Copa 2014

Debate e informações sobre o Projeto para a Copa 2014

Entrar na Comunidade

Copa 2014 Deve Gerar Renda de R$ 65 Bi



Notícia via Portal Copa 2014 (http://www.copa2014.org.br/noticias/noticia.aspx?noticia=1220).
Um assunto que merece mais anteção.

Copa 2014 deve gerar renda de R$ 65 bi, diz consultoria
Outra estimativa é o aumento de 20% do fluxo turístico entre 2009 e 2014

A Copa de 2014 pode gerar R$ 65 bilhões de renda. A estimativa é de uma consultoria contratada pelo Comitê Organizador Local (LOC), entidade criada pela Fifa para organizar o Mundial do Brasil.

Segundo cálculos da consultoria, durante a Copa o país receberá aproximadamente 600 mil turistas, que gastarão U$ 5,5 mil ao longo de 15 dias – ou cerca de US$ 3,3 bilhões (R$ 6,27 bilhão). Ainda de acordo com a consultoria, o Mundial promoverá um aumento de 20% no fluxo de turismo entre 2009 e 2014.

As informações foram reveladas pelo diretor do Departamento de Planejamento de Programas Sociais do Ministério do Planejamento, Mauro Cezar Nogueira Nascimento, em audiência pública promovida pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle sobre os preparativos para a Copa do Mundo de 2014.

Nascimento também afirmou que o governo federal é fiador de uma série de contratos firmados com a Fifa para investimentos em estádios e infraestrutura das doze cidades que receberão os jogos, além de firmar uma série de compromissos, como facilitar a passagem pelas fronteiras e conceder isenção tributária para redes de comunicação.

Segundo Nascimento, o governo federal está promovendo uma série de reuniões com representantes das cidades-sede dos jogos. Nesta primeira etapa, estão sendo identificados problemas nos estádios e no transporte urbano, em portos, aeroportos e na rede hoteleira. A próxima etapa será dedicada à promoção turística, com foco na imagem que o País quer transmitir com a Copa.

Fonte: Agência Câmara

Comentários

Por Roberio Pereira Batista
em 12-11-2011, às 22h14.

Caro Alexandre, concordo com você no que tange a essa belíssima renda. Mas gostaria de lançar uma pergunta: O que iremos fazer com os estádios nos Estados onde o futebol não tem grandes representação nacional?????? O que fazer por exemplo, com o Estádio Nacional de Brasília que tem o Gama na série D e O Brasiliense na Série C??????

Por Omir Jorge Muniz
em 21-01-2012, às 19h40.

Eu vejo de outra maneira, acho mais dificil ficar um espaco ocioso como aconteceu na Africa do que no Brasil. O maior problema esta na fiscalizacao da verba. Segundo a publicacao abaixo e algo muito bonito de se ouvir, as parcerias para auxiliar no rapido desenvolvimento das cidades sede.

"Nascimento também afirmou que o governo federal é fiador de uma série de contratos firmados com a Fifa para investimentos em estádios e infraestrutura das doze cidades que receberão os jogos, além de firmar uma série de compromissos, como facilitar a passagem pelas fronteiras e conceder isenção tributária para redes de comunicação.


Segundo Nascimento, o governo federal está promovendo uma série de reuniões com representantes das cidades-sede dos jogos. Nesta primeira etapa, estão sendo identificados problemas nos estádios e no transporte urbano, em portos, aeroportos e na rede hoteleira. A próxima etapa será dedicada à promoção turística, com foco na imagem que o País quer transmitir com a Copa.

Fonte: Agência Câmara"

Hoje assisto o noticiario e pasmem, as obras do transporte urbano em que ja foram gastos 300 milhoes foram desviados, a obra esta parada em Brasilia. Serao necessarios mais 7 milhoes para a conclusao. Ai pergunto quem fiscaliza. Eu sonho e torco para que nosso pais seja uma potencia economica mundial, mas temos que acabar com certos vicios.

Abracos.

Por Jefferson Armon Santos de Resende Silva
em 25-09-2012, às 16h16.

