Educação Física no Maranhão

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores em Educação Física e Esportes no Maranhão

Entrar na Comunidade

?a Escola Atual Está Fadada Ao Fracasso?, Diz Educador José Pacheco




http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2016/11/20/internas_polbraeco,557877/a-escola-atual-esta-fadada-ao-fracasso-diz-educador-jose-pacheco.shtml ‘A escola atual está fadada ao fracasso’, diz educador José Pacheco Educador português critica o sistema educacional como um todo e discorda da reforma proposta para o ensino médio  Julia Chaib Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press

Fundador da Escola da Ponte, no distrito do Porto, em Portugal, tida como referência no mundo como um modelo inovador, o educador José Pacheco é incisivo ao expressar opinião sobre a proposta do governo brasileiro para a reforma do ensino médio: “É um disparate”. Ao discordar da medida, porém, Pacheco questiona o sistema como um todo. “Em uma aula, nada se aprende. Prova não prova nada”, provoca. Para o pedagogo, a reforma é feita com base em um modelo de aprendizagem do século 19 e qualquer mudança elaborada nesse método terá como destino o fracasso.

A escola da qual é fundador em Portugal não tem muros, portas ou salas de aula. Para Pacheco, o modelo de aprendizagem deve ser baseado na ética e na formação do aluno como cidadão e participante de uma comunidade. Criada em 1976, a escola tampouco é dividida em aulas, séries ou tem provas como modelo de avaliação. E Pacheco garante que o aluno aprende todo o conteúdo curricular do mesmo jeito por meio de roteiros de pesquisa.

Pacheco comenta ainda as ocupações das escolas por alunos, dos quais diz ter muito orgulho, mas pondera que são os sujeitos errados a se manifestarem. “Deveriam ser os professores a ocupar os edifícios”, afirma. Para o pedagogo, para que se tenha uma verdadeira mudança na educação é necessário dar autonomia aos professores e alunos e questionar o modelo como um todo.

No ano que vem, conta Pacheco, o Distrito Federal terá a primeira comunidade de aprendizagem do mundo, segundo o pedagogo. Será no Paranoá. O objetivo é justamente o de implementar uma forma menos engessada de ensino e deverá começar a atender cerca de 600 alunos.

Formado em ciências educacionais e mestre em psicologia pela Universidade do Porto, Pacheco foi professor universitário, além de fundador da Ponte. Está há 15 anos no Brasil e já morou em sete cidades antes de se estabelecer em Brasília. Mudou-se para a capital federal há um ano, por causa do amor. Conheceu a companheira, a arquiteta Cláudia Passos Sant’Anna, em 2009. Os dois se reencontraram em um curso de sustentabilidade, chamado Gaia Educação, ministrado por Cláudia em Curitiba e Brasília.  Começaram a namorar em 2013 e estão casados desde dezembro do ano passado.

O que é a Escola da Ponte? 
A Escola da Ponte é uma escola pública. Muita gente pensa que é uma escola particular, mas não é. Ela era como qualquer outra, ou pior do que qualquer outra. Ninguém queria ir para lá. Os índices de violência eram enormes. Os professores eram batidos, xingados. Tinham nessas escolas umas turmas chamadas de lixo, jovens de 14, 15 anos que não aprendiam. E que estavam nos galpões, que nem banheiro tinham. Nós decidimos, então, fazer uma coisa que qualquer professor deve fazer, que é cumprir o projeto político pedagógico da escola. No Brasil, os projetos político-pedagógicos não são cumpridos, nem a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Aliás, nem a Constituição é cumprida, no campo da educação. Mas tínhamos um problema. Muitos alunos reprovavam. E nós dávamos boas aulas. Então, nós compreendemos que era o modo como nós trabalhávamos que provocava a evasão. Ou seja, dito de forma simples, nós compreendemos que era a escola que produzia insucesso, mas continuávamos sem saber o porquê. Então, descobrimos a resposta. Nós passamos da área da pedagogia para a dimensão da ética. Se o modo não garante o direito à educação, então o ministério e as secretarias não podem trabalhar desse modo. Não podem continuar com aula, turma, série e prova. Não podem. Esse é que é o escândalo maior. Como o Brasil continua a insistir num modelo do século 19, é disso que se trata. Esse modelo que temos com alunos do século 21, com professores do século 20, a trabalhar com um modelo do século 19, não resulta. O que está em debate é o modelo educacional, que vem da revolução industrial. Foi lá que foi concebido esse modelo que está aí, que só desenvolve ignorância, infelicidade, doença nos professores, evasão e insucesso.

