Tendências de Pesquisa em Educação Física Escolar: a Produção do Conhecimento na Revista Movimento (2013 - 2017)

Por: , e érica Fernanda de Paula.

XV Congresso de História do Esporte, Lazer e Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

Atualmente na área de Educação Física é possível observar o aumento de publicações sobre a produção do conhecimento. Para Bracht et al. (2011) esta é uma característica de áreas acadêmicas em consolidação. Essa característica nos permite observar o desenvolvimento da área, identificar e explorar lacunas. Normalmente, os artigos que abordam a produção do conhecimento destacam as tendências de produção a partir de: grupos de pesquisa, concentração regional e institucional, aspectos teóricos e metodológicos. A Educação Física Escolar é considerada um campo abrangente e complexo (WIGGERS, et al., 2015). A produção científica sobre a Educação Física Escolar, em periódicos da área, tem sido mapeada por diferentes autores, como: Antunes et al. (2005); Bracht et al. (2011); Bracht et al. (2012); Matos et al. (2013); Wiggers et al. (2015); Anversa et al. (2018). Os periódicos pesquisados pelos autores supracitados foram: Revista Motrivivência, Revista Motriz, Revista Movimento, Revista Pensar a Prática, Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Revista Brasileira de Educação Física e Esporte e Revista da Educação Física/UEM. Entre os artigos levantados, nenhum deles analisava especificamente os últimos cinco anos de produção (2013 a 2017). Deste modo, optamos por investigar tal baliza temporal. Além disso, delimitamos o levantamento na Revista Movimento, pois entre as revistas citadas anteriormente, é a que possui a maior estratificação no Qualis. Ademais, nas pesquisas de Bracht et al. (2011) e Wiggers et al. (2015), a Revista Movimento foi destacada como um dos três periódicos com maior porcentagem de publicação sobre a Educação Física Escolar. Portanto, o presente estudo objetivou identificar as principais tendências de pesquisa em Educação Física Escolar na Revista Movimento (2013 -2017). Para tanto, utilizamos dos recursos da pesquisa bibliográfica, especialmente o estado do conhecimento. Para a seleção dos textos foi realizada a leitura flutuante do sumário das edições correspondentes, títulos, palavras-chave e resumos. Para a análise dos dados, optamos pela utilização do software Iramuteq, e das seguintes análises: nuvem de palavras, análise de similitude e classificação hierárquica descendente. Dos 107 artigos encontrados, 28 (26%) foram publicados em língua estrangeira, sendo 26 em espanhol e dois em inglês. Observamos a incidência de publicações internacionais na revista em relação à temática analisada e a concentração de estudos sobre as questões didático-pedagógicas, universo infantil e a ação do professor.

Referências

ANTUNES, F. H. C. et al. Um retrato da pesquisa brasileira em educação física escolar: 1999-2003. Motriz, Rio Claro, v. 11, n. 3, p. 179-184, 2005.

ANVERSA, A. L. B., et al. Análise da área da educação física escolar nos periódicos brasileiros (2010-2015). Pensar a Prática, Goiânia, v. 21, n. 2, abr./jun. 2018. Disponível em: < https://revistas.ufg.br/fef/article/view/46004/0>. Acesso em: 12 ago. 2018.

BRACHT, V. et al. A Educação Física Escolar como tema da produção do conhecimento nos periódicos da área no Brasil (1980-2010): parte I. Movimento, Porto Alegre, v. 17, n. 02, p. 11-34, abr/jun de 2011.

BRACHT, V. et al. A Educação Física Escolar como tema da produção do conhecimento nos periódicos da área no Brasil (1980-2010): parte II. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 02, p.11-37, abr/jun de 2012.

MATOS, J. C. et al. A produção acadêmica sobre conteúdos de ensino na educação física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 123-148, 2013.

WIGGERS, I. D. et al. Um “Raio-X” da produção do conhecimento sobre Educação Física Escolar: análise de periódicos de 2006 a 2012. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 3., p. 831-845, jul./set. de 2015.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.