Legislação Desportiva - CEVLeis

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevleis/

Como Combater Esta Arbitrariedade da Confederação Brasileira de Triathlon?



O Ranking da CBTri você encontra em: http://www.cbtri.org.br/ranking.asp   Será melhor entendido se lido de baixo para cima!   Mauro Cavanha = Atleta de Triathlon   Marco Antônio = Diretor Técnico da CBTri   CBTri = Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri)   Em vermelho abaixo = comentários de uma terceira pessoa   O QUE PODE-SE FAZER NESTE CASO  PARA UQE O RANKING SEJA SEGUIDO, AFASTANDO ARBITRARIDADES ?   Fala Lauter!!   Intromissão muito bem vinda!! vem muito a agregar a este debate, o qual eu pensei que talvez nem tivesse repercursão e estaria me expondo em vão...   Já recebi 3 emails pedindo sua resposta, como sei que receberei outros e aproveitando que nos deixou a vontade para repassar, não vou privar ninguém da opinião da autoridade esportiva que é!! (com excessão das suas filhas!!) rsrs Agradeço as opiniões e espero que possamos mudar algo, talvez não para estes Jogos, mas para os futuros, pois como bem lembrou o Lauter, já deveriamos estar a par das seletivas dos Jogos Panamericanos...  segue abaixo a resposta do Lauter,   Abraços, Mauro Cavanha    
Em 25 de fevereiro de 2010 10:31, Lauter Nogueira <lauter@centroin.com.br> escreveu:
Oi Mauro,
Desculpe me intrometer, mas estudo e APLICO treinamento em altitude ha pelo menos 25 anos. Acompanho de perto pesquisas e pesquisadores (os melhores do mundo), e me divirto muito sobre o que se fala, e principalmente, o que se faz, em nome do treinamento em altitude. Portanto, posso te garantir que não existe, em hipótese alguma, ganho quantitativo ou qualitativo de performance, com estágio de treinamento de 10 dias em altitude.
O que a CBTri deve querer é fazer ADAPTAÇAO DE ORGANISMO `A ALTITUDE. Mas, ou se enganou, ou tentou vender um gato cansado por lebre veloz aos atletas. Para adaptar corpos a esforços prolongados na altitude, sim, 10 dias são sufucientes.
Fabinho, Juraci e Carla são excelentes atletas, mas desconheço seus talentos em relação a treinamento desportivo!!
Um fato que me preocupa. e muito, é a "casernização" (inventado por mim, desculpem, para não dizer militarização, excessivamente forte) no lugar da pesquisa, da informação dos mais experientes(no sentido prático, lógico). Os dados importantes devem ser compartilhados numa instituição esportiva, pois não significam perigo a soberania nacional, mas fortalecimento do conhecimento.
Conheço de cor os artigos citados abaixo(exceto uns 3 que não dizem respeito ao polemico assunto, ora discutido, mas, como você mesmo pediu, eu gostaria muito de pousar meus olhinhos míopes sobre um artigo (fidedigno, por favor, pois meus olhos se tornaram míopes de tanto ler artigos bisonhos, usando a estatística para chegar a resultados inverídicos) que comprove a nova tese de treinamento em altitude em tão curto espaço de tempo.
Por falar me definições, fico um pouco preocupado e intrigado em relação aos Jogos Pan Americanos de 2011!!! Estou ansioso por saber quais os critérios adotados para a seleção que representará o Brasil no 2o maior evento esportivo do mundo(par nós, brazucas, claro)? Afinal, já não era para ter começado o processo de seleção??????????? Ou, se já existe, quando seremos dignos de receber tão importantes informações??
Devo explicar que, ao receber este e-mail em minha caixa postal, me senti convidado a participar da discussão. Por motivos óbvios, te respondo e copio o La Porta APENAS. Sintam-se à vontade para repassar a quem vcs quiserem(menos minhas filhas ,que já estão de saco cheio desse negócio de triathlon, que são obrigadas a respirar desde que nasceram).
Abraço a ambos.
Ah ia esquecendo: eu prefiro a unanimidade burra do que a tirania virtuosa.
Lauter

