Territorialidade e Nível do Adversário: Efeitos nas Respostas Hormonais e Comportamentais em Jogadores de Basquetebol

Por: Ademir Felipe Schultz Arruda.

2014 17/04/2014

Send to Kindle


Resumo

O objetivo da presente dissertação foi investigar o efeito da territorialidade e do nível do adversário nas respostas hormonais e comportamentais de jogadores de basquetebol. Para tanto, foram realizados dois estudos. No primeiro, investigou-se o efeito da territorialidade nas respostas hormonais e comportamentais decorrentes de jogos oficiais de basquetebol. Dezoito jogadores, do sexo masculino, de duas equipes da categoria sub-19 (ranqueadas em primeiro e segundo lugar na competição) foram avaliados. As equipes jogaram entre si e, portanto, cada equipe realizou um jogo "em casa" e um jogo "fora de casa". Amostras de saliva foram coletadas antes e após as duas partidas, para análise dos hormônios testosterona (T) e cortisol (C). Antes do aquecimento, os atletas responderam um questionário de ansiedade pré-competitiva, (Competitive State Anxiety Inventory-2; CSAI-2), e 30 minutos após a partida, classificaram a magnitude do esforço através do método da percepção subjetiva de esforço da sessão (PSE da sessão). A concentração de T PRÉ-jogo foi maior na condição "casa" (versus "fora de casa"); verificou-se um aumento da concentração de T e C do momento PRÉ- para o PÓS-jogo, independentemente do local do jogo; correlações significantes foram apresentadas entre as respostas hormonais e comportamentais. Esses resultados sugerem a ocorrência do fenômeno da territorialidade, e confirmam que a competição é um evento estressor capaz de alterar a concentração hormonal. No segundo estudo, a influência do nível do adversário nas respostas hormonais e comportamentais de jogadores de basquetebol foi investigada. Dez atletas de uma equipe sub-19 foram avaliados em três jogos oficiais distintos e em uma sessão de treinamento (ST). Em cada um dos jogos oficiais, a equipe enfrentou adversários de diferentes níveis de qualificação, a saber: jogo fácil (JF), jogo médio (JM) e jogo difícil (JD). A classificação do nível do adversário foi realizada por um membro da comissão técnica no início da temporada e monitorada de acordo com a posição de cada uma das equipes durante o campeonato. Foram realizadas coletas de saliva antes e após as quatro condições (três jogos e uma sessão de treinamento) para análise da concentração de T e C. Antes do aquecimento, em todas as condições, os jogadores responderam o questionário CSAI-2 e, aproximadamente 30 minutos após o jogo, responderam a PSE da sessão. A concentração de T aumentou de PRÉ para PÓS no ST e JD; a concentração de T PRÉ-JD foi maior em relação a situação PRÉ-ST. A concentração de C aumentou de PRÉ para PÓS em ST, JM e JD, e a concentração C PRÉ- e PÓS-JD foi maior quando comparada aos mesmos momentos na ST. As ansiedades somática e cognitiva se mostraram maiores no JM e JD em relação ao JF. A autoconfiança foi maior na ST quando comparado com o JM e JD. A PSE da sessão foi maior nos JM e JD em relação à ST. Os resultados do presente estudo indicam que jogos oficiais contra adversários de diferentes níveis podem promover diferentes respostas hormonais e perceptuais

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39134/tde-25062014-074945/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.