Esporte Universitário

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevesporteuniversitario/

Ministro do Esporte Garante Empenho Para Manter Universíade no Brasil



Cevnutas do Esporte Universitário,

Vamos companhar? Laércio

 Ministro do Esporte garante empenho para manter Universíade no Brasil
 Quinta, 08 Janeiro 2015 20:08

Durante encontro com o presidente da Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU), Luciano Cabral, o ministro do Esporte, George Hilton, assegurou que vai se esforçar para manter a Universíade de 2019 no Brasil. A candidatura apresentada por Brasília foi escolhida, em novembro de 2013, para receber as Olimpíadas Universitárias de Verão. No entanto, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, alega problemas orçamentários para a preparação da competição e pode cancelar o evento.

“O Ministério do Esporte vai envidar todos os esforços para manter a Universíade no Brasil. O país já demonstrou capacidade para sediar e organizar megaeventos. Além disso, o esporte educacional é uma das nossas prioridades”, afirmou Hilton.

O presidente da CBDU elogiou a disposição do ministro em buscar alternativas para solucionar a situação. “Gostaria de elogiar o George Hilton pela disposição em nos atender. Ele prontamente entendeu a relevância do assunto. Estamos pensando em alternativas e o ministro garantiu empenho para manter o evento no Brasil. O cancelamento seria ruim para a imagem do país. Foi assumido um compromisso institucional”, comentou Cabral, após reunião no gabinete do ministro.

Luciano Cabral destacou ainda a importância do megaevento para o desenvolvimento do esporte educacional no Brasil. “Quando apresentamos a candidatura, nós pensamos no legado que a Universíade poderia gerar: oferecer, aos estudantes, a possibilidade de praticar esporte e, aos atletas, as condições de estudarem. Alguns competidores encerram a carreira e passam por dificuldades. Tudo porque não estudaram. Fizemos investimentos para sediar grandes eventos, como a Copa do Mundo, o Pan-Americano, os Jogos Mundiais Militares e, com a Universíade, ficaria institucionalizado o esporte educacional”.

A proposta de Brasília prevê a criação de 22 locais de competições espalhados pela cidade e reformar áreas como o ginásio Cláudio Coutinho e o Centro Olímpico da Universidade de Brasília (UnB).

A Universiade é o segundo maior evento poliesportivo do mundo, depois dos Jogos Olímpicos. Cerca de 10 mil atletas de mais de 150 países participam da competição, ocorrida de dois em dois anos.

O ex-secretário de Esportes do Distrito Federal e atual deputado distrital pelo PRB, Júlio Ribeiro, também participou do encontro.

Gabriel Fialho
Ascom – Ministério do Esporte

FONTE com fotos e links: http://www.esporte.gov.br/index.php/noticias/24-lista-noticias/49608-ministro-do-esporte-garante-empenho-para-manter-universiade-no-brasil

Comentários

Por Roberto Affonso Pimentel
em 11-01-2015, às 12h47.

(...) "nós pensamos no legado que a Universíade poderia gerar: oferecer aos estudantes a possibilidade de praticar esporte e aos atletas as condições de estudarem..."

Parece que vivemos em outro mundo. O nobre presidente da CBDU, interessado em cumprir "compromisso institucional", desanda a oferecer um leque de receitas par alavancar o esporte universitário no país.  

Creio que o país precisa de homens com capacidade de pensar o futuro do ensino no Brasil, íncluso também, a prática esportiva no meio acadêmico. Sabemos todos que não será patrocinando competições internacionais.

O esporte universitário é movido por ouros interesses, menos para prover o verdadeiro estudante de uma prática saudável e educacional. Há algum tempo - com o profissionalismo - as Federações de diversas modalidades servem-se dos melhores atletas nacionais para incluí-los em diversos eventos, inclusive as Universíades. O Brasil fez isto com o vôlei feminino. Em 1963, quando sediamos uma Universíade, realizada em Porto Alegre (RS), já estava em voga burlar o sistema servindo-se de matricular atletas de ponta em alguma faculdade. A prática proliferou com as novas faculdades particulares a partir dos anos 1970.

Com o advento do profissionalismo esportivo ficou impossível servir a dois senhores: ou o indivíduo é estudante, ou se bandeia para o esporte, até porque os treinamentos são diários. A única solução - descabida -, é oferecer-lhe o diploma graciosamente, até mesmo sem comparecer às aulas.

Assim, o que já era ruim - ensino universitário - passa a ser pior. E o país se ufana pelo gigantismo de seus eventos. Não seria melhor investir a verba que tanto mendiga para melhorar a vida dos estudantes universitários, com melhores professores, curriculos de qualidade e, vez por outra, um bate-bola para refrescar a cabeça? Por que a própria faculdade de Ed. Física e Esportes não realiza essa façanha? E a de Educação?

Estou levando proposta para a UFF. Já conversara com os reitores da UFSC e da UDESC, em vão.         

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.