Em 25 de fevereiro de 2010 10:36, Lauter Nogueira <lauter@centroin.com.br> escreveu:
Mauro, infelizmente, ou não, recebi seu e-mail, pois estava copiado. Agradeço!! Te respondi, de forma privada, com copia para o La Porta. Se você quiser tornar pública  a minha opinião, sinta-se à vontade. Abração
Lauter   Caro Marco La Porta...   Quando lhe pedi um artigo sobre o treinamento em altitude, eu me referi da questão de que apenas 10 dias fariam alguma diferença, se tiver outros 800 que dissertem sobre ESTE TEMA, por favor me encaminhe, pois não sei se vc chegou a ler a lista que me passou, pois o 1º esta falando sobre os fatores que alteram a monitoração da glicose sanguínea, o 2º está falando em treinar sem altitude e viver na altitude o 3º fala em como age o sistema pulmonar na falta de oxigênio e no frio..... e assim por diante, não encontrei nada sobre o novo treinamento de adaptação em 10 dias... O atleta leu os artigos!!!   Como espero, a CBTri ser um órgão sério, acho que como dirigente técnico, vc deve ter feito um projeto demonstrando os benefícios deste treinamento, para uma possível aprovação da Confederação... Ou seja, acho que vc pode me direcionar melhor, e ao invés de citar 800 artigos, apenas me mostre 1, mas 1 de verdade...(Se houver me encaminhe por favor )  Outra pergunta, pois vc me disse que existem atletas indo por terem sido os melhores brasileiros na prova teste para os Jogos, certo?? Mas isto não poderia ser definido antes de acontecer a prova?? Acho que a confederação perde credibilidade com esses critérios totalmente injustos, pois se todos os atletas soubessem disso, talvez eles tivessem interesse em participar desta prova... E isso abre espaço para uma tirania, quando os critérios são estabelecidos depois do acontecimento da competição... (O atleta está errado em pedir critérios pré-estabelecidos)   Como encaro esse assunto de interesse de toda a comunidade do triathlon e ouvi bastente gente em dúvida, coloco em anexo o máximo de pessoas que consegui a quem possívelmente interesse o assunto... E assim podemos começar um debate aberto, para que não haja dúvidas entre atletas e confederação... Desculpe alguém, que não se interesse pelo assunto, e outros que puderem repassar adiante, agradeço!   Um Abraço, Mauro Cavanha
,
Em 19 de fevereiro de 2010 18:20, Marco Antonio La Porta <marcolaportatri@hotmail.com> escreveu:
Mauro,

Segue abaixo uma lista de artigos relacionados ao treinamento em altitude (tem mais 800 se vc quiser),(IRONIA?) mas a maior fonte mesmo não está somente na pesquisa e sim na troca de informações de quem vive e trabalha com isto há pelo menos 20 anos. Um deles nos copia.

Sobre as suas opiniões, eu respeito mas não concordo. A unanimidade não existe e não é boa que ela exista. Fiquei feliz quando fiz uma reunião com 15 atletas no Equador e a maioria absoluta (14 atletas) concordou com a preparação. (Se concordaram, então porque foi dito que 3  atletas só no masculino concordaram em fazer a preparação em altitude, fora as atletas feminina, onde está indo a número 18 do ranking)  Fique feliz ao ver atletas como Fábio Carvalho, Juraci Moreira e Carla Moreno, referências do triathlon brasileiro, me procurarem individualmente e parabenizarem a CBTri pelo trabalho que tem sido desenvolvido e por planejarmos este tipo de preparação.

Em nenhum momento selecionei ninguém por causa do pedal. O Henrique está na equipe por méritos próprios, foi o melhor brasileiro na prova. Se vc perdeu na corrida pra ele, fazer o que........ E o Sr Wesley Matos, que treina com o Sr Marco Antônio Laporta, não terminou a prova em Guatapé (onde será os Jogos Sul Americanos este ano). Porque este atleta foi convocado para a equipe sendo que é o 10 do ranking e 4 atletas representarão o País?

Enfim, nunca conseguiremos agradar a todos, mas manteremos a coerência do nosso trabalho.

Por não seguirmos critérios subjetivos, deixamos Reinaldo Colucci, nosso melhor triatleta, fora dos Jogos Panamericanos de 2007. Aprendemos a lição e não vamos errar novamente, seria burrice.  critérios.....objetivos, claros, e anteriores a qualquer seleção!   No Exército, um Comandante quando precisa decidir faz o que chamamos Estudo de Situação. Só ele tem dados importantes que outros não tem. Ele reúne o seu estado maior e decide. Assim eu trabalho. Talvez eu tenha dados, que vc não tenha. A CBTri é Instituição Jurídica de Direito Público. O Exército é uma Instituição Militar !!!  
Vc insiste em bater na mesma tecla de benefício a alguns atletas. Isso acontece quando a gente trasnforma uma mentira em uma verdade que é melhor pra gente. Ninguém muda a nossa opinião.

