Sou Mulher e Jogo Bola: Questões Sobre Feminilidades e Sexualidades de Atletas de Futsal

Por: Bárbara Aparecida Bepler Pires, Ludmila Nunes Mourão, Mariana Cristina Borges Novais e Monique Torga.

Arquivos em Movimento - v.15 - n.1 - 2019

Send to Kindle


Resumo

É sabido que as práticas esportivas representam hoje um fenômeno cultural com grande abrangência e visibilidade no cenário mundial. Entretanto, também produz desigualdades e diferenciações de gênero, construindo formas e papéis a serem representados por homens e mulheres. Tais papéis uma vez reproduzidos edificam noções rígidas e fixas de feminilidade e de masculinidade. Na medida em que algumas mulheres atletas de futsal confrontam esses papéis e subvertem o padrão, têm sua feminilidade e sexualidade colocadas sob suspeita. Esta pesquisa, através dos discursos das jogadoras de futsal de Juiz de Fora, tem como objetivo descrever como se articulam em sua experiência no esporte as questões relacionadas às feminilidades e sexualidades. O estudo do tipo descritivo e de abordagem qualitativa entrevistou oito atletas de futsal da cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, em 2017.  As narrativas das atletas apontam para um latente preconceito acerca de suas feminilidades e de suas sexualidades, culminando na atribuição generalizada de um estereótipo de homossexualidade, fato que se configura como mais uma barreira para o acesso, permanência e ascensão na modalidade entre as mulheres.

Referências

AGUILAR, Márcia Adriana Brasil; GONÇALVES, Josiane Peres. Conhecendo a perspectiva pós-estruturalista: breve percurso de sua história e propostas. Revista Conhecimento Online, Novo Hamburgo, v. 1, p. 36-44, mar. 2017.

ALMEIDA, C. S. Belas e feras, nós e as masculinizadas: discursos, corporalidades e significações. In: KESSLER, C. S. (Org.). Mulheres na área: gênero, diversidade e inserções no futebol. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

ALTMANN, H.; REIS H. H. B. Futsal feminino na América do Sul: trajetórias de enfrentamento e de conquistas. Movimento. 2013; 19(3): 211-232.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um material prático. - 11. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013.

CAMARGO, Wagner Xavier; KESSLER, Cláudia Samuel. Além do masculino/feminino: gênero, sexualidade, tecnologia e performance no esporte sob perspectiva crítica. Horiz. Antropol., Porto Alegre , v. 23, n. 47, p. 191-225, 2017 .

CAVALCANTE, R. B.; CALIXTO, P.; PINHEIRO, M. M. K. Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf. & Soc.: Est., v. 24, n. 1, 2014.

CONNELL, R. W.; MESSERSCHMIDT, J. W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, v.21, n.1, p. 241-282, jan./abr. 2013.

DAMO, A. S. As dramatizações do gênero numa configuração futebolística. Anais... VII Seminário Fazendo Gênero. Práticas corporais e esportivas. ST 21, 2006.

____________.. Prefácio. In: KESSLER, C. S. (Org.). Mulheres na área: gênero, diversidade e inserções no futebol. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

DORNELLES, P. G. O futebol feminino de várzea: uma análise cultural. Monografia (Especialização em Pedagogias do Corpo e da Saúde). Porto Alegre: EEF/UFRGS, 2004.

FERNANDES, V.; MOURÃO, L. Representações de feminilidades no boxe para mulheres. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 10. Representações de feminilidades no boxe para mulheres. Anais Eletrônicos, Florianópolis, 2013. ISSN 2179-510X.

FERNANDES, V. Mulheres de ouro: trajetória e representações de mulheres atletas de lutas. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Juiz de Fora: Faefid/UFJF, 2014.

FERREIRA, H.J. O percurso de mulheres como técnicas esportivas no Brasil. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Viçosa: UFV, 2012.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Série Pesquisa. V. 6. Brasília, 3a

edição: Laber Livro Editora, 2008.

GOELLNER, S. V. As atividades corporais e esportivas e a visibilidade das mulheres na sociedade brasileira do início deste século. Movimento, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 47-57, 1998.

_______________. Bela, maternal e feminina: Imagens da mulher na Revista Educação Physica. Tese de Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Unicamp, 1999.

_________________. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática, v. 8, n. 1, p. 85-100, jan./jun. 2005.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: ______. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte, Autêntica, 2001. p. 7-34.

KESSLER, C. S. (Org.). Mulheres na área: gênero, diversidade e inserções no futebol. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

_____________. Futebol ou futebóis: é plural ou singular? In: KESSLER, C. S. (Org.). Mulheres na área: gênero, diversidade e inserções no futebol. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.2, p. 287-298, maio/ago, 2004.

MENNESSON, C. Être une femme dans le monde des hommes: Socialisation sportive er construction du genre. Paris: L’Harmattan, 2005.

______. Les processus de construction et de modification desdispositions sexuées des femmes investies dans um sport dit «masculin». In: Dispositions et pratiques sportives: débats actuels en sociologie du sport (Societede Sociologie du Sport de Langue Française). Paris: L’Hamattan, 2004, p. 37-53.

MENNESSON, C.; CLÉMENT, J. P. Homosociability andhomosexuality: the case of soccer played by women. In: International Review for the Sociology of Sport, 2003, p. 311-330.

MINAYO, M. C. S. O Desafio do Conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007. 406 p.

MONTEIRO, I. C. Mulheres de preto: trajetórias na arbitragem do futebol profissional. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Juiz de Fora: Faefid/UFJF.

MORAES, E. V. As mulheres também são boas de bola: histórias de vida de jogadoras baianas (1970-1990). 2012. Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

NOVAIS, M. C. B; RODRIGUES, T. de P. Relações de gênero na Educação Física escolar: o conteúdo futsal como campo de investigação. 2016. 64 p. Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Educação Física – Universidade Federal de Juiz de Fora – FAEFID, Juiz de Fora, 2016.

PISANI, M. S. Poderosas do Foz: trajetórias, migrações e profissionalização de mulheres que praticam futebol. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

Projeto “Garimpando Memórias: esporte, educação física, lazer e dança no Brasil”. Manual Básico de Transcrição do Centro de Memória do Esporte (CEME). Disponível em: . Acesso em 27 maio, 2018.

ROMARIZ, S. B.; VOTRE, S. J.; MOURÃO, L. Representações de gênero no voleibol brasileiro: a imagem do teto de vidro. Movimento, v. 18, n. 4, p. 219-237, 2012.

ROSA, M. V. F. P. C; ARNOLDI, M. A. G. C. A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SEFFNER, F. Sigam-me os bons: apuros e aflições nos enfrentamentos ao regime da heteronormatividade no espaço escolar. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 1, p. 145-159, jan./mar. 2013.

SOARES, J.P.F. et al. Performatividades de gênero e a abjeção dos corpos de mulheres no levantamento de peso. Movimento. Porto Alegre, v. 24, n. 1., p. 107-118, jan./mar. de 2018.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/22458

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.