Voleibol e Inteligência Emocional na Perspectiva de Profissionais de Voleibol: Um Estudo de Caso

Por: António Camilo Teles Nascimento Cunha e Márcio José Kerkoski.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Introdução: O desporto é um instrumento privilegiado na condução/estruturação
de dinâmicas e atitudes de inteligência emocional (IE), entre elas a auto-percepção
(AP) e auto-controle (AC). O objectivo deste estudo de caso foi identificar a percepção
de profissionais de alto rendimento do voleibol sobre a contribuição da modalidade
para a AP e AC. Métodos: Os dados foram colectados por entrevistas semiestruturadas. A análise foi realizada com o apoio da categorização de GOLEMAN
(1995).A amostra foi constituída por quatro profissionais de uma equipe de voleibol
feminino de alto rendimento, que possuem experiência mínima de 15 anos. A
entrevista seguiu o roteiro: a) A prática do voleibol e sua relação com a AP b) A
prática do voleibol e sua relação com o AC. Resultados: Voleibol e AP - Segundo os
entrevistados a AP é derivada da experiência de vida nas mais diversas áreas. O
voleibol foi uma das áreas em suas vidas que trouxe grandes contribuições para a
AP. Isto foi justificado por perceberem que para praticar o desporto são necessárias
as percepções dos próprios sentimentos. Consideram o voleibol um grande
laboratório de vida, que propicia o contacto e manipulação com os mais variados
tipos de sentimentos de uma forma muito intensa, experiência esta que iniciou em
uma época chave de suas vidas, a infância e adolescência, na qual muitos valores são
desenvolvidos e formados. Na busca do sucesso os entrevistados reconheceram
seus sentimentos por estarem sendo colocados à prova a todo o momento nos
treinamentos e nos jogos. Voleibol e AC - a experiência no desporto também
contribuiu para o controle emocional como conseqüência da exposição e
manipulação dos sentimentos no processo de treinamento desportivo. Em alguns
momentos chaves de um jogo, por exemplo, deixar-se dominar pela ansiedade
significa dar um passo em direção ao fracasso. Não controlar o próprio sentimento
de decepção perante um erro é um passo em direção ao negativismo e ao declínio.
Não adiar a satisfação perante um resultado eminente positivo pode torná-lo negativo.
Discussões / Conclusões: Relacionando as respostas que sugerem o desenvolvimento
da auto-percepção e auto-controle pelo voleibol, com a área de aprendizagem motora,
SCHMIDT (1992) MAGILL (1984) E PÉREZ (1994) e da psicologia do esporte, CRATY
(1983), pode-se acreditar que as experiências vivenciadas por estas pessoas marcaram
pela intensidade que ocorreram. Os relatos sugerem que o voleibol é um campo
fértil para o desenvolvimento da IE.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/75_Anais_p403.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.