Outra coisa, evite citar nomes nas discussões, isso é muito chato. O Henrique e a Fernanda não merecem isso. Seja mais ético e não acuse seus colegas de serem beneficiados. Procure obter resultados que lhe credenciem a estar na seleção. Eu serei o primeiro a lhe convocar.  Nem o Henrique nem a Fernanda nem os inúmeros nomes que o Sr. Marco Antônio cita..........

Att

Marco Antônio La Porta
Diretor Técnico da Confederação Brasileira de Triathlon


Factors Affecting Blood Glucose Monitoring: Sources of Errors in Measurement. Ginsberg BH. J Diabetes Sci Technol. 2009 Jul 1;3(4):903-913.PMID: 20144340 [PubMed - as supplied by publisher] 2. Combining hypoxic methods for peak performance. Millet GP, Roels B, Schmitt L, Woorons X, Richalet JP. Sports Med. 2010;40(1):1-25. doi: 10.2165/11317920-000000000-00000.PMID: 20020784 [PubMed - in process]Related articles 3. The pulmonary system during exercise in hypoxia and the cold. Sheel AW, Macnutt MJ, Querido JS. Exp Physiol. 2010 Mar;95(3):422-30. Epub 2009 Oct 23.PMID: 19854797 [PubMed - in process]Related articles 4. The exercising heart at altitude. Calbet JA, Robach P, Lundby C. Cell Mol Life Sci. 2009 Nov;66(22):3601-13. Epub 2009 Oct 7. Review.PMID: 19809792 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 5. Endurance training at altitude. Saunders PU, Pyne DB, Gore CJ. High Alt Med Biol. 2009 Summer;10(2):135-48. Review.PMID: 19519223 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 6. American College of Sports Medicine position stand. Nutrition and athletic performance. American Dietetic Association; Dietitians of Canada; American College of Sports Medicine, Rodriguez NR, Di Marco NM, Langley S. Med Sci Sports Exerc. 2009 Mar;41(3):709-31. Review.PMID: 19225360 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 7. Sea-level exercise performance following adaptation to hypoxia: a meta-analysis. Bonetti DL, Hopkins WG. Sports Med. 2009;39(2):107-27. doi: 10.2165/00007256-200939020-00002.PMID: 19203133 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 8. Travel to high altitude with young children: an approach for clinicians. Yaron M, Niermeyer S. High Alt Med Biol. 2008 Winter;9(4):265-9.PMID: 19115909 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 9. Bubble trouble: a review of diving physiology and disease. Levett DZ, Millar IL. Postgrad Med J. 2008 Nov;84(997):571-8. Review.PMID: 19103814 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 10. Preparation for football competition at moderate to high altitude. Gore CJ, McSharry PE, Hewitt AJ, Saunders PU. Scand J Med Sci Sports. 2008 Aug;18 Suppl 1:85-95. Review.PMID: 18665956 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 11. Effects of various training modalities on blood volume. Schmidt W, Prommer N. Scand J Med Sci Sports. 2008 Aug;18 Suppl 1:57-69. Review.PMID: 18665953 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 12. Training in hypoxia and its effects on skeletal muscle tissue. Hoppeler H, Klossner S, Vogt M. Scand J Med Sci Sports. 2008 Aug;18 Suppl 1:38-49. Review.PMID: 18665951 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 13. Live and/or sleep high:train low, using normobaric hypoxia. Richalet JP, Gore CJ. Scand J Med Sci Sports. 2008 Aug;18 Suppl 1:29-37. Review.PMID: 18665950 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 14. Live high, train low at natural altitude. Stray-Gundersen J, Levine BD. Scand J Med Sci Sports. 2008 Aug;18 Suppl 1:21-8. Review.PMID: 18665949 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 15. Classical altitude training. Friedmann-Bette B. Scand J Med Sci Sports. 2008 Aug;18 Suppl 1:11-20. Review.PMID: 18665948 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 16. Illnesses at high altitude. Schoene RB. Chest. 2008 Aug;134(2):402-16. Review.PMID: 18682459 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articlesFree article 17. Travelling to new heights: practical high altitude medicine. Plant T, Aref-Adib G. Br J Hosp Med (Lond). 2008 Jun;69(6):348-52. Review.PMID: 18646420 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 18. [Intermittent hypoxic training--the state of science] Schöffel N, Senff T, Gerber A, de Roux A, Bauer TT, Groneberg DA. Pneumologie. 2008 May;62(5):279-83. Review. German. PMID: 18484547 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 19. Training to maximize economy of motion in running gait. McCann DJ, Higginson BK. Curr Sports Med Rep. 2008 May-Jun;7(3):158-62. Review.PMID: 18477874 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles 20. Do high-altitude natives have enhanced exercise performance at altitude? Brutsaert TD. Appl Physiol Nutr Metab. 2008 Jun;33(3):582-92. Review.PMID: 18461115 [PubMed - indexed for MEDLINE]Related articles



