Validade das Medidas dos ângulos das Curvaturas Sagitais da Coluna Vertebral Utilizando o Instrumento Flexicurva

Por: Cláudia Tarragô Candotti, Fabiana de Oliveira Chaise, Jefferson Fagundes Loss, Marcelo La Torre, Tássia Silveira Furlanetto e Tatiana Scheeren de Oliveira.

XVII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e IV Conice - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo

O objetivo foi validar o instrumento flexicurva para mensuração dos ângulos das curvaturas torácica e lombar, no plano sagital. Foram avaliados 47 indivíduos com os seguintes procedimentos: (1) palpação e marcação dos processos espinhosos (PE) de T1, T12, L1 e L5; (2) exame radiológico da coluna vertebral; (3) moldagem do flexicurva do PE de C7 à S1; (4) desenho do contorno do flexicurva em papel milimetrado. O ângulo das curvaturas, no exame radiológico, foi obtido pelo método Cobb. O ângulo de cada curvatura, com o flexicurva, foi determinado com os seguintes procedimentos: (1) criação de um sistema de coordenada bidimensional no papel milimetrado para obtenção das coordenadas (x,y) dos PE; (2) desenvolvimento de dois polinômios de 3ª ordem e cálculo do ângulo das curvaturas torácica e lombar por meio de um algoritmo desenvolvido no software Matlab®. Análise estatística: teste t de student pareado, correlação de Pearson (α<0,05) e o método de análise gráfica de Bland-Altmann. Não foram encontradas diferenças entre os ângulos Cobb e os ângulos do flexicurva em ambas as curvaturas (p>0,05); foram encontradas correlações fortes e significativas para torácica (r=0,72; p<0,01) e lombar (r=0,60; p<0,01). Os resultados demonstram que as medições realizadas com o instrumento flexicurva são válidas.

Endereço: http://cev.org.br/eventos/xvii-conbrace-iv-conice/

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.