Legislação Desportiva - CEVLeis

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar na Comunidade

Aplicabilidade do Art. 250 do Cbjd



Caros colegas, nesta minha primeira participação na comunidade, gostaria de levantar um questionamento que se tornou tema controvertido entre alguns colegas do Direito Desportivo.

A discussão se refere ao art. 250 do CBJD, mas especificamente no tocante ao tipo exemplificativo descrito no § 1º, inciso I, in verbis:

I - impedir de qualquer forma, em contrariedade às regras de disputa de jogo, uma oportunidade clara de gol, pontuação ou equivalente;

Suposição de fatos:

Fato: O atleta, jogador de linha, teria impedido oportunidade clara de gol, usando as mãos dentro de sua área de meta. O árbitro, prontamente, aplicou o cartão vermelho e marcou o penalti. Relatou em súmula a expulsão, deixando claro que o lance foi proposital e impediu uma chance clara de gol. Pelo regulamento da competição o atleta deve cumprir suspensão automática pelo cartão vermelho.

Instrução do Processo: O atleta não comparece para prestar esclarecimentos. Não há depoimento de testemunhas, árbitros ou delegados. A única prova processual é a súmula da partida, relatório do árbitro e delegado, informando que o lance foi proposital e que impediu chance clara de gol.

Alegações da Defesa: A defesa alega que o atleta já foi punido exemplarmente com a expulsão e com a suspensão automática por 1 jogo. Diz que a condenação pela Comissão Disciplinar irá ferir o princípio do "non bis in idem", pois o atleta já teve punição compatível com o ato praticado. Que o ato do atleta é razoavelmente aceitável, considerando o esporte praticado e a aplicação do art. 250 irá prejudicar a "malandragem" tão característica do Futebol.

Questionamentos aos Colegas:

1 - Existe bis in idem em direito desportivo, no que se refere às decisões do árbitro e à decisão da Comissão Disciplinar?

2 - Árbitro aplica punição? Ou somente aplicou a regra?

3 - Absolver o atleta por essas alegações não geraria um benefício ao mesmo, visto que permaneceriam seus bons antecedentes?

4 - Os bens jurídicos tutelado por este artigo, que ao meu ver são inúmeros, possui qual importância para nós, justiça especializada?

5 - Por fim, absolvição ou condenação? E por quais fundamentos?

Posteriormente posto minhas considerações a respeito do tema.

Abraços!

Comentários

Por Luiz Carlos Dias
em 11-11-2010, às 19h13.

Rafael,

1 - Entendo que não para o DD:

Non bis in idem -  Brocardo latino indicativo de que não deve haver duas ações sobre a mesma coisa. Aplicado em Direito Penal, significa que a mesma ação não pode ser punida duas vezes ou a mesma circunstância ponderada duas vezes para a aplicação da pena.
2 - O ÁRBITRO APLICA AS REGRAS DO JOGO; 3 - O atleta deve responder no Art. 250 do CBJD; 4 - Não emtendi... 5 - Condenação pelo ato praticado (levar em consideração os atencedentes do atleta). SMJ Atenciosamente, Prof. Luiz Carlos Dias MONTES CLAROS-MG

Por João Bosco Luz de Morais
em 12-11-2010, às 08h13.

Rafael,

Estou plenamente de acordo com o professor Luiz Carlos.

Por Abraao Gomes dos Santos
em 30-03-2011, às 14h12.

a lei e clara e a suspensão automatica já esta esplicita no regulamento da competição em consonancia a atitutude do arbitro em aplicar a regra, constando na sumula ,e a punição do atleta conforme seu ato infrator da regra, salvo outros argumentos agravante de outros atos agravante seguido da primeira infração constando  em sumula evidente pelo arbitro, concordo com o professor rafael, e o prof. luiz carlos acho que a minha concepção esta no mesmo raciocinio joão pessoa. pb

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2014 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.