Date: Fri, 19 Feb 2010 18:33:35 -0200
Subject: Re: Jogos Sulamericanos
From: maurocavanha@ig.com.br
To: marcolaportatri@hotmail.com
CC: presidente@cbtri.org.br; cbtri.vix@terra.com.br; contatoacgomes@gmail.com

Certo La Porta... Eu já havia entendido sim... Mas são esses critérios técnicos que deveriam ser revistos, eles não são claros... Acredito que não deveriam haver critérios subjetivos... Se querem selecionar atletas com habilidade no ciclismo, deveria ser explanado no mínimo 6 meses antes de cada prova... e se esse é o critério, eu fiz o melhor pedal brasileiro na prova... E se perdi pro henrrique siqueira, foi na corrida, e o inverso aconteceu numa prova similar que foi Huatulco, onde ele passou mal na corrida, semanas depois... Esta preparação, realmente eu desconheço, e até gostaria de ler sobre o assunto... pode me indicar alguma fonte??? Mas o que eu realmente achei absurdo, foi impor esta preparação... isso não pode ser obrigatorio... e desculpe pensar deste jeito, mas eu sei que se fosse a fernanda, ela poderia ir sem a tal preparação, como aconteceu quando ela ingressou na marinha, ou no exército.. esse jeitinho é possível quando interessa.... O atleta não pode estar sujeito a isso.. sendo que é tudo resolvido as pressas... Os atletas deviam saber disso antes das seletivas... e antes de se sujeitarem a disputar uma vaga... Defender os seus atletas é direito seu... um exemplo nítido foi quando colocaram uma vaga a mais para o masculino na seleção, pois seu atleta era o 7º, (é realmente direito quando se está na posição de Diretor Técnico da CBTri ?)se fosse EU o 7º e ele o 8º, como quase aconteceu, sei que seria diferente... talvez nao entrasse nenhum.. talvez os dois... Eu estive dentro da CBTri.. e sei como funciona isso... não vamos nos enganar... Não quero defender ninguem não... mas só queria esclarecer, pq não vejo as coisas andarem numa linha... Agradeço a resposta de pronto... Att. Mauro Cavanha

Em 19 de fevereiro de 2010 15:56, Marco Antonio La Porta <marcolaportatri@hotmail.com> escreveu:
Mauro,

este assunto já foi largamente discutido com os atletas pré-convocados e todos eles entenderam a posição da CBTri.

Eu já havia te explicado os critérios anteriormente mas acho que vc não entendeu, então vou repetir: os critérios foram estabelecidos pelo Sr Marco Antônio Laporta

1) Ranking - Os dois primeiros tinham a vaga garantida.
2) As duas outras vagas seriam definidas por critérios técnicos.

No masculino, dos oito atletas pré-selecionados, três optaram por não fazer a preparação que a CBTri propôs e um, está lesionado. Sendo assim, 8 - 4 = 4. Sobram, portanto quatro atletas para quatro vagas. Para a seleção destes oito atletas não seguiu-se a ordem de ranking da CBTri. Em resumo irão representar o País nestes Jogos o número 1, 3, 10 e 12 do Ranking, entre 1 e 12 há 12 atletas se 3 não se predispuseram em fazer a tal preparação em altitude e 1 está lesionado sobram 8 e se 4 vão outros 4 atletas melhores rankiados não foram se quer consultados...........continuem lendo que entenderão o porque!!! Se não fosse injusto seria Ilário.

