Educação Física Escolar

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar na Comunidade

Inserção da Ginástica Artística nas Escolas



É maravilhoso assistir a uma competição de GA, ainda mais se tratando da vitória de nossos ginastas. Por isso que tal, os educadores físicos juntamente com as autoridades de cada escola, no caso as diretoras, proporem um programa voltado para o desenvolvimento para a implantação da Ginástica Artística nas aulas de Educação Física. Assim as crianças poderiam ter um conhecimento mais amplo da GA, talvez quem sabe desperte nelas o interesse de tornarem se atletas profissionais, sem contar o ótimo trabalho cognitivo, social, motor, físico e afetivo que podem adquirir com a prática da mesma. Não é fácil trabalhar com essa modalidade nas escolas, ainda mais em instituições públicas, mas como diz um sábio ditado “União faz a força”, se cada uma fizer a sua parte, juntos todos os educadores físicos estarão escrevendo um grande marco na história tanto das aulas de Educação Física como também da Ginástica Artística Brasileira, pois dessa autêntica forma de praticar GA nas escolas, futuramente o Brasil além de ser o país do futebol, também será o país dos grandes campeões olímpicos de Ginástica.

Comentários

Por Gustavo Pereira de Paula
em 14-09-2011, às 21h30.

Concordo que seria uma boa opção, mas como você mesma disse, não é fácil trabalhar essa modalidade nas escolas. E essa de a "União faz a força" varia muito, pois como já discutimos em outros debates, muitos ou a maioria só querem a comodidade, e com certeza a GA teria que ter uma dedicação muito grande. Mas por outro lado, como disse no inicio, concordo que seria uma boa opção, mas sendo apenas como um acréscimo no conhecimento dos alunos, mas trabalhar mais profundamente, na minha opinião, acho difícil.

Por Jaqueline Aparecida de Souza
em 16-09-2011, às 15h22.

É sempre vantajoso trabalhar esportes diferenciados nas escolas, porque significa sair do padrão e criar uma aula diferente, onde os alunos possam se interar sobre outros esportes, saber como funciona o mesmo, e quem sabe a  partir daí, tomar gosto pela sua prática, e querer até mesmo ser um atleta de tal modalidade. Sempre haverá dificuldades em se trabalhar qualquer conteúdo da Educação Física, principalmente nas escolas públicas, pois falta estrutura para o professor atuar, falta materiais e muitas vezes, as escolas não estão preocupadas em sanar as deficiências existentes na Educação Física, por julgarem que a mesma é menos importante que as demais disciplinas.

Por Rita de Cassia Cota e Souza
em 16-09-2011, às 22h50.

Acredito que implantar essa modalidade esportiva na escola seja muito difícil, pois teria que ter um professor para dedicar muito a este esporte e também tem a questão dos materiais, pois com a realidade das escolas publica fica bastante difícil adquirir os mesmos, mas se tem os materiais alternativos que para dar uma noção do que é a Ginástica Artística já esta de bom tamanho. Mas com certeza seria muito interessante ter essa modalidade esportiva nas escolas, seria algo diferente que despertaria o interesse dos alunos.

Por Emiliana Silva Carneiro
em 30-09-2011, às 20h42.

Os conteúdos da Educação Física são muito amplos, que nos dão uma gama enorme de opções, mas mesmo com tantas opções, vejo que a grande maioria ainda prefere trabalhar com os conteúdos mais comuns, que não necessitam muito aprofundamento ou material. A Ginástica é um destes conteúdos, que precisam que o professor se aprofunde no assunto, goste e tenha disposição para correr atrás de material, mesmo que improvisando.  Mas nada impede que com alguns colchões velhos, possam ser trabalhados os rolamentos, além da flexibilidade, que não precisa de muito material e é importante para a GA. Além da oportunidade, de junto com os alunos, construir materiais, como fitas.

Porém, fazer com que a GA entre no ambiente competitivo dentro das escolas, chegando a ter alunos profissionalizando-se, é um sonho muito bonito, mas inviável, em minha opinião, utópico.

