handebol" (SSH), desenvolvido por De Rose Junior, Simões e Vasconcellos (1994), composto por 16 itens que correspondem a fatos inerentes a uma partida de handebol. Cada item apresenta duas possibilidades de resposta: "sim", quando a situação proporciona estresse ao atleta, e "não", se o fato não estressa o avaliado. A análise de dados foi realizada através de estatística descritiva. 

ANÁLISE E DISCUSSÃO
Serão apresentados os cinco fatores considerados mais estressantes pelos atletas investigados, com seus respectivos percentuais de respostas "sim": "Arbitragem estar prejudicando minha equipe" (90%), "Jogar em más condições físicas" (70%), "Estar perdendo por pouca diferença e o adversário estar segurando o jogo" (70%), "Estar perdendo para uma equipe tecnicamente inferior" (65%), "Sofrer um gol devido a uma falha defensiva" (65%). 
Os resultados obtidos foram semelhantes aos de Nascimento Junior, Moraes e Vieira (2014), os quais buscaram analisar o nível de estresse em atletas de voleibol. Os autores verificaram que errar no fim do jogo, ser prejudicado pelo árbitro, machucar-se durante o jogo e falta de preparação psicológica apresentaram-se como algumas das situações mais estressantes para atletas do gênero feminino. Da mesma forma, De Rose Junior et al (2004) concluíram que no handebol as situações mais estressantes são perder jogo praticamente ganho, errar em momentos decisivos e arbitragem prejudicial a você e sua equipe. 

CONCLUSÃO
O relacionamento com a arbitragem foi percebido como o principal agente estressor durante uma partida. Entretanto, demandas físicas e expectativas sobre o desempenho também se constituíram em fontes de estresse percebidas em competições de handebol.

REFERÊNCIAS

CAPUTO, E. D.; ROMBALDI, A. J.; SILVA, M. C. Sintomas de estresse pré-competitivo em atletas adolescentes de Handebol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v.39, n. 1, p.68-72, 2017. 

DE ROSE JUNIOR, D. et al. Situações de jogo como fonte de “stress” em modalidades esportivas coletivas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.18, n.4, p.385-95, 2004. 

DE ROSE JUNIOR, D.; SIMÕES, A.; VASCONCELLOS, E. Situações de Jogo Causadoras de “stress” no Handebol de Alto Nível. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v.8, n. 1, p.30-37, 1994. 

NASCIMENTO JUNIOR, J. R.; MORAES, G.; VIEIRA, L. F. Estresse psicológico pré-competitivo e voleibol: Um estudo em função do gênero e das posições de jogo. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.13, n.2, p.93-105, 2014. 

SAMULSKI, D.; Psicologia do Esporte: Conceitos e novas perspectivas. Barueri, SP: Manole, 2009. 2 ed. 

STEFANELLO, J.M.F.; Treinamento de competências psicológicas: Em busca da excelência esportiva. Barueri, SP: Manole, 2009.

Endereço: http://congressos.cbce.org.br/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.