Tendência a Estados Depressivos em Idosos Praticantes de Atividade Física

Por: Adriana Coutinho de Azevedo Guimaraes, Débora Soccal Schwertner, Fabiane Rosa Gioda, , Joseani Paulini Neves Simas e Vera Lígia Bento Galli.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.7 - n.1 - 2005

Send to Kindle


Resumo

O presente trabalho verificou a tendência ao estado depressivo em idosos praticantes de atividade física. Para tanto, foi realizada uma entrevista com idosos do Grupo de Estudos da Terceira Idade (GETI/CEFIDUDESC). O instrumento utilizado foi a escala de depressão adaptada de Stoppe e Louzã (1999). A análise dos resultados foi feita por meio de estatística descritiva mediante cálculo de freqüência simples e percentual. A amostra foi composta de 122 idosos, com a idade média de 68,8 anos (DP= 5,5). A maioria dos idosos (91%) não apresentou tendência ao estado depressivo. Os que apresentaram tendência (9%) referem não ter esperança em relação ao futuro, ter pouca energia e estar pouco animado na maior parte do tempo; apesar disto continuam estimulados a participar do programa de atividade física. Considerando a complexidade dos fatores que predispõem os estados depressivos, entende-se que a atividade física proporciona benefícios físicos, sociais e mentais, podendo reduzir a depressão no idoso.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/3782

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.