Variabilidade na Coordenação Motora: Uma Abordagem Centrada no Delineamento Gemelar

Por: Daniel Santos, Go Tani, José A. Maia, Michele Caroline de Souza e Raquel Nichele de Chaves.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.26 - n.2 - 2012

Send to Kindle


Resumo

O propósito deste estudo foi estimar a contribuição dos fatores genéticos e ambientais na variabilidade do desempenho interindividual na coordenação motora. A amostra foi constituída por 64 pares de gêmeos portugueses, com idades entre cinco e 14 anos. Avaliou-se o desempenho da coordenação através das quatro provas da bateria KTK: equilíbrio à retaguarda (ER); saltos monopedais (SM); transposição lateral (TL); saltos laterais (SL). Calculou-se o coeficiente de correlação intraclasse (t), sendo estimada a contribuição dos fatores genéticos (a2), ambientais comuns (c2) e únicos (e2). Os resultados mostram valores de t mais elevados entre gêmeos monozigóticos, sugerindo presença de fatores genéticos. Entretanto, estimativas de a2 foram baixas, variando entre 15% (TL) e 41% (SM), enquanto para c2 situaram-se entre 46% (SL) e 58% (TL), e para e2 entre 11% (SM) e 28% (TL). Conclui-se que fatores ambientais são responsáveis pela maior parcela de influência na variabilidade do desempenho na coordenação motora.

Endereço: http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v26n2/12.pdf

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.