Desportos Aquáticos

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar na Comunidade

Natação e Ciclismo com Menos Tecnologia



psi - do Ciência Hoje - Laercio

Novas tecnologias abolidas do ciclismo e da natação
2009-12-28

O ciclismo e a natação vão regressar às origens e banir, já em 2010, alguns dos materiais tecnológicos utilizados nas modalidades a fim de humanizá-las visto que estão cada vez mais vinculados a auxiliares "sobre-humanos".

Enquanto no ciclismo a retirada dos auriculares será progressiva, prevendo-se que a total eliminação do suporte rádio seja formalizada em 2012, na natação já ninguém poderá vestir os fatos de poliuretano a partir do dia 1 de Janeiro.


No caso das duas rodas, a União Ciclista Internacional (UCI) entendeu que as provas, sobretudo as etapas em linha, estavam a tornar-se previsíveis e enfadonhas por culpa das orientações dos directores-desportivos. Os responsáveis técnicos das formações permitiam as fugas, que iam resistindo até à ordem de acelerar o ritmo para reagrupar o pelotão nos últimos quilómetros e permitir as habituais chegadas ao sprint.

Neste caso, e no entender da UCI, os auriculares não serviam de suplemento ao rendimento dos ciclistas, mas retiravam-lhes a iniciativa individual, em nome da táctica ordenada pelos directores-desportivos.

"Explosão" de recordes

Bem diferentes foram as conclusões da Federação Internacional de Natação (FINA), assustada com a sucessão de recordes mundiais nos últimos anos, um fenómeno que coincidiu com utilização dos fatos sintéticos. Em 2008, foram batidos 108 recordes mundiais e este ano os números chegaram aos 160, quando a média anual situava-se entre os 30 e 40 recordes.

Bem elucidativos desta "explosão" foram os 43 recordes do mundo batidos nos últimos Mundiais, disputados em Julho, em Roma. O anterior "recorde dos recordes" foi absolutamente pulverizado, já que a cifra nunca tinha passado das 14 marcas.

Graças a uma parceria com a Universidade de Lausana, e sob a orientação técnica de Jan-Anders Manson, a FINA creditou um laboratório que passará a validar os fatos a utilizar a partir de 2010, sendo que só serão creditados fatos permeáveis e fabricados em materiais têxteis. Os homens ficarão proibidos de vestir fatos de corpo inteiro (o máximo, um calção da cintura até ao joelho), enquanto as mulheres terão de voltar aos antigos fatos de alças, que também poderão estender-se até ao joelho.

Defesa da verdade desportiva

Esta pequena revolução em modalidades de alta competição é um passo atrás nos recursos tecnológicos e um regresso às origens, numa altura em que o debate no futebol sobre a mesma matéria continua aceso, com FIFA e UEFA a manterem a intransigência relativamente a suportes da tecnologia.

Com o argumento da defesa da verdade desportiva e que um erro de arbitragem pode implicar prejuízos de milhões numa modalidade cada vez mais empresarial e industrializada, muita gente defende o recurso às imagens televisivas, como está a suceder, com êxito, no râguebi, ou a técnicas informáticas como o "olho de falcão", um precioso auxiliar no ténis na avaliação de pontos duvidosos.

Comentários

Por Guilherme Tucher
em 29-12-2009, às 16h29.

O propósito atual não é tornar o esporte atrativo? Não é criar o esporte espetáculo? Se todos tiverem condições de utilizar o mesmo material, o que há de errado nisso? O quanto de tecnoligia é utilizado na Fórmula 1!! O quanto se falou no Brasil e no mundo da Natação em 2009, por conta de tudo o que ocorreu? Quem assiste natação, sabe o quanto precisamos mudar a forma de transmissão televisiva. Muitas vezes chata, monônota e sem grandes surpresas.

Diferente do futebol e outros esportes coletivos: totalmente imprevisíveis.

E ainda digo mais. Sou a favor que se crie uma forma de comunição entre técnico e atleta para a natação. Isso para as provas longas em piscina e águas abertas seria fantástico

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2014 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.