Concordo com o Omir. A copa tem sim a possibilidade de representar um grande avanço para nosso país, e certamente representará. Mas corremos o risco de alcançar muito menos do que é possível por causa de problemas como desvio de verba. O que eu me questiono é sobre essa "imagem que o país quer transmitir com a copa". Se até lá algumas cidades realmente estarão preparadas no que diz respeito à infra estrutura e transporte, sendo esse mais um problema que esbarra na questão do desvio de verba. Temo que no final deixemos uma imagem muita mais negativa do que positiva.

Por Edison Yamazaki
em 26-09-2012, às 20h35.

A preocupação com os estádios e com a imagem que o país passará é válida. A fiscalização do dinheiro gasto não existirá. Será necessário confiar em quem administra essa verba. Se houver desvios é porque os representantes quelá  foram colocados, via votação, pela população foram mal escolhidos.

A única maneira de acabar com essa roubalheira é educar as crianças, para que no futuro elas adquiram consciência de que precisam saber votar, e que os eleitos precisam ser pessoas íntegras, idôneas. Não existe milagre faltando apenas dois anos para a Copa. O jeito será "aceitar" uma série de escândalos e aprender com eles.

O Brasil é mundialmente famosos pela corrupção, tem até uma frase que mostra isso, é o  "o jeitinho brasileiro". Que pode significar várias coisas, inclusive a malandragem para corromper.

A preocupação maior é entender o que esses eventos poderão deixar para as crianças, que valores poderão passar. Estádios abandonados e sub utilizados já são esperados. Não existe como fazer bom uso dos estádios em cidades com pouco apelo esportivo ou sem grandes atrações.

A imagem que o Brasil passará ao resto do mundo serão dados pelas recepcionistas do hotéis, pelo motorista de táxis, pelos atendentes de supermercados, e outros que trabalharão diretamente com os turistas. São eles é que espalharão como é o Brasil "verdadeiro". A abertura e o fechamento dos jogos será bacana porque não é a realidade do cotidiano brasileiro. Haverão índios, samba, mulatas, biquinis, negros e brancos, ruivos e loiros. O Olodum fará uma apresentação, a Ivete Sangalo também. A Daniella Mercury ficará de sobreaviso.

E quero ver é como o pessoal dos serviços receberão os turistas (hotéis, aeroportos, bancos, supermercados, lojas, restaurantes, etc.)

 

 

Por Jefferson Armon Santos de Resende Silva
em 28-09-2012, às 12h36.

Concordo com o Edison quando diz que a imagem que o Brasil vai passar depende das prestações de serviços dos trabalhadores, mas acho que depende muito, muito mesmo, da infra estrutura das cidades também. No que diz respeito aos serviços, acho que no mínimo eles farão o melhor possível, afinal isso significa lucro para eles, mas fazer com que a infra estrutura de cidades como Belo Horizonte (me refiro a trânsito) se torne ideal até lá parece algo pouco provável até em sonhos.

Por Yuri Windson Santos Barroso
em 02-10-2012, às 14h27.

 

A questão não é a renda gerada e sim com quem ficara esse dinheiro e tratando-se de Brasil, com certeza o lucro ficará na mão de poucos. Muitos passaram por essa Copa e não vera nenhuma diferença  em sua vida econômica e vivera  normalmente como se o evento não tivesse ocorrido. Só acho que seria coerente ,que se houver algum lucro, que ele seja brutalmente  aplicado na educação e na saúde, já que graças a Copa estes setores estão sendo deixa do em segundo plano, por isso eu apoio algum projeto de lei que obrigue que parte desse lucro seja doado e aplicado a estes setores ,já que os mesmo estão com grande deficiência. 

Por Everton dos Santos Garcia
em 22-02-2013, às 21h34.

hoje só se fala em copa olimpiadas,o brasil so gira em torno disso.Gente nós estamos precisando e de mais educação e mais saúde.Copa esta gerando um gasto absurdo,vamos lutar para um brasil melhor.

 

Por Everton dos Santos Garcia
em 22-02-2013, às 21h36.

Hoje só se fala em copa olimpiadas,o brasil so gira em torno disso.Gente nós estamos precisando e de mais educação e mais saúde.Copa esta gerando um gasto absurdo,vamos lutar para um brasil melhor.

 

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2014 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.