Treinamento Psicológico e Sua Influência nos Estados de Humor e Desempenho Técnico de Atletas de Basquetebol

Por: Silvia Regina Deschamps.

2008 07/03/2008

Send to Kindle


Resumo

Este estudo teve como objetivos identificar os tipos psicológicos mais recorrentes no grupo de atletas analisados e verificar a influência do treinamento psicológico nos estados de humor e desempenho técnico. A amostra foi composta por 17 atletas de basquetebol de alto rendimento, componentes de duas equipes que disputaram os Jogos Regionais de São Paulo, em 2007. Cada equipe realizou seis jogos no referido campeonato.As equipes foram divididas em grupo experimental (equipe A com treinamento psicológico n=9) e grupo controle (equipe B sem treinamento psicológico n=8). Ambas as equipes responderam aos seguintes instrumentos: QUATI (para identificação dos tipos psicológicos), aplicado uma única vez um mês antes da competição e BRAMS (versão brasileira do POMS), que foi aplicado em quatro momentos diferentes (um mês e uma semana antes da competição, e 1º. e 3º. jogos). A essas equipes também foi aplicado o Índice de Eficiência Técnica (adotado pela Confederação Brasileira de Basketball) nos jogos da referida competição. Para o tratamento dos dados foram utilizadas ANOVA e Coeficiente de Correlação de Postos de Spearman.A equipe A foi submetida ao treinamento psicológico baseado no programa desenvolvido por SUINN (1988). Os resultados apontaram que houve uma predominância do tipo psicológico voltado ao pensamento na equipe A, enquanto que na equipe B os tipos predominantes foram sensação e intuição. Houve um equilíbrio entre as atitudes de introversão e extroversão nas duas equipes. Em relação aos estados de humor, a equipe A apresentou os estados negativos (tensão, depressão, raiva, fadiga e confusão) abaixo do percentil 50 nos momentos 3 e 4 e acima desse percentil nos momentos 1 e 2. Já o estado de humor positivo (vigor) esteve acima do percentil 50 durante todo o período competitivo. Na equipe B, os estados de humor negativos estiveram acima do percentil 50 durante toda a competição, exceto a tensão nos momentos 2, 3 e 4. O estado de humor positivo (vigor) obteve os mesmos índices apresentados pela equipe A. Ao correlacionar-se os estados de humor com os índices de eficiência técnica não foram observados resultados significantes para a equipe A, enquanto que a equipe B apresentou uma forte correlação negativa entre o estado de humor confusão e o índice de eficiência do terceiro jogo (-0,90). Apesar da curta duração do trabalho realizado pode-se considerar que o treinamento psicológico teve sua contribuição na melhora dos níveis de estados de humor dos atletas e não houve correlação significante entre os estados de humor e o índice de eficiência técnica para a equipe A.

Endereço: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39132/tde-16042010-111517/pt-br.php

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.