Xadrez II

Por: José Costa Fernandes Júnior.

Atlas Histórico e Geográfico do Esporte e Lazer de Niterói.

Send to Kindle


INTRODUÇÃO

Origem do Xadrez

O surgimento do xadrez é cercado de incertezas, mas a hipótese mais provável para explicar sua criação (é também a evidência mais recente) é que este jogo tenha surgido na região entre o Norte da Índia e o Sul da Pérsia (hoje Irã) entre os séculos V e VI da Era Cristã, possuindo portanto cerca de 1.500 anos. Na forma exata como é jogado nos dias de hoje, o xadrez tem cerca de 500 anos. Chegou à Europa entre os séculos XIV e XV, trazido pelos árabes através da Península Ibérica. De lá para cá, percorreu a Terra e é jogado em todos os países do mundo.

No Brasil, o primeiro clube de xadrez foi fundado na Cidade do Rio de Janeiro, ao fim dos anos de 1860, por Arthur Napoleão, ator e músico, e por Machado de Assis, o grande escritor brasileiro, época que é considerada como a da introdução do xadrez em nosso país.

Organização Mundial, Nacional e Regional

O xadrez é gerido em nível mundial pela Federação Internacional de Xadrez (FIDE), com sede em Lausanne, Suíça, reunindo mais de 160 países filiados. O xadrez só perde em países filiados à sua Federação para o futebol e o atletismo. O Campeonato Mundial existe desde a década de 1860 e é o esporte mais antigo a realizar campeonatos mundiais. Possui sua própria Olimpíada, realizada atualmente a cada dois anos (o Rio é candidato a sediar a Olimpíada de 2008). Em 2004, ela foi realizada na cidade de Toledo, na Espanha, em outubro, e está prevista a presença de mais de 120 países.

O xadrez é esporte olímpico desde a década de 90. No Brasil é gerido pela Confederação Brasileira de Xadrez (CBX), com sede no Rio de Janeiro, e todos os estados são filiados a ela. São mais de 10 mil jogadores registrados. 

No Estado do Rio de Janeiro, a administração está a cargo da Federação de Xadrez do Estado do Rio de Janeiro (FEXERJ), que possui cerca de 30 clubes filiados e mais de 4 mil atletas registrados. É atualmente presidida pelo publicitário Ricardo Barata, que tem dinamizado bastante o xadrez em nosso estado e trazido diversas provas importantes para cá, inclusive de nível mundial.

O Brasil possui seis grandes mestres internacionais (maior título conferido pela FIDE a um jogador de xadrez), cerca de 12 mestres internacionais e uns 25 mestres FIDE.

Atualmente o mais forte jogador brasileiro é o GMI Giovanni Vescovi, de São Paulo, de 26 anos, que acabou de ganhar um fortíssimo torneio realizado nas Bermudas à frente de diversos GMIs de primeira linha. Tivemos na década de 70 o GMI Henrique Mecking (Mequinho), que chegou a terceiro do mundo e finalista do Campeonato Mundial. Aliás, Mequinho está de volta aos tabuleiros e ainda apresenta um bom nível de jogo. Niterói não possui GMIs nem MIs, apenas um Mestre FIDE. 

ORIGEM E DESENVOLVIMENTO

A história do Xadrez em nossa cidade se confunde com a de duas personalidades que ajudaram a manter a chama acesa do nobre jogo até os dias atuais.

Primeiro foi Henrique Pereira Maia Vinagre (ainda vivo), que veio pequeno para Niterói, oriundo de Barra do Piraí, lá por 1928 (com 12 anos). Com 11 já tinha sido campeão fluminense, um feito e tanto para um menino e para a época, quase restrita a jogadores de idade avançada. No início dos anos 30 foi fundada a Federação Fluminense de Xadrez, com sede em Niterói. 

1940. Na década de 40 chega a Niterói Washington de Oliveira, nossa segunda personalidade, que juntamente com Vinagre se revezaram na condução dos destinos diretivos do jogo, bem como sendo os ganhadores dos campeonatos niteroienses e fluminenses até fins dos anos 60.

