Um Estudo Experimental Sobre os Efeitos da Propaganda na Intenção de Uso de Serviços de Personal Trainer

Por: , Evandro Luiz Lopes e Verônica de Oliveira-lopes.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.6 - n.2 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Tendo como objetivo identificar qual tipo de modelo e/ou ação expressiva gera maior intenção de uso em cada grupo determinado, o presente estudo é uma pesquisa experimental, conduzida por meio da manipulação de propagandas de serviços de personal trainer, utilizando dois tipos de modelos: um com alto nível de hipertrofia e outro apenas aparentemente condicionado. Associada à manipulação do biótipo dos modelos, foi manipulada a ação expressiva dos mesmos, sendo esta apresentada em forma de semblante sério ou sorrindo. Com essas manipulações, foram analisadas as intenções de uso do serviço de personal trainer, tanto geral quanto de acordo com o gênero do respondente. As imagens dos endossadores (modelos) mais bem-aceitas (em termos de intenção de uso) no pré-teste foram utilizadas em propagandas, tendo sido selecionadas duas imagens de cada modelo – uma séria e uma sorrindo para cada um deles. Assim, por meio do QuestionPro, as quatro propagadas foram distribuídas virtualmente para a avalição da amostra, sendo que cada indivíduo analisou apenas uma delas. Os dados obtidos foram analisados com o auxílio do SPSS versão 21. De forma geral, nenhum biótipo despertou maior intenção de uso do serviço de personal trainer, porém, o modelo hipertrofiado sorrindo e o modelo condicionado sério apresentam as maiores médias de intenção de uso (e não há diferença significativa entre esses dois). Para as mulheres, esse resultado se confirma e se repete. Já para os homens, a maior intenção de uso foi despertada sempre pelo modelo com alto nível de hipertrofia, independentemente de sua ação expressiva.

Anzai, K. (2010). O corpo enquanto objeto de consumo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 21(2).

Barnes, K., Ball, L., & Desbrow, B. (2016). Personal trainer perceptions of providing nutrition care to clients: a qualitative exploration. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism, 1-23.

Barnes, K., Desbrow, B., & Ball, L. (2016). Personal trainers are confident in their ability to provide nutrition care: a cross-sectional investigation. Public Health, 140, 39-44.

Bitencourt, F. G. (1997). Globalização: O Esporte e a Cultura de consumo. Montrivivência Revista de Educação Física, Esporte e Lazer, (10), 1-11.

Bossle, C. B., & Fraga, A. B. (2011). O personal trainer na perspectiva do marketing. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 33(1).

Clarke, L. H., & Bennett, E. V. (2013). Constructing the moral body: self-care among older adults with multiple chronic conditions. Health, 17(3), 211-228.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2016). Métodos de Pesquisa em Administração. 12a edição. São Paulo. McGraw Hill Brasil.

Dias, L. F., Nohara, J. J., & Dos Reis, T. D. C. P. (2012). Alimentação, Propagandas e Saúde Infanto-Juvenil. REMark, 11(1), 3.

Elsabagh, H. M., Soliman, F. E., & Hassan, L. A. (2016). Perception and Practices of Healthy Lifestyle in Late Adolescence and its Impact on Body Mass Index. National Journal of Community Medicine, 7(4), 311-319.

Fischer, D. V., & Bryant, J. (2008). Effect of certified personal trainer services on stage of exercise behavior and exercise mediators in female college students. Journal of American College Health, 56(4), 369-376.

Gouveia, V. V., Guerra, V. M., Santos, W. S., Rivera, G. A., & Singelis, T. M. (2007). Escala de Contágio Emocional: Adaptação ao contexto brasileiro. Psico, 38(1), 5.

Han, K. H., & Kim, J. (2016). Utility of advertising for creativity education: an experimental study targeting school children. International Journal of Advertising, 1-18.

Harvey, G., Vachhani, S. J., & Williams, K. (2014). Working out: aesthetic labour, affect and the fitness industry personal trainer. Leisure Studies, 33(5), 454-470.

Hernandez, J. M., Basso, K., & Brandão, M. M. (2014). Pesquisa experimental em marketing. REMark, 13(2), 96.

Huber, F., Herrmann, A., & Fischer, M. (2015). Preference Oriented Measurement of Advertising Response. In Global Perspectives in Marketing for the 21st Century (pp. 33-36). Springer International Publishing.

Jeffery, R. W., Wing, R. R., Thorson, C., & Burton, L. R. (1998). Use of personal trainers and financial incentives to increase exercise in a behavioral weight-loss program. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 66(5), 777.

Hatfield, E., Cacioppo, J. T., & Rapson, R. L. (1994). Emotional contagion: Cambridge studies in emotion and social interaction. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Kulathinal, S. B., Kuulasmaa, K., & Gasbarra, D. (2002). Estimation of an errors---in---variables regression model when the variances of the measurement errors vary between the observations. Statistics in Medicine, 21(8), 1089-1101.

Lewis, R. A., & Reiley, D. H. (2014). Online ads and offline sales: measuring the effect of retail advertising via a controlled experiment on Yahoo!. Quantitative Marketing and Economics, 12(3), 235-266.

Mcardle, W. D., Katch, F. I., & Katch, V. L. (2003). Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 5a edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Meirelles, F. D. S., Strehlau, V. I., & Lopes, E. L. (2016). A Influência do País de Origem na Escolha de Marcas Desconhecidas: Uma Investigação sobre os Atributos de Marca de Materiais Esportivos. REMark, 15(1), 57.

Polito, M. D. (2010). Prescrição de exercícios para saúde e qualidade de vida. São Paulo: Phorte.

Ratamess, N. A., Faigenbaum, A. D., Hoffman, J. R., & Kang, J. (2008). Self-selected resistance training intensity in healthy women: the influence of a personal trainer. The Journal of Strength & Conditioning Research, 22(1), 103-111.

Ribeiro, A. S., & Weiss, S. L. I. (no prelo). Corpo, imagem e história: o corpo como objeto de consumo social. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/268016039_CORPO_IMAGEM_E_HISTORIA_O_CORPO_COMO_OBJETO_DE_CONSUMO_SOCIAL. Último acesso em 01.03.2017.

Rosa, J. T. V., & Assis, M. R. (2013). A expectativa dos frequentadores de academia em relação ao corpo do professor de educação física. Corpus et Scientia, 9(1), 79-88.

Rudd, N. A., Harmon, J., Heiss, V., & Buckworth, J. (2015). Obesity bias and body image: How do fashion and retail students compare to other personal service majors? International Journal of Fashion Design, Technology and Education, 8(1), 30-38.

Salcedo, J. F. (2010). Os motivos à prática regular do treinamento personalizado: um estudo com alunos de personal trainer. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

Sociedade Brasileira de Personal Trainers. Disponível em http://www.alliancefitness.com.br/sbpt/novo/. Último acesso em 07/10/2016.

Zotos, Y. C., & Grau, S. L. (2016). Gender stereotypes in advertising: exploring new directions. International Journal of Advertising, 35(5), 759-760.

 

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/208

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.