Associação Entre Prática de Atividade Física, Fatores Sociodemográficos e Psicossociais em Adolescentes: Uma Análise de Mediadores e Moderadores

Por: Luanna Alexandra Cheng.

2014 09/01/2014

Send to Kindle


Resumo

Este estudo teve por objetivo analisar se fatores psicossociais (autoeficácia e apoio social) media m a associação dos fatores sociodemográficos com o nível de atividade física; e se os fatores sociodemográficos moderam a associação entre os fatores psicossociais e o nível de atividade física em adolescentes. Estudo epidemiológico transversal com amostra de 2.540 adolescentes (57% do sexo feminino, média de idade = 16,4; dp = 1,2), de escolas públicas e privadas do ensino médio de João Pessoa, PB. O nível de atividade física foi estimado por questionário, considerando uma lista com 24 atividades físicas d e intensidade moderada a vigorosa . A percepção de autoeficácia foi estimada por uma escala com dez itens que consideraram o quanto os adolescentes percebiam que eram capazes de praticar atividade física mesmo sob a presença de barreiras. O apoio social dos pais e dos amigos foi estimado por uma escala composta por dez itens, cinco para cada. Os adolescentes referiram com que frequência os pais e os amigos ofereciam algum tipo de apoio para a prática de atividade física (estimular, praticar junto, assistir, comentar, convidar e transportar) . Foram analisados os seguintes fatores sociodemográficos: sexo (masculino e feminino), idade (categorizada em: 14 - 15 e 16 - 19 anos) e classe econômica (categorizada em: A/B e C/D/E). A regressão linear múltipla mostrou que a associação entre sexo e o nível de atividade física foi parcialmente mediada pelo apoio social dos pais ( β = 0,79) e dos amigos ( β = 2,96), e a associação entre idade e o nível de atividade física foi parcialmente mediada pelo apoio social dos pais ( β = 0,78). Observou - se qu e o sexo moderou a associação da percepção de autoeficácia (masculino β = 19,9 vs femi nino β = 9,6), apoio social dos pais (masculino β = 59,9 vs feminino β = 35,1) e dos amigos (masculino β = 68,3 vs feminino β = 40,1) com o nível de atividade física dos adolescentes. A classe econômica moderou a associação do apoio social dos pais (A/B β = 38,2 vs C/D/E β = 54,4) e dos amigos (A/B β = 53,1 vs C/D/E β = 42,3) com o nível de atividade física , e a idade (14 - 15 anos β = 54,2 vs 16 - 19 anos β = 43,6) moderou a associação do apoio social dos amigos com nível de atividade física . T odos os resultad os apresentaram valor p < 0,001. Os resultados sugerem que o apoio social dos pais e dos amigos explica m parte s das diferenças no nível de atividade física entre os sexos dos adolescentes . O apoio social dos pais explica parte das diferenças no nível de at ividade física entre adolescentes mais novos (14 - 15 anos) e mais velhos (16 - 19 anos). Os fatores psicossociais foram mais fortemente associados à prática de atividade física nos adolescentes do sexo masculino. O apoio social dos pais foi mais fortemente as sociado à prática de atividade física nos adolescentes de classe econômica média - baixa e o dos amigos n os mais novos e de c lasse econômica alta . I ntervenç ões para promoção da atividade física em adolescentes devem incluir ações para estimular o apoio socia l dos pais e dos amigos como uma das formas de aumentar os níveis de atividade física n os subgrupos de risco. 

Endereço: http://w2.portais.atrio.scire.net.br/upe-papgef/

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.