Suplementação de L-arginina Potencializa a Hipotensão Pós-exercício em Mulheres Idosas

Por: Andreo Fernando Aguiar, Daniel Massaharu Enokida, Daniele Mantovani Zago, Juliano Casonatto e Kamila Grandolfi.

Revista Brasileira de Medicina do Esporte - v.25 - n.4 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Introdução:

A suplementação de L-arginina aumenta os níveis plasmáticos dos metabólitos de óxido nítrico, um importante mediador da dilatação periférica. Dessa forma, é possível que a suplementação de L-arginina maximize a duração e a magnitude dos efeitos hipotensores pós-exercício.

Objetivos:

O presente estudo investigou os efeitos da suplementação de L-arginina na hipotensão pós-exercício, área da artéria femoral e variabilidade da frequência cardíaca em mulheres idosas.

Métodos:

Vinte participantes, adultas, pré-hipertensas e hipertensas foram divididas (de modo aleatório e equilibrado)em dois grupos (placebo e L-arginina). As participantes ingeriram oito gramas de substância inerte (grupo placebo) ou oito gramas de L-arginina (grupo L-arginina), dissolvido em água, 90 min antes da realização da sessão experimental. A sessão experimental consistia em um teste de força isocinética máxima. A pressão arterial foi aferida utilizando um dispositivo oscilométrico (Omron MX3 Plus, Bannockburn, EUA) a cada 10 minutos, durante 60 minutos, após o término da sessão experimental. Foram analisadas ainda a variabilidade da frequência cardíaca e a área da artéria femoral (ultrassom). Os dados foram submetidos à análise de variância para medidas repetidas (ANOVA) e seus respectivos pressupostos.

Resultados:

A suplementação de L-arginina associada ao exercício promoveu redução significativa da pressão arterial sistólica [placebo vs. L-arginina] (p<0,05) no intervalo de “meia-vida” (90 minutos após a suplementação) (141±12 vs. 130±11 mmHg) e aos 40 min. (146±13 vs. 127±13 mmHg), 50 min. (145±20 vs. 127±15 mmHg) e 60 min. (147±19 vs. 129±14 mmHg) pós-exercício. Não foram identificadas diferenças significativas na área da artéria femoral e na variabilidade da frequência cardíaca.

Conclusão:

A suplementação aguda de L-arginina pode potencializar os efeitos hipotensores pós-exercício em mulheres idosas. Além disso, a suplementação de L-arginina aguda não está associada às respostas de variabilidade da frequência cardíaca ou da área da artéria femoral. Nível de evidência I; Ensaio clínico randomizado.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-86922019000400333&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.