Legislação Desportiva - CEVLeis

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevleis/

A Droga do Doping dos Cartolas



COMUNEIRAS E COMUNITÁRIOS,

Trago à baila texto do José da Cruz, em seu blog, sobre "o caso Daiane dos Santos".  Chamo a atenção para uma informação importante na notícia : a omissão, dupla ,dos responsáveis pelo atletismo brasileiro perante  atletas  que, não sendo cartolas, não recebem o tratamento (em todos os sentidos) que merecem.

A cartolagem vive drogada pelo poder que detém!

Marcilio Krieger 

Doping e as muitas faces da injustiça

O caso Daiane dos Santos sugere novas reflexões, não sobre o uso da droga, que a própria atleta admitiu, mas sobre como o assunto é conduzido pelas autoridades do esporte.

Qual o motivo de uma atleta fora de competição e sem inscrição em evento próximo ser testada?

E, se Daiane informou o uso do tal diurético (furosemida) na ocasião da coleta de material, não escondeu o fato, como é comum ocorrer com atleta flagrado no antidoping. Logo, ela tinha consciência de que usava a droga de forma legal.

Segundo Daiane, em nota oficial do Clube Pinheiros, a Confederação Brasileira de Ginástica foi informada sobre o tratamento. Sabia que era um período que a ginasta reservou para se cuidar, livre, pois, para ser medicada. Ou atleta não pode passar por situações como esta?

Recordo o caso de Jade Barbosa, que fez rifas para pagar uma cirurgia no pulso, referindo-se à falta de apoio da CBG. Em um ano, a mesma confederação envolveu-se em dois episódios muito graves. Um, omitindo apoio, revelado pela própria Jade; outro, de não comunicar à Federação Internacional de Ginástica que um destaque nacional estava em tratamento de saúde, fora de competições, pois.

Será que apenas o atleta é o “irrresponsável”?

Será que os atletas precisam confiar, sempre, nas suas instituições, como se fossem isentas de falhas ou omissões?

Ou confiar no destino do material que é colhido de seus corpos, que passa a ser manipulado por várias pessoas com a ausência dos interessados? Quem garante seriedade neste processo?

         Faço essas colocações não em forma de defesa, mas para reflexões.

         E sugiro a leitura de um excelente livro:

Doping e as muitas faces da injustiça”, lançado este ano pelo médico gaúcho Sabino Vieira Loguercio, com prefácio de Juca Kfouri.

         Com autoridade e dezenas de exemplos, o autor escreve sobre o “processo inquisitorial iníquo e violento do sistema de controle vigente”.

         E, lembrando exemplos ainda muito recentes, destroi teses que a imprensa ajudou a consagrar como “fato consumado” sobre o doping. As teses de Sabino Loguércio mostram exatamente o contrário.

         O livro é da Editora AGE Ltda (www.editoraage.com.br)

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.