Vôlei de Praia: Configurações Sociais de Um Esporte-espetáculo de Alto Rendimento no Brasil

Por: , Lourdes Maria Bandeira, , Marília Maciel Costa e Sadi Dal Roso.

2005 02/12/2005

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do estudo foi resgatar e discutir a estruturação do vôlei de praia como produção de esporte de alto rendimento no Brasil. Após situá-lo no momento da modernidade, começou-se por levantar dados do esporte ainda quando amador; em seguida, procurou-se resgatar os fatos que foram marcantes para que o esporte passasse de amador a profissional, até chegar à realidade atual. Foram feitas análises documentais, visitas a diferentes sites, entrevistas e recortes de noticiários para proceder a uma investigação que permitisse visualizar se de fato o vôlei de praia representa a “cultura profissional” dentro dos novos paradigmas do esporte moderno e que processo o levou, ou não, à inserção nesse modelo. As atenções foram concentradas no período de 1986 a 2004, por ter sido o ano de 1986 aquele em que a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) passou a gerenciar o esporte no âmbito nacional e exercer o monopólio. Assim, sob sua gerência, ressaltou-se, em primeiro lugar, o processo de consolidação gerencial da CBV, por meio da criação de um departamento de vôlei de praia e de um manual normativo da prática da modalidade no País. A partir daí, foi importante verificar como a atuação da CBV foi incisiva na formação e na organização do Circuito Mundial, a maior competição internacional da modalidade. A criação do Circuito Nacional, em 1991, efetivado graças ao contrato de patrocínio firmado entre a Confederação e o Banco do Brasil, foi uma análise fundamental para se perceber como ocorreu a espetacularização e a  mercantilização da modalidade. Outro fato que auxiliou no conhecimento do processo foi a possibilidade de verificar o empenho do Brasil para tornar o vôlei de praia um esporte olímpico, o que ocorreu em 1993, potencializando o poder de decisão do país diante das principais decisões mundiais da modalidade. Procurou-se verificar, durante o levantamento dos dados coletados, a forma e os valores que predominavam no ambiente social em que se desenvolvia essa modalidade. Para isso, foram focadas as relações que se processavam no decorrer de sua estruturação e procurou-se checar o grau de influência que elas sofreram diante das mudanças estruturais capitalistas e de novas situações conjunturais. Concluiu-se que o vôlei de praia brasileiro, na verdade, mesmo apresentando problemas inerentes à própria condição de esporte de alto rendimento, e mesmo diante das muitas adversidades que enfrenta no cenário social nacional, tem ocorrido com base nos valores ditados pelo “profissionalismo”, suplantando os valores de uma cultura “amadorística” e tradicional, predominante no universo esportivo nacional.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.