O governo atrela o alto índice de evasão escolar, que ocorre principalmente no ensino médio, ao modelo educacional e agora propõe uma reforma…
Que é um disparate. E disponibilizo tempo para ir ao Senado, à Câmara, para debater essa medida provisória. É um disparate, para não dizer pior. E me surpreende e me desgosta que haja quem apoie. Porque a opinião pública não percebe que o que o governo está fazendo é mais uma reforma na linha das reformas, das reformistas, nenhuma reforma neste país resultou. É uma reforma desse tipo.

O senhor quer dizer que foi feita às pressas ou em termos de conteúdo?
Foi feita às pressas, sem debate, mas não me importa, porque é o comportamento comum, infelizmente, do poder público. É um disparate técnico, científico, pedagógico. Por quê? Porque, primeiro, ela é feita dentro do velho modelo, de uma escola sucateada, que justifica a existência do cursinho, que é da mesma natureza. Está condenada a não ter êxito. A escola reflete uma racionalidade, que está presente em algumas decisões do (Gustavo) Capanema, do tempo de Vargas. Ou de decisões em relação ao ensino técnico profissional, do tempo da ditadura. Mais: ela contraria a LDB, quando a lei diz que o ensino médio se destina à preparação para o trabalho e cidadania. Isso é cidadania? Quando ela concentra matemática, português e inglês, onde está o exercício da cidadania? Terceiro, ela ofende, pelo que me parece, alguns princípios constitucionais, por exemplo, o direito à educação integral. Quando se institui que há disciplinas fundamentais, português e matemática, significa que o modo como as escolas trabalham, e é perverso isso, está incidindo na cognição e ignorando todo o resto, na dimensão do afeto, da ética, da cidadania, da estética, espiritualidade, tudo isso. O aluno que está no terceiro ano não está nada interessado a ir nas aulas de sociologia, filosofia, não sei o quê.  Ele vai fazer o investimento em meter na cabeça o conteúdo do português e da matemática para fazer o cursinho e passar no vestibular. Lá se vai toda a ideia das áreas que incidem na educação e na cidadania. É perverso isso. Além de errado e inútil, é perverso. E volto a dizer, estou disponível para debater.

O governo afirma justamente que o fato de o ensino médio ser engessado e desinteressante é uma das razões para a evasão, por isso propõe a flexibilização. Como o senhor avalia isso? 
A flexibilização? Você acha tão flexível assim o currículo? Esta é uma ideia que vem da Europa há 20, 30 anos. Eu estava no Conselho Nacional de Educação quando saiu a ideia de flexibilização curricular. O velho modelo não tem solução. Não pode se mitigar o velho modelo. Não se pode, fazendo cosmética pedagógica.

O que é a flexibilização do ensino na avaliação do senhor, essa que se propõe? 
A flexibilização é a criação das opções, das opcionais. Ou seja, não haver um único currículo, um único caminho, mas cada jovem construir seu próprio caminho. Isso está presente nas propostas de inclusão, que diz que não se pode centrar a educação no indivíduo, numa gestão diversificada do currículo. Mas quando se fala de centrar em português e matemática, se propõe que o aluno meta na memória de curto prazo o português e a matemática para colocar num Enem e depois esquece, porque não fica nada. Se perguntar ao aluno da universidade meses depois da avaliação o mesmo conteúdo, ele reprova. Não se aprende nada. Se queremos centrar no português e matemática, como se explica que a última pesquisa mostrou o nível de domínio de 8%? Dá para entender que 92% dos brasileiros não dominam a língua nem a matemática. Vamos continuar a fazer o mesmo? A centrar nessas duas? Por que a língua portuguesa e a matemática têm uma carga horária maior que a educação física, do que pintura?  Estamos a brincar com o futuro dos jovens?