Por Luan Carlos Guimarães Souza
em 01-10-2011, às 10h10.

Concordo com a proposta, pois sem duvida será mais uma ferramenta de trabalho para o profissional de educação física, pois em minha região e as escolas que já freqüentei nunca vi o ensino deste conteúdo de forma construtiva, pois nós conhecedores da área temos conhecimento do conteúdo em nossa graduação. Será uma forma de colocá-la em pratica mais tem que ser como você propôs Natalia deve ser uma causa abraçada pela escola e por nós profissionais da área. Será um grande avanço da educação física, pois não só a Ginástica Artística mais outra modalidades que temos como os esportes coletivos, também são capazes de descobrir os verdadeiros talentos é a partir do ensino educacional que o aluno poderá ter maiores oportunidades para sua vida e nós sabemos que a escola sem duvida é um celeiro de atletas.

Por Mayra Pereira de Jesus
em 01-10-2011, às 15h37.

Seria muito bom ver a Ginástica artística inserida em todas as escolas públicas do Brasil  mas isso é um pouco difícil, pois na maioria delas a infraestrutura e precária os diretores, coordenadores e até mesmo alguns professore se mostram pouco interessados em diversificar as aulas, sair da rotinha do “vôlei, futsal, handebol e basquete”. A GA fornece uma gama de possibilidades de trabalho além de estimular o lado motor, cognitivo, social e afetivo dos nossos alunos, contribuir para uma formação global dos indivíduos. É possível trabalhar a GA na escola como conteúdo, mas de uma forma mais lúdica visando à vivência das modalidades. Se não há material vamos adaptar, improvisar até mesmo com ajuda dos alunos, isso tornaria a aula mais envolvente. Porém acho que na escola não teria espaço para a GA desportiva visando o rendimento, principalmente pela falta de estrutura e também porque nem todo mundo tem habilidade e competências para praticar a GA como rendimento, seria injusto por que haveria exclusão dos menos habilidosos das aulas. Entretanto um aluno poderia despertar um prazer pela prática deste desporto e buscar o rendimento em outro espaço como escolinhas de Ginástica, clubes.

Por Michella Silva Fernandes
em 19-10-2011, às 16h11.

Posso dizer que foi uma das minhas nelhores professoras de educação física aquela que nos iniciou na ginática olímpica(assim chamada na época).Foi um marco diferencial,pois não era costume ter aula de ginástica nas escolas da época.Foi a iniciativa dessa professora que me cativou e até hoje pratico atividades físicas devido o amor pela ginástica,que,desde então se tornou uma constante na minha vida.Não tínhamos a rotina maçante das aulas que depois viraram a queimada.Como educadores físicos acho que podemos ter a certeza que investindo nessas aulas de ginásticas artística ou rítmicas vamos conseguir conquistar ainda mais nossos alunos.Conquistando não só sua atenção mas também o amor pelas práticas corporais.

Por Swand de Paula Fernandes
em 23-10-2011, às 13h18.

Os professores de Educação Física, ainda influenciados, sobretudo pela concepção esportivista, continuam restringindo os conteúdos das aulas aos esportes mais tradicionais. Esse procedimento didático acaba ocasionando a falta de aprofundamento dos conteúdos dentro das dimensões conceituais e atitudinais, propostas para a Educação Física na escola, conforme Darido (2005).

Dos princípios que norteiam a GA, destacam-se como características, sua grande expressão corporal, precisão de coordenação e outros elementos, tais como, força, energia, flexibilidade, resistência. Sua riqueza está exatamente na variedade de estilos e tendências, influenciado por simbolismos e valores que cada cultura agrega.

