Trabalho Ubíquo na Pós-graduação Stricto Sensu em Educação: In/extensificação e Multitarefa

Por: Elisa Maria Quartiero, Lucídio Bianchetti e Rafael da Cunha Lara.

Revista Brasileira de Educação - ANPED - n.24 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O trabalho docente universitário mediado por tecnologias digitais e móveis ganha cada vez mais contornos de atividade ubíqua, com suas paradoxais repercussões que afetam dois elementos comuns a todas as atividades humanas: tempo e espaço. Desbordamentos de fronteiras entre público e privado e a incorporação do modus operandi da reestruturação produtiva nas políticas de regulação e avaliação da pós-graduação brasileira tensionam o trabalho docente sob diferentes aspectos. Com base em investigação realizada com docentes de 48 cursos de doutorado em educação, analisamos as tendências do trabalho ubíquo, em um contexto em que trabalho e educação enfrentam forte ataque das políticas governamentais. As análises sinalizam uma intensificação do caráter multitarefa de trabalhar e da in/extensificação do trabalho para outros tempos e espaços, o que redesenha e compromete o trabalho intelectual dos pesquisadores.

REFERÊNCIAS

ABÍLIO, L. C. Uberização do trabalho: subsunção real da viração. São Paulo, Blog da Boitempo, 22 fev. 2017. Disponível em: Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2017/02/22/uberizacao-do-trabalho-subsuncao-real-da-viracao/ . Acesso em: 28 fev. 2019. [ Links ]

ALVES, G. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório . São Paulo: Boitempo Editorial, 2011. [ Links ]

ANTUNES, R.; BRAGA, R. (org.). Infoproletários. Degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, 2011. [ Links ]

AUGÉ, M. Para onde foi o futuro? Campinas: Papirus, 2012. [ Links ]

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. 5. ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002. [ Links ]

BASTOS, R. L. A. Desemprego tecnológico. In: CATTANI, A.; HOLZMANN, L. (org.). Dicionário de trabalho e tecnologia. 2. ed. rev. ampl. Porto Alegre: Zouk Editora, 2011. p. 105-108. [ Links ]

BIANCHETTI, L. Da chave de fenda ao laptop. Tecnologia digital, novas qualificações e desafios à educação. 2. ed. Florianópolis: Editora da UFSC , 2008. [ Links ]

BIANCHETTI, L .; VALLE, I. R. Produtivismo acadêmico e decorrências às condições de vida/trabalho de pesquisadores brasileiros e europeus. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 82, p. 89-110, jan./mar. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362014000100005 [ Links ]

BIANCHETTI, L .; VALE, I. R.; PEREIRA, G. R. O fim dos intelectuais acadêmicos? Induções da CAPES e desafios às associações científicas. Campinas: Autores Associados, 2015. [ Links ]

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, É. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009. [ Links ]

CARLOTTO, M. S. Fatores de risco do tecnoestresse em trabalhadores que utilizam tecnologias de informação e comunicação. Estudos de Psicologia, Natal, n. 15, p. 319-324, set./dez. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2010000300012 [ Links ]

CATTANI, A. ; HOLZMANN, L . (org.). Dicionário de trabalho e tecnologia. 2. ed. rev. ampl. Porto Alegre: Zouk Editora , 2011. [ Links ]

CHAUÍ, M. A universidade operacional. Avaliação - Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, v. 4, n. 3, p. 3-8, out./dez. 1999. [ Links ]

COSTA JÚNIOR, W. R. Política de avaliação da pós-graduação e suas consequências no trabalho dos professores-pesquisadores. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 34., 2011, Natal. Anais [...] Natal: ANPEd, 2011. Disponível em: Disponível em: http://goo.gl/rfdkAi . Acesso em: 21 abr. 2014. [ Links ]

CRARY, J. 24/7 - capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify, 2014. [ Links ]

DAL ROSSO, S. Mais Trabalho! A intensidade do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo , 2008. [ Links ]

DAL ROSSO, S . O ardil da flexibilidade: os trabalhadores e a teoria do valor. São Paulo: Boitempo , 2017. [ Links ]

ELIAS, N. O processo civilizador. Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.v. 1. [ Links ]

FONSECA, M.; OLIVEIRA, J. F. Avaliação dos programas de pós-graduação e seu impacto na docência e na produção científica da universidade brasileira. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL RED ESTRADO, 8., 2010, Lima (Peru). Anais [...] Lima: CLACSO, 2010. CD-ROM. [ Links ]

HAN, B. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2015. [ Links ]

