Vivências de Lazer das Juventudes Universitárias

Por: Heloisa Heringer Freitas.

2019 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Em um cenário de valorização e de diversas possibilidades de vivências de lazer, investigar os modos com que as juventudes experienciam o lazer pode contribuir para compreender os sentidos dados as vivências, bem como as realidades heterogêneas das próprias juventudes. Por tanto, esta investigação objetivou conhecer as vivências de lazer do público jovem universitário do curso de Educação Física da Universidade Federal do Espírito Santo. Para tanto, a pesquisa se divide em três partes principais, a primeira que trata das práticas de lazer referentes às preferências, vontades e barreiras que impossibilitam a concretização das vivências de lazer do público; a segunda, que versa sobre o lazer noturno, as expectativas e os itinerários de lazer destes jovens na noite e a terceira, que observa os usos de drogas lícitas e ilícitas dos jovens no cenário do lazer noturno. Assim, trata esta investigação de uma pesquisa qualitativa descritiva com aplicação de questionário online em uma população de 217 graduandos (41,5% mulheres e 58,5% homens). Foram realizados intercruzamentos por meio do pacote estatístico IBM SPSS das preferências, vontades, tempos disponíveis e recursos de lazer dos jovens universitários, bem como as questões que envolvem o lazer noturno e consumo recreativo de drogas entre estas juventudes. As vivências de lazer desta população se apresentam a partir de um amplo repertório, o qual evidencia a procura por experiências de socialização, físico-esportivas e de descanso da rotina de vida. Identificamos que as vivências que compõe interesses turísticos, intelectuais e artísticos (com exceção do cinema) configuram os anseios de lazer entre estas jovens expressões principalmente pela falta de tempo ou de dinheiro para a realização. A pesquisa apontou também que os cenários de lazer noturno, em especial nos fins de semana, apresentam momento de ruptura com a vida corriqueira e de socialização através de uma diversidade de itinerários de lazer e que, para uma parcela da população pesquisa, são também contextos de usos de drogas. Entre os homens e mulheres investigados, 63,6% consomem bebidas alcóolicas na noite e 49% da população bebedora tem padrão de binge drinking, modalidade que aparece com porcentagens mais altas quando o uso é atribuído a espaços informais, como ruas e praças, potencialmente pelo menor controle regulatório do que bares e pubs. Quanto aos consumos ilícitos, 19,3% dos jovens estudados declaram o uso e a maconha aparece entre 95,3% destes consumos, dentre os quais 20% apresentam uso diário. Outros consumos relatados são de ecstasy (32,6%), solventes (14%), cocaína (9,3%). Sugerimos que estas juventudes apresentam amplo repertório de lazer com ênfase em práticas de socialização. O lazer noturno é caracterizado por diversos itinerários e pela ruptura com o cotidiano. Para uma parte dos universitários, os consumos de drogas estão intrinsecamente relacionados às pautas de lazer noturno e tangenciam questões como a expressão autônoma de suas identidades e de suas preferências, as quais, estão menos ligadas as ideias de desvio e muito mais às questões de estilo de vida e identidade nas sociedades contemporâneas.

Endereço: http://www.educacaofisica.ufes.br/pt-br/pos-graduacao/PPGEF/detalhes-da-tese?id=13316

Ver Arquivo (PDF)

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.