A explicação do governo é que, por esses índices serem tão baixos, precisa garantir essas duas disciplinas como obrigatórias…
Mas eles já garantem. Já dão quatro dias de aulas de português e matemática e uma só de educação física. É o modelo educacional centrado na escola do século 19, que está errado. Eu não saio dessa. E as pessoas precisam entender que quando criticam o ministro… O ministro, coitado, ele não sabe nada de educação, não tem culpa. Está lá, como estiveram todos os 50 e tantos, desde o Capanema. Repara que nenhum ministro foi educador. Podem dizer “ah, um professor universitário”. Não, o professor universitário, que eu respeito muito, o Renato Janine, com quem trabalhei, é um homem maravilhoso, mas não da pedagogia. Eu respeito o espaço do engenheiro e do médico, por isso, peço que reservem o espaço do pedagogo. Que não brinquem com o pedagogo, dizendo que não serve. Porque há pedagogos e “pedabobos”. Assim como há professores e “professauros”. Então, estou a falar das ciências da educação e exijo respeito. E não aceito que alguém decida as coisas da educação sem fundamentar em práticas existentes. Por respeito que tenho a mim mesmo. Então, colocar mais incidências nessas áreas não adianta nada.

Dentro dessa lógica de que se segue o modelo do século 19, seria ruim flexibilizar para deixar o aluno optar por seguir seu caminho?
Acabaste de dar a resposta. Flexibilização do ensino. O ensino não pode ser flexibilizado. A aprendizagem, sim. É aqui que está o cerne. Não é que os alunos têm dificuldade de aprendizagem. Os professores que têm dificuldade de ensinagem. Respeito quem conteste. Estou disponível para o debate sério, construtivo, público.

O que é a escola do século 19 e de que forma ela deve ser transformada?
Ela é uma construção social de aprendizagem que correspondeu às necessidades especiais dos estados-nação. A Prússia militar, que fundou um modelo de escola baseado na ordem, disciplina. O uniforme vem daí. A Prússia tinha um exército poderoso e queria jovens para o Exército. Aí está a questão da hierarquia, que hoje também está presente na escola pública brasileira. O professor é obrigado a fazer aquilo com que não concorda. Sozinho, o professor não é autônomo. Sozinho o professor é autossuficiente, é individualista. Depois, temos a França dos conventos, do Napoleão, da caserna e a prisão. O que acontece? A escola toma forma de uma caserna, de uma prisão, e de um mosteiro. Basta reparar que são “celas” de aula à volta de um corredor com espaço interno para o passeio dos prisioneiros, para banhar sol. Estou brincando. Mas certa vez estive numa escola em São Paulo, que estava cheia de grades e era circular e retangular, como as prisões. Tinha dois pisos. E eu perguntei por que era assim. Eles me responderam que a escola era muito antiga e o arquiteto era o mesmo que fez o Carandiru. O que faz a prisão, faz a escola. Dá para entender?

Daí a importância da estética… 
Sim. Daí a importância. Isso veio da França dos conventos,  da monja, da chamada tia. Esta ideia de “cela” de aula vem da etologia. Tia, da etologia, é a macaca que não pode ter filhos, porque tem que cuidar dos filhos dos macacos que morrem. Dá para entender por que Paulo Freire escreveu um livro chamado Professoras, sim. Tias, não. As pessoas desconhecem isso. No século 19, a França contribui com a ideia de que a escola deve ser um edifício, inspirado nas casernas e nos conventos. Depois vem, do mesmo século 19, a revolução industrial inglesa, a produção em série. Série que agora se diz anos, ciclos, ano de escolaridade. É um modelo fordista. Consideram que há peças defeituosas, há pessoas que não aprendem. O fatalismo, a profecia realizada. Naturaliza-se o insucesso. Por que duram 50 minutos as aulas? Por que há intervalos? Certamente, é um modelo fabril. Por que há separação entre o banheiro do aluno e do professor. Tudo isso é uma caricatura do século 19, que não funciona no século 21. O que me espanta é que as pessoas continuem a insistir nisso. Que desperdicem recursos e gente. 