HARVEY, D. O enigma do capital e as crises do capitalismo. 1. ed. rev. São Paulo: Boitempo , 2012. [ Links ]

KEHL, M. R. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo , 2009. [ Links ]

LEPLAT, J.; CUNY, X. Introdução à psicologia do trabalho. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983. [ Links ]

LIMA, J. C.; OLIVEIRA, D. R. Trabalhadores digitais: as novas ocupações no trabalho informacional. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 32, n. 1, p. 115-143, jan./abr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-69922017.3201006 [ Links ]

MACEDO, E.; SOUSA, C. P. A pesquisa em educação no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 43, p. 166-176, jan./abr. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782010000100012 [ Links ]

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Os Pensadores). [ Links ]

MARX, K . Grundrisse. Manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da teoria política. São Paulo: Boitempo , 2011. [ Links ]

MOTA JÚNIOR, W. P. Os impactos do sistema ‘CAPES’ de avaliação sobre o trabalho docente na pós-graduação: o caso da UFPA. 2011. 208 fls. Dissertação (Mestrado em Educação) - Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2011. [ Links ]

NOGUEIRA, A. L. H. Concepções de “trabalho docente”: as condições concretas e os discursos das prescrições oficiais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 121, p. 1.237-1.254, out./dez. 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302012000400017 [ Links ]

OLIVEIRA, J. F . A pós-graduação e a pesquisa no Brasil: processos de regulação e de reconfiguração da formação e da produção do trabalho acadêmico. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 10, n. 2, p. 343-363, jul./dez. 2015. http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.10i2.0004 [ Links ]

PARMA, G. O. C. Inferência estatística. Palhoça: Unisul Virtual, 2015. [ Links ]

PAUGAM, S. (coord.). A pesquisa sociológica. Petrópolis: Vozes , 2015. [ Links ]

POWERS, W. O blackberry de Hamlet. São Paulo: Alaúde, 2012. [ Links ]

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon, United Kingdom, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001. http://dx.doi.org/10.1108/10748120110424816 [ Links ]

SANTAELLA, L. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007. [ Links ]

SANTAELLA, L . Culturas e artes do pós-humano. 4. ed. São Paulo: Paulus , 2010. [ Links ]

SANTAELLA, L . Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus , 2013. [ Links ]

SENNETT, R. A corrosão do caráter: o desaparecimento das virtudes com o novo capitalismo. Rio de Janeiro: Edições BestBolso, 2012. [ Links ]

SGUISSARDI, V.; SILVA JR., J. R. Trabalho intensificado nas federais. Pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009. [ Links ]

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 5. ed. Petrópolis: Vozes , 2002. [ Links ]

TREIN, E.; RODRIGUES, J. O mal-estar na academia: produtivismo científico, o fetichismo do conhecimento mercadoria. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 48, p. 769-819, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782011000300012 [ Links ]

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. [ Links ]

ZUIN, A. A. S.; BIANCHETTI, L . O produtivismo na era do “publique, apareça ou pereça”: um equilíbrio difícil e necessário. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 45, n. 158, p. 726-750, out./dez. 2015. Disponível em: Disponível em: http://goo.gl/WDq7CD . Acesso em: 22 jan. 2016. Disponível em: http://goo.gl/WDq7CD. Acesso em: 22 jan. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/198053143294[ Links ]

*Uma versão reduzida deste texto foi apresentada na 38ª Reunião Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), em São Luís, em 2017, tendo recebido parecer favorável à publicação na Revista Brasileira de Educação (RBE)

1Em termos gerais, a título de exemplo dos retrocessos no campo social com impacto direto sobre os âmbitos do trabalho e da educação, destacamos as reformas na educação básica, os projetos “Escola sem Partido” colocados em pauta nos estados e municípios, o congelamento de investimentos públicos e a reforma trabalhista realizada de modo fragmentado e escamoteado, com substanciais mudanças nos direitos dos trabalhadores, como o trabalho intermitente e a terceirização indiscriminada para atender às demandas do mercado de trabalho por empregados polivalentes, a uberização do trabalho e o ardil da flexibilidade (Dal Rosso, 2017) e a precarização dos serviços públicos. Especificamente no tocante à pós-graduação stricto sensu, destacam-se sucessivas medidas que resultam na intensificação e na extensificação da jornada de trabalho ou no chamado “produtivismo acadêmico”, que traz como decorrência um “mal-estar na academia” (Trein e Rodrigues, 2010)

2Para manter o anonimato dos depoentes, utilizaremos a letra P seguida de uma sequência numérica (por exemplo: P001) para identificar os(as) participantes da pesquisa em seus depoimentos

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-24782019000100211&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.