Visão Discente Sobre a Educação Física (des)seriada no Ensino Médio

Por: Carla da Conceição Lettnin, Denise Grosso da Fonseca e Lais Lanziotti da Silveira.

Lecturas: Educación Física y Deportes - v.25 - n.268 - 2020

Send to Kindle


Resumo

A Educação Física no Ensino Médio do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul tem uma dinâmica curricular específica, que se configura em turmas constituídas por alunos dos diferentes anos de ensino (1º, 2º, e 3º) e práticas corporais escolhidas pelos próprios estudantes, em assembleias. Essa proposta (des)seriada de organização das turmas está fundamentada, dentre outras teorias, nos princípios da Teoria da Autodeterminação (Self-Determination Theory), com o propósito de aumentar a permanência dos estudantes nas aulas de Educação Física. Esta pesquisa, de caráter qualitativo, teve por objetivo elucidar como os alunos do Ensino Médio da referida escola percebem a dinâmica da Educação Física desenvolvida, por meio de um grupo focal, constituído por 7 colaboradores. Do método de Análise de Conteúdo emergiram 3 categorias, denominadas: Conhecimento, Proposta (des)seriada e Importância da Educação Física, indicando que na visão dos estudantes a dinâmica da proposta de (des)seriação é válida, mas apresenta alguns aspectos que merecem ser revisados/(re)discutidos.

Referências

Berleze, A., Vieira, L. F., & Krebs, R. J. (2002). Motivos que levam crianças para a prática de atividades motoras na escola. Revista Da Educação Física/UEM, 13(1), 99–107. Recuperado de: https://doi.org/10.4025/reveducfisv13n1p99-107

Balbinotti, M.A.A., Barbosa, M.L.L., Balbinotti, C.A.A., & Saldanha, R.P. (2011). Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório. Estudos de Psicologia (Natal), 16(1), 99-106. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2011000100013

Balbinotti, M., & Capozzoli, C. (2008). Motivação à prática regular de atividade física: um estudo exploratório com praticantes em academias de ginástica.Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 22(1), 63-80. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S1807-55092008000100006

Brasil (1996). Lei de Diretrizes e Bases. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais:Educação Física. Brasília. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro07.pdf

Brasil (2009). Portaria 971 de 09 de outubro de 2009. Brasília. Recuperado de: http://educacaointegral.mec.gov.br/images/pdf/port_971_09102009.pdf

Brasil (2016). Medida Provisória 746 de 22 de setembro de 2016. Brasília. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm

Brasil (2017a). Base Nacional Comum Curricular. Brasília. Recuperado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/

Brasil (2017b). Lei 13.415de 16 de fevereiro de 2017. Brasília. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm

Chicon, J. F. (2008). Inclusão e exclusão no contexto da Educação Física escolar. Movimento, 14(1), 13–38. Recuperado de: https://doi.org/10.22456/1982-8918.3760

Deci, E., & Ryan, R. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press.

Folle, A., & Teixeira, F. A. (2012). Motivação de escolares das séries finais do ensino fundamental nas aulas de educação física. Revista da Educação Física/UEM, 23(1), 37-44. Recuperado de: https://doi.org/10.4025/reveducfis.v23i1.12202

Fonseca, D. G. da (2015). Inquietações didáticas. In: D. G. da Fonseca, & R. B. Machado, Educação Física: (Re)visitando a didática. Porto Alegre: Sulina.

Gallahue, D. L., & Ozmun, J. C. (2005). Compreendendo o desenvolvimento motor (3ª ed.). São Paulo: Phorte.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Campinas: Liber Livro.

Heredero, E. S. (2018). Escola inclusiva: um novo olhar para o currículo de uma escola para todos. Revista Eletrônica da Educação, 1(1), 68-77. Recuperado de: http://revista.fundacaojau.edu.br:8078/journal/index.php/revista_educacao/article/view/13/12

Lettnin, C. da C. (2013). (Des)seriação da Educação Física no Ensino Médio como proposta de contribuição a Saúde: visão de alunos e professores. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Recuperado de: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/3805

Lettnin, C. da C. (2016). A saúde na educação física (des)seriada: oportunidades de desenvolvimento da dimensão espiritual. Cadernos do Aplicação. 29, 83-99. Recuperado de: https://doi.org/10.22456/2595-4377.43855

Lutz, T., de Souza, A. C. C., & Telles, S. de C. C. (2020). A influência do Movimento Renovador em aulas de Educação Física no Rio de Janeiro. Lecturas: Educación Física y Deportes, 25(263), 2-22. Recuperado de: https://doi.org/10.46642/efd.v25i263.1600

Einsfeldt, R. M. E., & Lettnin, C. da C. (2018). A (Des)seriação na Educação Física: uma proposta de aceitação aos alunos do ensino médio. Lecturas: Educación Física y Deportes, 23(245), 34-48. Recuperado de: https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/645

Machado, R.B. (2019). Pensar a inclusão e diferença na Educação Física nos anos iniciais. In D. G. Fonseca, & R. B. Machado (Orgs.), A Educação Física nos anos iniciais. Porto Alegre: Sulina.

Molina Neto, V., Fonseca, D., Silva, L., Lopes, R., & Wittizorecki, E. (2017). A Educação Física no ensino médio ou para entender a Era do Gelo. Motrivivência, 29(52), 87-105. Recuperado de: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2017v29n52p87

Moraes, R. (1998). Uma experiência de pesquisa coletiva: introdução à análise de conteúdo. In M. C. Grillo, & M. F. Medeiros (Orgs), A construção do conhecimento e sua mediação metodológica. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Moutão, J., Alves, S., & Cid, L. (2012). Contributo da teoria da autodeterminação na predição da vitalidade e adesão ao exercício físico. Revista Gymnasium - edição especial - XII Jornadas Sociedade Portuguesa de Psicologia do Desporto, 3(1), 13-34. Disponível em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/gymnasium/article/view/2537

Negrine, A. (2010). Instrumentos de coleta de informações na pesquisa qualitativa. In V. M. Neto & A. M. Triviños (Eds.), A pesquisa qualitativa na Educação Física: Alternativas metodológicas. Porto Alegre: Da Universidade.

Rodrigues, L.H., & Galvão, Z. (2005). Novas formas de organização dos conteúdos. In S. C. Darido, & I. C. A. Rangel, Educação Física na escola. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Ryan, R. M., & Deci, E. L. (2000). Self-determination theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development, and well-being. American Psychologist, 55(1), 68-78. Recuperado de: https://doi.org/10.1037//0003-066x.55.1.68

Silva, L. O., & Molina Neto, V. (2014). Os sentidos da escola e da educação física para estudantes e docentes de uma rede pública municipal. Revista Movimento, Porto Alegre, 20(3), p.1139-1158. Recuperado de: https://doi.org/10.22456/1982-8918.40669

Silva, R.B., Matias, T.S., Viana, M.S., & Andrade, A. (2012). Relação da prática de exercícios físicos e fatores associados às regulações motivacionais de adolescentes brasileiros. Motricidade, 8(2), 8-21. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.8(2).708

Endereço: https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/view/1893

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.