Validação do Teste Progressivo Específico Para Taekwondo.

Por: Jader Sant´ana.

2013 28/03/2013

Send to Kindle


Resumo

Verificar a validade de um protocolo, cujo objetivo é a avaliação fisiológica e obtenção de marcadores específicos, é considerado pré-requisito para obtenção de medidas precisas e que possam ser utilizadas na prescrição e controle do treinamento do atleta. Recentemente, foi apresentado na literatura o Teste Progressivo Específico para Praticantes de Taekwondo (TET). O TET emprega o chute Bandal Tchagui, principal gesto motor utilizado em competições pelo atleta de Taekwondo. A partir do TET é possível avaliar os indicadores de capacidade e potência aeróbia em atletas de Taekwondo. Porém, não foi constatada a reprodutibilidade e a validade concorrente do TET, de forma que, este possa ser utilizado por pesquisadores e profissionais da área esportiva na avaliação específica de atletas desta modalidade. Sendo assim, o objetivo do presente estudo é investigar a validade do TET como um método para avaliação aeróbia específica em atletas de Taekwondo. Atletas de Taekwondo que se voluntariam para o presente estudo foram divididos em dois grupos: grupo que realizou um teste de reprodutibilidade (G1), composto por 12 atletas e o grupo que realizou um teste de validade concorrente (G2), composto por 18 atletas. Para participar da pesquisa os atletas deveriam ter idade mínima de 18 anos e pelo menos 3,5 anos de experiência com a prática do Taekwondo. Todos os sujeitos do estudo eram do sexo masculino. Em ambos os protocolos os atletas realizaram as avaliações respeitando intervalo de aproximadamente 48 horas entre os testes. O G1 foi submetido a dois testes (teste e reteste). As seguintes variáveis foram analisadas: frequência cardíaca máxima (FCMAX), ponto de deflexão da frequência cardíaca (PDFC), frequência de chute máxima (FCHMAX), frequência de chute de PDFC (FCHPDFC) e o lactato máximo pós-teste (LacMAX). O G2 realizou um TET e um teste incremental em esteira (TI). Durante o TET as mesmas variáveis analisadas no G1, além do VO2max, quociente respiratório (R) e o consumo de oxigênio de PDFC (VO2PDFC) foram mensurados. Durante o TI além da FCMAX, PDFC, R e LacMAX, foram avaliadas também a velocidade máxima (VMAX) e a velocidade de PDFC identificada pelo método DMAX (VDMAX). Para apresentação dos dados foi utilizada estatística descritiva, sendo a normalidade dos mesmos, verificada mediante o teste de Shapiro-Wilk. A correlação linear de Pearson foi aplicada para relacionar as variáveis obtidas no TET e no TI. A relação entre os dois testes para as diferentes intensidade foi verificada por meio da análise de variância two-way (ANOVA) com o coeficiente de correlação intraclasse (CCI) sendo estabelecido para
verificar fidedignidade do teste para o reteste e em relação às variáveis do TET e TI. A análise de Bland-Altman foi utilizada para testar a concordância entre os métodos. Para verificar se há diferença entre os valores médios no G1, entre teste e reteste, e no G2, entre o TET e TI, foi utilizado o teste t para amostras dependentes e foi estabelecida a magnitude das diferenças a partir do effect size (g). Foi adotado nível de significância p<0,05. Os resultados do protocolo de reprodutibilidade demonstraram que a FCMAX e o PDFC não diferiram estatisticamente entre o teste e reteste. Também não foram observadas diferenças significativas (p<0,05) para a FCHPDFC e FCHMAX entre teste e reteste. O effect size para estas variáveis foram classificas da seguinte forma: FCMAX e PDFC como trivial (g<0,1); FCHMAX e FCHPDFC como trivial/baixo (g entre 0,1 e 0,3); e LacMAX como baixo/moderado (g entre 0,5 e 0,7). O CCI demonstra que o teste e reteste apresentam correlação muito forte para as variáveis FCHMAX (0,97), FCHPDFC (0,97), FCMAX (0,97) e PDFC (0,92) e moderada correlação para a LacMAX (0,62). Os resultados do G2 demonstram que as médias das variáveis VO2max (49,16 ± 5,26 ml·kg-1·min-1 e 50,49 ± 4,42 ml·kg-1·min-1), VO2PDFC (43,64 ± 5,55 ml·kg·min-1 e 42,85 ± 4,69 ml·kg-1·min-1) e PDFC (172 ± 8 bpm e 169 ± 8 bpm) não apresentaram diferença significativa (p<0,05) quando comparados os valores de TET e TI, respectivamente. A FCMAX (190 ± 8 bpm e 192 ± 10bpm), o R (1,12 ± 0,06 e 1,19 ± 0,11) e a LacMAX (8,91 ± 1,70 mmol·L-1 e 11,10 ± 2,34 mmol·L-1) foram diferentes (p<0,05) entre TET e TI, respectivamente. Ao verificar a magnitude das diferenças obtidas entre TET e TI as variáveis foram classificas da seguinte forma: VO2max e LacMAX como trivial/baixo (g entre 0,1 e 0,3); PDFC e VO2PDFC como baixo (g entre 0,3 e 0,5); R como baixo/moderado (g entre 0,5 e 0,7); e FCMAX como moderado (g entre 0,7 e 1,1). O CCI demonstra que todas as variáveis obtidas no TET e TI apresentam correlação forte. Sendo assim, o TET mostra-se como uma metodologia reprodutível e válida para avaliação aeróbia específica de atletas de Taekwondo.

Endereço: http://ppgef.ufsc.br/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.