Skate no Monte Olimpo

Por: e Tiago Brant de Carvalho Falcão.

Olimpianos - Journal Of Olympic Studies - v.2 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Estamos prestes a testemunhar a entrada de esportes de ação e aventura nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, com Sports Climbing, Skate Street, Skate Park, BMX Park e Surf, graças ao desejo do Comitê Olímpico Internacional (COI) de rejuvenescer seu público. e dar um novo impulso ao interesse das novas gerações pelos Jogos Olímpicos. Mas por que o COI esperou por este momento na história para incluir esportes antes considerados marginais, embora hoje plenamente consolidados, no programa dos Jogos Olímpicos de verão? Guiado por essa questão, o artigo tem como objeto a comunidade brasileira e internacional de skate e tem como objetivo analisar a inclusão do skate no programa olímpico antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O projeto também pretende compreender a importância do skate como campo de atividade física para promover o lazer e apresentar, a partir da inclusão desse esporte nos Jogos Olímpicos, a prática dessa modalidade baseada nos aspectos positivos do Olimpismo. Como procedimentos metodológicos, foi realizada uma revisão bibliográfica e documental sobre o skate como esporte, organização e estilo de vida, além de entrevistas semiestruturadas com atletas e líderes do esporte. Através da análise das informações obtidas através do levantamento bibliográfico e das entrevistas realizadas, pode-se dizer que a inclusão do skate no programa olímpico tem grandes possibilidades não apenas de rejuvenescer seu público, mas também de reafirmar os valores olímpicos. a prática desta modalidade baseada nos aspectos positivos do Olimpismo. Como procedimentos metodológicos, foi realizada uma revisão bibliográfica e documental sobre o skate como esporte, organização e estilo de vida, além de entrevistas semiestruturadas com atletas e líderes do esporte. Através da análise das informações obtidas através do levantamento bibliográfico e das entrevistas realizadas, pode-se dizer que a inclusão do skate no programa olímpico tem grandes possibilidades não apenas de rejuvenescer seu público, mas também de reafirmar os valores olímpicos. a prática desta modalidade baseada nos aspectos positivos do Olimpismo. Como procedimentos metodológicos, foi realizada uma revisão bibliográfica e documental sobre o skate como esporte, organização e estilo de vida, além de entrevistas semiestruturadas com atletas e líderes do esporte. Através da análise das informações obtidas através do levantamento bibliográfico e das entrevistas realizadas, pode-se dizer que a inclusão do skate no programa olímpico tem grandes possibilidades não apenas de rejuvenescer seu público, mas também de reafirmar os valores olímpicos. bem como entrevistas semiestruturadas com atletas e líderes do esporte. Através da análise das informações obtidas através do levantamento bibliográfico e das entrevistas realizadas, pode-se dizer que a inclusão do skate no programa olímpico tem grandes possibilidades não apenas de rejuvenescer seu público, mas também de reafirmar os valores olímpicos. bem como entrevistas semiestruturadas com atletas e líderes do esporte. Através da análise das informações obtidas através do levantamento bibliográfico e das entrevistas realizadas, pode-se dizer que a inclusão do skate no programa olímpico tem grandes possibilidades não apenas de rejuvenescer seu público, mas também de reafirmar os valores olímpicos. Referências 1 Pociello C. Os desafios da leveza. Em: Santanna DB. Políticas do Corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995. p. 115-120. 2 Hobsbawn E. Era dos extremos: O Breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras; 1995. 3 Brasil. Ministério do Esporte. Comitê Olímpico anuncia cinco novas modalidades para os Jogos de Tóquio. Brasília: Portal Brasil; 2016 [citado 10 out 2016]. Disponível em http://www.brasil.gov.br/esporte/2016/08/comite-olimpico-anuncia-cinco-novas -modities-for-the-games-of-Tokyo. 4 Hall S. Modernidade e seus futuros. Cambrige: Polity Press / Open University; 1992. 5 Rubio K. Agenda 20 + 20 e o final de um ciclo para o Movimento Olímpico Internacional. Revista USP. 2016; 108: 21-28. 6 Macallon JJ. Agenda 2020 e o Movimento Olímpico. Esporte na Sociedade. 2016; 19 (6): 767-785. 7 Comitê Olímpico Internacional (COI). Agenda Olímpica 2020 20 + 20 Recomendações [citado 10 out 2018]. 2016. Disponível em http://www.olympic.org/Documents/Olympic_Agenda_2020/Olympic_Agenda_2020-20-20_Recommendations-ENG.pdf. 8 Fricke G. Skate nas Olimpíadas? A elite está dividida na inclusão do esporte nos jogos. Rio de Janeiro: Globoesporte.com, 2014 [citado em 2018 abr 06]. Disponível em: <http://globoesporte.globo.com/radicais/noticia/2014/12/skate-nas-olimpiadas-elite-se-divide-sobre-inclusao-do- sport-in-games.html>. 9 Comitê Olímpico Brasileiro (COB). O COI admite cinco novos esportes no programa olímpico [citado em 10 out 2016]. Brasília: COB; 2016. Disponível em: https://www.cob.org.br/pt/noticia/coi-admite-cinco-novos-esportes-no-programa-olimpico. 9 Nogueira MA. Rumo à governação democrática progressista. São Paulo: Cedec; 1995. 10 Bauman Z. Liquid Life. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2007. 11 Shirky C. A cultura da participação. Rio de Janeiro: Zahar; 2011 12 Ortega F. Das utopias sociais às utopias do corpo: identidades somáticas e marcas corporais. Em: Almeida MIM, Eugenio F. (Orgs.). Culturas jovens: novos mapas de afeto. Rio de Janeiro: Zahar; 2006. 13 Noll R. Skate retrospectiva. Coatesville: Shiffer Book; 2000. 14 Brooke M. Concrete wave: A história do skate. Los Angeles: Warwick House Publishing; 1999. 15 Filho CADC. Anos 70. In: Britto E (Org.). A Onda Dura: 3 Décadas de Skate no Brasil. São Paulo: Parada Inglesa; 2000. 16 Brandão L. Entre a marginalização e a esportivização: Elementos para uma história da juventude skatista do Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ; 2008. 17 Pietro D. Editorial nº 167 [Internet]. CemporcentoSKATE; 2012 [citado em 2019 20 de junho]. Disponível em https://cemporcentoskate.com.br/. 18 Cousineau P. O ideal olímpico e o herói de todos os dias. São Paulo: Mercuryo; 2004. 19 Comitê Olímpico Internacional (COI). Carta Olímpica. Lausanne: COI; 2003. 20 Muller N. Educação Olímpica. Barcelona: Centre d'Etudis Olipics (UAB); 2004. 21 Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Filosofia da vida olímpica. Brasília: COB, 2015 [acesso 30 jan 2018]. Disponível em https://www.cob.org.br/pt/cob/movimento-olimpico/o-olimpismo. 22 Dumazedier J. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva; 1973 23 Tambucci PL Marketing de esportes. In: Higuchi M. Gestão de Marketing e Comunicação: avanços e aplicações. São Paulo: Saraiva; 2011 24 Pimentel GGA. Esportes na natureza e atividades de aventura: uma terminologia aphromática. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2013; 35 (3): 687-700.

Endereço: http://olimpianos.com.br/journal/index.php/Olimpianos/article/view/46

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.