Uma Aventura Olímpica: Novas Madalidades, Novos Desafios

Por: Raoni Perrucci Toledo Machado.

Olimpianos - Journal Of Olympic Studies - v.1 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Em 1894, antes mesmo da primeira edição dos Jogos Olímpicos da era moderna, o barão Pierre de Coubertin já demonstrava que o olimpismo e a aventura podiam ir juntos desde o começo, como podemos ver nas tentativas de realizar "a melhor caça" "O melhor escalada "e um prêmio na categoria" aviação ". Demorou cerca de um século para os desportos de aventura terem o seu lugar no programa olímpico, começando com a tímida aparição isolada de canoagem de slalom em 1972 e culminando agora com o surgimento de escalada, surf e skate nos jogos dos Tokio em 2020. Se Por um lado, a compreensão do contexto sociocultural que fundamenta e legitima a reformulação do programa olímpico nessa direção torna-se fundamental; por outro lado, temos que nos perguntar se, devido às peculiaridades dessas modalidades, se estiverem dispostos a cooperar com as intenções do COI. Durante a celebração do IX Congresso Brasileiro de Atividade de Aventura, em 2016, os palestrantes foram muito debatidos até que ponto valeria a "esportividade" desses esportes, o que os faria perder sua essência em detrimento da manifestação tradicional do esporte. esporte. De fato, nenhum dos 64 artigos recebidos e apresentados em pôsteres ou comunicações orais foi dedicado ao estudo deste assunto, embora fosse o tema central do congresso. Coincidência ou falta de interesse? Falta de interesse ou irrelevância? Irrelevância ou incompatibilidade? Nós ainda não temos a resposta para estas perguntas, mas parece-me que dentro do COI '

Endereço: http://olimpianos.com.br/journal/index.php/Olimpianos/article/view/30

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.