Tradução, Adaptação e Validação do Questionário Medida do Tempo Sedentário de Idosos em Idosos Brasileiros

Por: Camilo Luís Monteiro Lourenço, Fernanda Aparecida Lopes Magno, , Jairo Hélio Júnior, Jeffer Eidi Sasaki, e Kariny Rodrigues Pereira.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.20 - n.6 - 2018

Send to Kindle


Resumo


O estilo de vida moderno está associado à exposição prolongada ao comportamento sedentário (SB), especialmente em idosos; no entanto, faltam questionários validados para medir SB em idosos brasileiros. O objetivo deste estudo foi adaptar e validar a versão brasileira do questionário “Medida do Tempo de Sedimentação de Adultos Mais Velhos” (MOST) em idosos brasileiros. Validade de conteúdo, clareza e validade concorrente do MOST adaptado foram examinados. Cinqüenta e sete participantes (68,7 ± 3,47 anos) responderam à versão adaptada do questionário MOST e usaram um acelerômetro ActiGraph wGT3X-BT por sete dias. Após esse período, os participantes responderam ao MOST adaptado novamente e o acelerômetro foi coletado. A maioria das respostas foram somadas para calcular o tempo de auto-relato gasto em SB. Um ponto de corte de < 100 contagens / min foram aplicadas aos dados do acelerômetro para estimar o tempo gasto no SB. A relação entre as estimativas de SB da MOST e acelerômetro foi verificada pela correlação de Pearson, a reprodutibilidade foi verificada pelo coeficiente de correlação intraclasse (ICC), a consistência interna pelo alfa de Cronbach (α) e a concordância por Bland Altman. A significância foi estabelecida em P <0,05. Índice de validade de conteúdo e índice de clareza foram de 100% e 98%, respectivamente. O ICC foi de 0,72 (IC 95%: 0,56-0,82) para o tempo total no BS avaliado pelo questionário MOST. A correlação entre as estimativas de SB dos dados do MOST e acelerômetro foi de 0,37 (IC 95%: 0,130.58). O MOST sistematicamente subestimou o SB em comparação com o acelerômetro (viés de medição: -732,8 min / semana [2087,6; -3553,2 min / sem]).

Referências

Dunstan DW, Kingwell BA, Larsen R, Healy GN, Cerin E. Hamilton MT, et al. Quebrar o assento prolongado reduz as respostas pós-prandiais de glicose e insulina. Diabetes Care 2012; 35 (5): 976-83.

Katzmarzyk PT, Igreja TS, Craig CL, Bouchard C. Tempo de Sessão e Mortalidade de Todas as Causas, Doença Cardiovascular e Câncer: Med Sci Sports Exerc 2009; 41 (5): 998–1005.

Van der Ploeg HP, Chey T, Korda RJ, Banks E, Bauman A. Tempo de espera e risco de mortalidade por todas as causas em 222 497 adultos australianos. Arch Intern Med 2012; 172 (6): 494–500.

Ainsworth BE, Haskell WL, Whitt MC, Irwin ML, Swartz AM, Strath SJ, et al. Compêndio de atividades físicas: uma atualização de códigos de atividade e intensidades de MET. Med Sci Sports Exerc 2000; 32 (9): 498-504.

Pate RR, O'Neill JR, Lobelo F. A definição em evolução de “sedentário”. Exerc Sport Sci Rev 2008; 36 (4): 173-8.

Rede de Pesquisa de Comportamento Sedentário. Carta ao Editor: Uso padronizado dos termos “sedentários” e “comportamentos sedentários”. Appl Physiol Nutr Metab 2012; 37 (3): 540–2.

Atkin AJ, Gorely T, Clemes SA, Yates T, Edwardson C, Brage S, et al. Métodos de Mensuração em epidemiologia: Comportamento Sedentário. Int J Epidemiol 2012; 41 (5): 1460-71.

