Somatotipia e Antropometria na Seleção Brasileira de Voleibol

Por: Breno Guilherme de Araujo Tinoco Cabral, Gilmário Ricarte Batista, José Fernandes Filho, Maria Irany Knackfuss e Suzet de Araujo Tinoco Cabral.

Motricidade - v.4 - n.1 - 2008

Send to Kindle


Resumo

A elaboração de perfis de características que possam servir de parâmetros nas diferentes categorias e o investimento feito em estudos científicos dentro do voleibol brasileiro tem mostrado uma grande importância para o desenvolvimento de novas gerações. Nesse contexto, o estudo descritivo em questão objetiva analisar importantes características, como as somatotípicas e antropométricas das seleções brasileiras de voleibol na categoria infanto-juvenil. A população foi composta por 33 atletas das referidas seleções, 14 deles convocados para a seleção brasileira masculina e 19 para a seleção brasileira feminina. Utilizamos uma balança e estadiômetro de precisão para verificação das características antropométricas e o método somatotipologico de Health & Carter para verificação da somatotipia. A seleção masculina apresentou como resultados médios: Idade=16,71; estatura=195,9; peso corporal=87,4; endomorfia= 1,26; mesomorfia= 3,18 e ectomorfia= 3,8; por sua vez a seleção feminina apresentou Idade=15,9; estatura=181,6; peso corporal=67,4; endomorfia= 3,09; mesomorfia= 2,21 e ectomorfia= 3,88. A partir dos resultados, podemos concluir que as seleções em questão possuem características semelhantes as das seleções adultas de alto rendimento, apresentando na somatotipia predominância do componente ectomorfico, sendo esse um dado de grande importância diante das exigências atuais do alto rendimento do voleibol, o que mostra o alto nível do grupo estudado.

Endereço: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/mot/v4n1/v4n1a09.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.