Trabalhar com a GA nas escolas, constitui um desafio, considerando-se a complexidade do trato metodológico de conhecimento que a envolve, sendo a maioria dos profissionais leigos a respeito das possibilidades de ensino da modalidade, assim como as resistências culturais e histórico-sociais que a permeiam.  A infra-estrutura também é agravante para a não aplicabilidade da GA, visto que os materiais gímnicos dotam de um espaço relativamente significante e possuem valores elevados, o que inviabiliza a sua aquisição, mas não impede o professor de trabalhar com materiais alternativos e atividades de fácil execução, estimulando a criança a participar prazerosamente num mundo de descobertas, auxiliando-a no desenvolvimento das habilidades motoras básicas.

Por Daniel Filipe
em 02-11-2011, às 15h38.

"[...] A educação física escolar abrange diversos saberes, dentre os quais encontramos a ginástica, que quando desenvolvida no âmbito escolar, pode permitir a experimentação de possibilidades corporais, promovendo a autonomia motora e a formação humana quando tratada por meio de uma prática educacional que leve o aluno a uma ação crítica e significativa para seu núcleo social. Sua presença na escola pode se dar por meio de diversas manifestações gímnicas[...]" ( RICCI, Mozar Carlos Pereira et al ). E assim a ginástica geral possui como características: o acolhimento dos gestos de diferentes ginásticas, da dança, do teatro, da capoeira, dos elementos circenses e de outros elementos da cultura corporal, com ou sem utilização de materiais os quais podem também ser desenvolvidos a partir dos saberes inscritos na cultura popular, e em diversos saberes permitindo a participação de todos e respeitando os limites individuais e coletivos. E no uso de equipamentos deve-se fazer adaptações para os praticantes e também pode-se fazer uso de materiais alternativos.

Por Giovani Augusto de Queiroz
em 02-11-2011, às 18h15.

Trabalhar só a Ginástica Artística em minha opinião é um quanto inviável pela realidade das escolas do Brasil. Deve-se realizar um trabalho que envolva a todas as modalidades esportivas possíveis com materiais alternativos e muita criatividade para que os alunos possam descobrir suas habilidades e quando o professor diagnosticar a presença de um talento específico o professor deverá orientá-lo a procurar um clube específico para que possa desenvolver completamente seu talento esportivo.

Por Priscila Medeiros Aquiles
em 08-11-2011, às 21h09.

É sempre importante o professor trabalhar com os esporte diferentes nas aulas de Educação Física, mas acreditando que a prática da modalidade não seja muito facil de ser trabalhada, pois a realidade das escolas para o professor atuar é bastante complicado, devido a falta de infraestrutura e materiais para a prática da GA . Mas cabe ao professor se interessar e aprofundar no assunto, correndo atrás de materiais alternativos, dando assim oportunidades aos alunos de se interessarem no primeiro momento no ambiente escolar e quem sabe tomando gosto pelo desporto, possa buscar em escolas especificas de GA um aprofundamento melhor para quem sabe usar esse desporto para o rendimento.

 

Por Gabriela Vargas Nunes
em 08-11-2011, às 21h32.

Acho linda a Ginástica Artística, e seria muito interessante se ela fosse inserida nas Escolas.

Mais para isso é necessário que o professor aprimore seus conhecimentos, pois não é qualquer um que ensina um rolamento de frente, um rolamento de costas, sem que a criança se machuque. È preciso então se preocupar com o bem estar física e mental da criança, para que problemas maiores não aconteçam.

Então, seria muito interessante de se trabalhar, principalmente por quem sabe conseguir incentivar as crianças á praticarem o esporte e quem sabe se tornar um atleta.


Abraços.

Por Rony Abelardo Corrêa Vaz
em 09-11-2011, às 20h06.

Acredito que a prática da modalidade de GA, no primeiro momento pode ser um pouco complicada de ser trabalhado nas escolas, pois as crianças talvez desconheçam o esporte e a falta de materiais e a pouca infra-estrutura possa ser uma barreira inicial. Mas nada impede do professor se mostrar interessado e motivado para passar o esporte e a partir daí então os alunos poderá gostar das atividades e começarão a praticar. E que sabe levar esse interesse para fora da escola, por exemplo, em escolas especificas de ginástica

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2014 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.