1953. Na década de 50 (1953) os dois fundaram o Clube de Xadrez de Niterói, que existiu até 1983.

1972. Neste ano, com o advento do fenômeno brasileiro Mequinho e o match Fischer (americano) e Spassky (soviético), no auge da guerra fria, projetado na mídia como nunca ocorrera antes com o xadrez, nosso esporte se popularizou bastante em nosso país, e também em Niterói.

Surgiram a partir daí diversos jogadores novos em nossa cidade, como Otto Triebe de Mello, José Costa Fernandes Jr., Milton Okamura, Antonio Sylvio Faraht da Costa, Flavio Helmold Macieira, Luiz Sérgio Vichy, Manoel do Valle Neto, Euclides da Cunha Neto, Sergio Werlang, Mario Furley Schmidt, numa primeira fase, e, alguns anos depois, Gilson Paula de Souza, Haroldo Cunha dos Santos (atualmente toca o Projeto Xadrez nas Escolas, em Joinville–SC), Luciano Rollo Gonçalves, Luiz Carlos Galvão, Renan Levy da Costa (está em Jaraguá do Sul–SC também envolvido com xadrez nas escolas), Rogério Guedes Alves.

Na parte diretiva, podemos destacar além de Vinagre e Washington (este chegou a presidente da CBX, vindo a falecer no exercício do cargo em 1976), João Baptista Cúrcio, Fábio Luiz de Carvalho (também forte jogador e ganhador algumas vezes do Campeonato Niteroiense), Luiz Carlos Donato, Marco Antonio dos Santos e Gilberto Fraga Portilho. 

1973. Neste ano foi fundado o Clube de Xadrez Líder, por Washington, Cúrcio, Fábio e Donato, que passou a rivalizar com o Clube de Xadrez de Niterói nos destinos do xadrez niteroiense.

1983. O Líder ganhou diversos campeonatos do Interior, tanto por equipes como individual. Em 1983, os dois clubes se fundiram e se extinguiram, indo parar no Canto do Rio F. C., que representou o xadrez de Niterói até o ano de 2000, realizando diversos feitos para nossa cidade, como o Mundialito de clubes da FEXERJ em 1983, o Estadual Classe B de 1985 e 1989, o Estadual Classe C de 1985, a Taça Eficiência da FEXERJ de 1985 (evento que até hoje Niterói só conquistou nessa ocasião), o 2º lugar no Circuito Catalão da Espanha, em 1985, por intermédio de Haroldo Cunha dos Santos, o 8º lugar no Campeonato Brasileiro de Clubes de 1985, entre 60 equipes do Brasil, e diversos outros.

Niterói foi várias vezes campeã do Interior por equipes, do Interior Individual, sem falar nos campeonatos fluminenses antes da fusão, onde fomos campeões mais do que a soma de todos os outros municípios.

SITUAÇÃO ATUAL

Niterói é atualmente campeão geral Interclubes da FEXERJ, tendo derrotado os principais clubes do Estado, sendo representada pelo Núcleo de Xadrez Niterói, fundado em 2000, que funciona no Shopping Lido Center, loja 207, em São Francisco, e é o único clube da cidade filiado à Federação. O clube funciona de 2ª a sábado, das 18h às 24h, organiza competições o ano todo e ministra cursos de xadrez aos sábados. 

Outro local em nossa cidade onde se joga xadrez é no Campo de São Bento, com os jogadores se reunindo diariamente à tardinha, junto ao parque de diversões. Eles organizam também algumas competições durante o ano. Temos conhecimento de que existem praticantes também no Clube Central, AABB-São Francisco, Iate Clube Icaraí e no clube do Colégio Henrique Lage. Atualmente Niterói está realizando, em parceria com a Fundação Municipal de Educação, o Projeto Xadrez nas Escolas. 

O projeto está respaldado por uma lei recém-sancionada, que torna o ensino do xadrez obrigatório nas escolas municipais como matéria extraclasse. O projeto é viabilizado na parte técnica pelo Núcleo de Xadrez Niterói, com seus instrutores atuando em 10 escolas da rede municipal. São poucos os municípios no estado que possuem esse programa.

O xadrez de Niterói é a segunda força no estado, só perdendo para o Rio. E, esse programa nas escolas deverá, em um futuro próximo, impulsionar ainda mais o xadrez competitivo daqui. Com certeza, vivemos o melhor período do xadrez em Niterói, desde que acompanho nosso jogo a partir de fins de 1971.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.