No feminino, tinhamos o mesmo número de atletas pré-selecionadas, e uma não quis fazer a preparação. No Equador, eu e a Rosana Merino, que será a técnica da seleção nos Jogos, decidimos pelas outras três atletas.A número 18 do ranking está indo representar o País e são 4 atletas selecionadas....onde está o critério técnico?

Sobre a adaptação á altitude, vc precisa rever seus conhecimentos, estão um pouco defasados. Dois meses??????? Só se for pra correr na Bolívia. Em Guatapé, vc esteve lá, são 1925m. O ideal seria uma preparação em três etapas, 10 na altitude + 10 (ao nível do mar) + 10 na altitude. Isso para uma competição na altitude até 2100m aproximadamente. Infelizmente não conseguimos viabilizar as melhores condições de treinamento para a 1a etapa e assim iremos apenas na última etapa. Aos interessados, pesquisem living high, training low.......ou altitud training e vejam a heresia científica, citada anteriormente

Os critérios para os Jogos Panamericanos serão definidos oportunamente.E porque não desde logo, assim não há subjetividade, como por exemplo o chamado critério técnico?

Sobre o seu comentário de favorecimento aos meus atletas, só posso dizer uma coisa, lamentável. Dos oito atletas que representarão o País, 5 são militares e o Sr Marco Antônio também o é; e 2 dois treinam com ele.

Att

Marco Antônio La Porta
Diretor Técnico da Confederação Brasileira de Triathlon



Date: Fri, 19 Feb 2010 13:19:05 -0200
Subject: Jogos Sulamericanos
From: maurocavanha@ig.com.br
To: presidente@cbtri.org.br; cbtri.vix@terra.com.br; marcolaportatri@hotmail.com; marcolaportajr@terra.com.br

Ola Carlinhos, Tudo bem? Estou escrevendo pq eu queria entender as seletivas para os jogos... Tanto no masculino como no feminino, parecem óbvio estar acontecendo o favorecimento de atletas do La Porta...O Sr. Marco Antônio Laporta hoje é Diretor Técnico da Confederação Brasileira de Triathlon e também treina atletas filiados a esta Confederação, mediante pecúnia (dinheiro) pago pelos próprios atletas ao Senhor Marco, ou seja, presta serviço a estes atletas, serviço desvinculado da CBTri, mas é Diretor técnico  desta e está sendo acusado de beneficiar seus atletas perante a CBTri. Queria entender como funciona estas seletivas e como é possível o ranking brasileiro proposto pela CBTri não ter valor algum???? O atleta alega isto por não ter sido seguido o ranking da CBTri quando da convocação dos Jogos Sul  Americanos na Colômbia no próximo mês. Não é possível criar critérios para eliminar outros atletas melhores colocados, pois uma adaptação de altitude não é segredo que para ter o mínimo efeito na performance, deveria durar no mínimo 2 meses... O mesmo erro que fizeram com o Marquinhos no Pan esta se repetindo??????O atleta alega isto tendo em vista que o atleta Antônio Marcos (não confundam com Marco Antônio, que nunca foi atleta...), que já foi considerado pela imprensa internacional a melhor corrida do Circuito Mundial de Triathlon, corria os 10 Km na casa dos 29’ após o CICLISMO, ter sido levado para treinar em altitude ás vesperas dos Jogos Pan Americanos de 2007, quando dos Jogos o atleta estava cansado......a literatura fala isso;  é tanto que o pobre do atleta fez um fiasco de resultado. Pesquisem, o hemoglobina, principal efeito da altitude leva em média 3 semanas para maturar e cair na corrente sanguínea, que é o principal efeito do treino em altitude, então porque levar o atleta 10 dias antes para a altitude? Queria desde já saber os critérios para os Jogos Panamericanos... Pois não quero ter outras surpresas... Estou colocando em anexo o próprio La Porta, pois também gostaria de ouvi-lo... Sem mais, agradeço a atenção, e aguardo uma resposta! Um Abraço,

--
Mauro Cavanha
www.maurocavanha.blogspot.com

Faça compras on-line com mais segurança. Instale grátis o Internet Explorer 8.


--
Mauro Cavanha
www.maurocavanha.blogspot.com

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.