Sociabilidade Pandêmica? o Que Uma Antropologia Urbana Pode Dizer a Respeito da Crise Deflagrada Pela Covid-19

Por: Luiz Henrique de Toledo e Roberto de Alencar Pereira de Souza Junior.

Cadernos de Campo - n.29 - 2020

Send to Kindle


.Resumo

No contexto global da crise sanitarista, a cidade de São Paulo, epicentro da pandemia no Brasil, também se viu diante da necessidade de retenção dos corpos em movimentação, enunciando medidas restritivas de urgência num quadro geral denominado de quarentena. Paradoxalmente, percepções aparentemente lúdicas e jocosas de se lidar com a pandemia puderam ser observadas nos meandros da sociabilidade citadina, chamando nossa atenção para os usos de alguns conceitos e noções caros à Antropologia Urbana. Esse texto discute como essa conjuntura de sofrimento se desdobrou em manejos mais lábeis numa sintomatologia popular, sem desconsiderar o potencial analítico da noção de sociabilidade ao lidar com a politização de corpos dispostos a operar a partir do cenário que moldou localmente a pandemia: de um lado, estratégias políticas e científicas orientando as ações públicas na administração da cidade e, do outro, a presença de contradiscursos anti-intelectualistas e/ou cientificistas dissonantes ressoados pelas esferas federais de poder.

REFERÊNCIAS

BRANCALEONE, C. 2008. Comunidade, sociedade e sociabilidade: revisitando

Ferdinand Tönnies. In: Revista de Ciências Sociais, vol. 39, n 1, p. 98-104.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. 1995 [1980]. Introdução: rizoma. In: Mil Platôs, vol 1, Editora 34.

FRÚGOLI JR, H. 2007. Sociabilidade Urbana. Coleção passo a passo. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editores.

GEERTZ, Cliffort. 2001. O senso comum como sistema cultural. Petrópolis, Vozes.

LIMA, Tânia Stolze. 2000. Que é um corpo? In: Religião e Sociedade, n. 22, v. 1, p. 9-20.

MACHADO, Giancarlo Marques Carraro. 2019. Mão na massa e skate no pé: práticas citadinas nas novas centralidades paulistanas. In: Anuário Antropológico, vol 1, p. 285-305. DOI: https://doi.org/10.4000/aa.3523

MAGNANI, José Guilherme. 2019. Aula inaugural. Antropologia Urbana: da metrópole à aldeia. In: Aceno, vol. 6, n. 11, p. 11-30.

MAIA, R. 2001. Sociabilidade: apenas um conceito? In: GERAES, n. 53, p. 4-15.

SEEGER, Anthony; DAMATTA, Roberto & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1979. A Construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. In: Boletim do Museu Nacional, n. 32, p. 2-19.

SEVCENKO, Nicolau. 2010 [1984]. A revolta da vacina. Mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo, Cosacnaify.

SIMMEL, G. 2006. Sociabilidade. Questões fundamentais de sociologia. Rio de Janeiro, Zahar.

STRATHERN, Marylin. 1999. No limite de uma certa linguagem (entrevista). In: Mana, vol. 5, n. 2, p. 157-175.

TIBLE, Jean. 2019. Movimentos. In: Cadernos de Campo, vol 28. n.2, p. 15-20. DOI 10.11606/issn.2316-9133.v28i2p15-20

TOLEDO, Luiz Henrique. 2007. Corporalidade e festa na metrópole. In: MAGNANI, José Guilherme (org); SOUZA, Bruna Mantese (org). Jovens na metrópole: etnografias de circuitos de lazer, encontro e sociabilidade. São Paulo, Terceiro Nome, (posfácio).

TOLEDO, Luiz Henrique. 2020. Sociabilidade: etnografia de um conceito. In CAMARGO, Wagner, PISANI, Mariane, ROJO, Luiz (Orgs). Vinte anos de diálogos. Os esportes na Antropologia Brasileira. ABA, (no prelo).

WAIZBORT, L. 2013. As aventuras de Georg Simmel. São Paulo: Editora 34.

Endereço: https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/169827

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.