Rezende LFM, Rey-López JP, Matsudo VKR, Luiz OC. Comportamento sedentário e desfechos de saúde em idosos: uma revisão sistemática. BMC Public Health 2014; 14 (1): 333.

Gardiner PA, Clark BK, Healy GN, Eakin EG, Winkler EAH, Owen N. Medindo o tempo sedentário dos adultos mais velhos: confiabilidade, validade e capacidade de resposta. Med Sci Sports Exerc 2011; 43 (11): 2127-33.

Beaton DE, Bombardeiro C, Guillemin F, Ferraz MB. Diretrizes para o processo de adaptação transcultural de medidas de autorrelato. Spine 2000; 25 (24): 3186-91.

Monte MM, Colina A. Investigação por questionário. Lisboa: Sílabo; 2009. p. 377

Brucki SM, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PH, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr 2003; 61 (3B): 777-81.

Guralnik JM, Simonsick EM, Ferrucci L., Glynn RJ, Berkman LF, Blazer DG, et al. Uma Bateria de Desempenho Físico Curto que Avalia a Função da Extremidade Inferior: Associação com Incapacidade Auto-Relatada e Predição de Mortalidade e Admissão no Lar de Idosos. J Gerontol 1994; 49 (2): 85-94.

Organização Mundial da Saúde. Obesidade: prevenção e gestão da epidemia global: relatório de uma consulta da OMS. Genebra: Organização Mundial de Saúde. 2000. 253 p. (Série de relatórios técnicos da OMS).

Colégio Americano de Esportes de Medicina. ACSM | Comunicados de imprensa Estados Unidos. 2011; Disponível a partir de [2017 maio 19].

Matthews CE, Chen KY, Freedson PS, Buchowski MS, Faia BM, Pate RR, et al. Quantidade de tempo gasto em comportamentos sedentários nos Estados Unidos, 2003-2004. Am J Epidemiol 2008; 167 (7): 875-81.

Troiano RP, McClain JJ, Brychta RJ, Chen KY. Evolução dos métodos do acelerômetro para pesquisa em atividade física. Br J Sports Med 2014; 48 (13): 1019–23.

Gennuso KP, Matthews CE, Colbert LH. Confiabilidade e validade de 2 medidas de auto-avaliação para avaliar o comportamento sedentário em adultos mais velhos. J Phys Act Health 2015; 12 (5): 727-32.

Grimm EK, Swartz AM, Hart T, Miller NE, Strath SJ. Comparação das previsões do Formulário IPAQShort e acelerometria de atividade física em idosos. J Aging Phys Act 2012; 20 (1): 64-79.

Van Cauwenberg J, Van Holle V, De Bourdeaudhuij I, Owen N, Deforche B. Relato de adultos sobre comportamentos sedentários específicos: validade e confiabilidade. BMC Public Health 2014; 14 (1): 1.

Gennuso KP, Thraen-Borowski KM, Gangnon RE, Colbert LH. Padrões de comportamento sedentário e função física em idosos. Aging Clin Exp Res 2015; 28 (5): 943–50.

Visser M, Koster A. Desenvolvimento de um questionário para avaliar o tempo sedentário em pessoas idosas - um estudo comparativo usando acelerometria. BMC Geriatr 2013; 13 (1): 1.

Schuler PB, Richardson MT, Ochoa P, Wang MQ. Precisão e repetibilidade da pesquisa de atividade física de Yale na avaliação da atividade física de idosos. Percept Mot Skills 2001; 93 (1): 163-77.

Helmerhorst HJ, Brage S, Warren J, Besson H., Ekelund U. Uma revisão sistemática de confiabilidade e validade de critério objetivo relacionado a questionários de atividade física. Int J Behav Nutr Phys Act 2012; 9 (1): 103.

Healy GN, Matthews CE, Dunstan DW, Winkler EAH, Owen N. Tempo sedentário e bio-metabólatras cardiovasculares em adultos norte-americanos: NHANES 2003-06. Eur Heart J 2011; 32 (5): 590-7.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2018v20n6p491

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.