Técnico, Treinador ou Professor? o Papel Pedagógico do Profissional Responsável Pela Formação de Futebolista de Alto Rendimento

Por: e René Rodrigues Simões.

Educação Física Escolar e Esporte de Alto Rendimento: Dá Jogo?.

Send to Kindle


Resumo

No cotidiano do futebol, diversos são os termos utilizados para designar a função do principal profissional responsável por atuar junto à formação de futebolistas de alto rendimento, como técnico, treinador e, até mesmo, professor. As diversas designações são frequentemente utilizadas no sentido de distinguir a forma de intervenção e a formação dos profissionais que ocupam essa função.

Apesar da Lei 9.696, de 1º de setembro de 1998, que regulamentou a atividade do profissional de Educação Física e atribuiu aos mesmos a responsabilidade pelas práticas esportivas (BRASIL, 1998), durante muitos anos, o especialista para a intervenção junto as modalidades esportivas oriundos dos cursos de Educação Física foi denominado como técnico desportivo (SOUZA NETO et al., 2004). Enquanto a primeira legislação brasileira que abordou e regulamentou a atuação do profissional responsável especificamente para atuar junto a modalidade, se refere ao mesmo como treinador de futebol (BRASIL, 1993).

Mas, para além da relação com os aspectos legais, a denominação treinador parece ser a mais coerente perante a literatura internacional referente ao tema, sendo este profissional denominado como coach na língua inglesa (SANTOS et al., 2010; MESQUITA et al., 2011) e, entrenador na língua espanhola (LÓPEZ-CUADRA, 1977; FEU; IBANEZ, 2001), significando em ambos os casos treinador (tradução mais adequada para a língua portuguesa).

Referências

BENTO, J.O. Contexto e perspectivas. In: BENTO, J. O; GARCIA, R.; GRAÇA, A. Contexto da pedagogia do desporto: perspectiva e problemáticas.  Lisboa: Livros Horizonte, 1999. cap. 1, p. 19-112.

BRASIL. Congresso Federal. Lei nº 9.696, de 1º de set. de 1998. Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselhos Federal e regional de Educação Física. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, nº 168 de 02 de setembro de 1998.

BRASIL. Lei nº 8.650, de 22 de abril de 1993. Dispõe sobre as relações de trabalho do Treinador Profissional de Futebol e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, nº 75 de 23 de abril de 1993.

CUNHA, F. A. Técnico de futebol: a arte de comandar. Rio de Janeiro: Prestígio, 2010.

DAMO, A.S. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Hucitec, 2007.

DRUBSCKY, R. O universo tático do futebol: escola brasileira. 2.ed. Belo Horizonte, 2014.

FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FUTEBOL ASSOCIADO. Manual de Dirección Técnica (FIFA Coaching). [S. I.]: [s. n], s. d.

FEU, S.; IBÁÑEZ, S. La visión del entrenador en la transición a través del deporte. Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el Deporte v.1, n.3, p.177-187, 2001.

FREIRE, J.B. Pedagogia do futebol. 2.ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

GARGANTA, J. A propósito do desenvolvimento, da identificação e da atualização do talento para treinar e jogar futebol. In: NASCIMENTO, J.V.; RAMOS, V.; TAVARES, F. (Orgs.) Jogos desportivos: formação e investigação. Florianópolis: Udesc, 2013. p. 463-484.

GARGANTA, J. Modelação táctica do jogo de futebol – estudo da organização da fase ofensiva em equipas de alto rendimento. 1997. 312 p. (Tese de Doutorado). Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto, Universidade do Porto, Porto, 1997. 312 p.

GOMES, A.C.; ERICHESEN, O.A. Preparação de futebolistas na infância e adolescência. In: BARROS, T.L.; GUERRA, I. Ciência do futebol. Barueri: Manole, 2004. cap. 10, p. 238-275.

LÓPEZ-CUADRA, G. Manual del entrenador. 4ª edición. Barcelona: Editorial Hispano Europea, 1977.

MATVÉIEV, L.P. O treino desportivo.  Lisboa: Livros Horizonte, 1986.

MESQUITA, I.; BORGES, M.; ROSADO, A.; DE SOUZA, A. Handball coache’s perception about the value of working competences according to their coaching background. Journal of Sports Science and Medicine. v. 10, p. 193-202, 2011.

ROSADO, A.; MESQUITA, I. A formação para ser treinador. In: Tavares, F. et al. (ed.) Olhares e contextos da performance nos jogos desportivos. Porto: Multitema, 2008. cap. 4, p.48-57.

SANTOALHA, R. Dossiê - Metodologia I - Futebol. Faculdade de Ciências do Desporto e da Educação Física. Universidade do Porto. 3 ano, Turma B. (s/d).

SANTOS, S.; MESQUITA, I. GRAÇA, A.; ROSADO, A. Coache’s perception of competence and acknowledgement of trainning need related to professional competences. Journal of Sports Science and Medicine. v. 9, p. 62-70, 2010.

SOARES, A.J.G.; MELO, L.B.S.; COSTA, F.R.; BARTHOLO, T.L.; BENTO, J.O.  Jogadores de futebol no Brasil: mercado, formação de atletas de escola. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Florianópolis, v.33, n.4, p.905-921, out./dez. 2011.

SOUZA NETO, S.; ALEGRE, A. N.; HUNGER, D.; PEREIRA, J. M. A formação do profissional de Educação Física no Brasil: uma história sob a perspectiva da legislação federal no século XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. v.25, n.2, p.13-128, jan. 2004.

SOUZA, A.; SCAGLIA, A.J. Pedagogia do esporte. In: COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO MINISTÉRIO DOS ESPORTE. Dimensões pedagógicas do esporte. Brasília: Universidade de Brasília/CEAD, 2004. unidade 1, p. 8-53.

THIENGO, C.R. Os saberes e o processo de formação de futebolistas no São Paulo Futebol Clube. 2011. (Dissertação de Mestrado) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.