Zona Portuária do Rio de Janeiro: Entre as Conchas Vazias e a Potencialidade das Dinâmicas Criativas Urbanas Cotidianas

Por: Cíntia Sanmartin Fernandes e Micael Herschmann.

Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação - v.41 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Referências
ANDREATTA, V. et al. Rio de Janeiro e a sua orla: história, projetos e identidade carioca. In: Coleção Estudos
Cariocas. São Paulo: Nova Cultural, 2009, n.9, p.1-16.
CONNOR, S. Dumbstruck: A Cultural History of Ventriloquism. Oxford: Oxford University Press, 2000.
CORREIA, M. M. Entre portos imaginados: construções urbanísticas pensadas a partir do projeto Porto
Maravilha, cidade do Rio de Janeiro. 2013. 196f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa
de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
COSTA, R.; BARROS, T. Redes de afeto e pertencimento no carnaval de rua da região portuária carioca. In:
COSTA, E.; AGUSTINI, G. (Orgs.). De baixo para cima. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2014.
DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1995.
DE MARCHI, L. Análise do plano da Secretaria de Economia Criativa e as transformações na relação entre
Estado e Cultura no Brasil. Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun. São Paulo, v.37, n.1, jan./jun. 2014, p.193-
215.
DENORA, T. Music and Everyday Life. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.
FLORIDA, R. The rise of the creative class. Nova York: Basic Books, 2002.
GARCÍA CANCLINI, N. (Org.). Conflictos interculturales. Barcelona: Gedisa, 2011.
GUIMARÃES, R. S. A Utopia da Pequena África: os espaços do patrimônio da Zona Portuária carioca.
2011. 225f. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia e
Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.
HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
HARDT, M.; NEGRI, A. Commonwealth. Massachusetts: Harvard University Press, 2009.
HARTLEY, J. (Ed.) Creative Industries. Oxford: Blackwell Publishing, 2005.
50 Entrevista com José Gustavo, morador da região, escritor e músico da Banda da Conceição do bairro da Saúde, concedida à pesquisa
no dia 21 de fevereiro de 2017.
MICAEL HERSCHMANN | CÍNTIA SANMARTIN FERNANDES
Intercom - RBCC
São Paulo, v.41, n.1, p.21-40, jan./abr. 2018
39
HERSCHMANN, M. Indústria da música em transição. São Paulo: Ed. Estação das Letras e das Cores, 2010.
______. Lapa, cidade da música. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.
HERSCHMANN, M.; FERNANDES, C. S. Música nas ruas do Rio de Janeiro. São Paulo: Ed. Intercom, 2014.
______. Bem-vindo ao Rio de Janeiro de pouca visibilidade! In: XXIII XXXVIII CONGRESSO BRASILEIROS
DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2015, São Paulo. Anais... São Paulo: INTERCOM, 2015.
JACQUES, P. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.
KITTLER, F. Gramophone, Film, Typewrither. Stanford: Stanford University Press, 1999.
LATOUR, B. Reagregando o social. Salvador: EDUFBA, 2012.
MARTÍN-BARBERO, J. Ofício de cartógrafo. São Paulo: Loyola, 2004.
MOREIRA, C. A cidade contemporânea entre a tabula rasa e a preservação: cenários para o porto do Rio
de Janeiro: UNESP, 2004.
PECHMAN, R. M. História dos Bairros: Saúde, Gamboa, Santo Cristo. Rio de Janeiro: Ed. Índex, 1987.
PIO, L. G. Cidade e Patrimônio nos projetos Corredor Cultural e Porto Maravilha. Revista Húmus. São Luiz:
UFMA, v.4, n.10, 2014.
PRESTES FILHO, L. C. (Org.). Cadeia produtiva do carnaval. Rio de Janeiro: Ed. E-Papers, 2009.
REIS, A. C. Cidades Criativas. São Paulo: SESI-SP, 2012.
SEMENSATO, C. A. G. Políticas públicas de cultura para os megaeventos no Rio de Janeiro. Anais do III
Seminário Políticas Públicas. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 2012.
SOUSA SANTOS, B. Gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.
VAINER, C. Como serão nossas cidades após a Copa e as Olimpíadas. In: JENNINGS, A. et al (Orgs.). Brasil
em jogo. São Paulo: Boitempo, 2014.
VIVANT, E. O que uma cidade criativa? São Paulo: Ed. SENAC, 2012.
YÚDICE, G. A conveniência da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.

A partir não só de levantamento de matérias veiculadas na mídia tradicional e de dados socioeconômicos do território, mas também de observações de campo, conversas informais e entrevistas semiestruturadas (realizadas com lideranças, moradores, autoridades, produtores e frequentadores), buscou-se neste artigo fazer um balanço da situação socioeconômica e cultural após a gentrificação da Zona Portuária. Vale salientar que essa área foi considerada em um determinado momento como uma localidade emblemática e estratégica do projeto que procurava converter a cidade do Rio em uma cidade criativa. Nos últimos anos, nesta microrregião, vem sendo possível identificar dinâmicas de articulação e tensão entre investimentos que visam promover megaeventos espetaculares e pequenos eventos culturais que tradicionalmente ocorriam nesta localidade organizados pelos atores através das redes sociais. Este balanço, que coloca em destaque o valor da música ao vivo como uma riqueza que pode trazer benefícios socioeconômicos para a Zona Portuária e para o Rio, visa avaliar o resultado do aprofundamento da crise econômica do país sobre esse território: com a recessão (especialmente do estado do Rio de Janeiro) e as políticas públicas colocadas em curso, essa área vem sofrendo um processo de perda de vitalidade, lançando dúvidas sobre o futuro do projeto de conversão desta metrópole em uma cidade criativa.

Endereço: http://www.portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/revistaintercom/article/view/3057

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.