Por que o aluno não aprende esse modelo? 
Porque os professores não ensinam. Porque é impossível transmitir informação. Essa ideia do modelo transmissivo, de que é possível uma pessoa dar aula para um conjunto de alunos, isso vem do século 17. Numa aula, nada se aprende. Pode registrar isso, porque perturba muita gente. Eu quero perturbar. Fraternalmente, sublinhe-se, quero convidar as pessoas para discutir isso. E não quero ouvir o “eu acho”. O “acho que” não existe. As decisões seguem critérios de caráter administrativo, não pedagógico. Temos um educador, o Pedro Demo, professor aposentado da UnB. Ele diz: “Aula, o que é isso?”. Quando eu digo que prova não prova nada, as pessoas ficam escandalizadas. Ainda há duas semanas, o Sugata Mitra, um dos mais respeitados educadores do mundo, professor numa universidade norte-americana, considerado um “must”, disse “prova para quê?”. É preciso acabar com ela. Se temos pessoas que sabem, porque a educação está sendo decidida por quem não sabe? A educação está entregue a amadores, gente que não sabe o que faz. O que me choca é que há professores universitários que suportam, dão apoio. Eu já fui professor universitário, faço mea-culpa. Como exemplo, a Ponte é uma escola autônoma, referência para o mundo. Fizemos um termo de autonomia com o Estado. Definem-se metas para três anos e completam-se as metas com uma avaliação trianual, com uma comissão nomeada pelo Ministério da Educação, que faz avaliação externa. E se as metas foram atingidas, é renovado o contrato. Um exemplo de meta é que todas as crianças aprendam todo o currículo.

Já que o modelo não funciona, de que maneira o aluno deve aprender? 
Entramos no domínio das novas construções de aprendizagem. Aprendem tudo. Nós (ele e as duas professoras) tínhamos 25 horas na escola da Ponte e passamos a dar uma hora de aulas diferentes. O modelo arcaico foi questionado. E uma escola rompeu com esse paradigma. Juntei-me com duas professoras que tinham dezenas de anos de aulas, pessoas muito capazes, competentes. Veio a nova ideia e juntamos com a experiência que elas tinham, de dar aula. Levamos oito anos para mudar. Devagar, prudentemente. Acabamos com aula, série, com turma, com a prova, diretor, ponto, carga horária, tudo. Horário, qual é? Cada um faz, comprometendo-se com o outro.

A Ponte divide, de alguma forma, os alunos por idade? Atende qual faixa etária?
Não divide. Atende desde o pré-natal até a morte. São 365 dias por ano. Não fazem prova na Ponte e passam em primeiro nos Enems da vida. Se você fosse entrar lá, entraria para o que chamamos de iniciação. Nesse núcleo, qualquer pessoa vai aprender várias coisas. Ler, escrever, contar. Primeiras noções de matemática. Aprende a construir projetos de vida ou currículos comunitários, aprende como se faz pesquisa, busca informação, critica, analisa, compara, sintetiza, comunica a informação. Vai desenvolver processos complexos de pensamento, aprender a pesquisar. Os alunos não sabem pesquisar. Nem os professores sabem. Copiam. Peguei um projeto e lá estava, fulano diz, (Jean) Piaget diz. Meu amigo, eu quero lá saber o que Piaget diz, aqui é a cópia, eu quero é produção de conhecimento. Se eu quiser saber o que ele diz, eu vou ao Google. Quero construção de conhecimento.

E o projeto Âncora, em São Paulo?
Todos os alunos são da classe C e D. Quase todos negros, monoparentados. Vieram desmotivados, violentos. A criança chega com 9 anos e diz: Eu quero ser rapper. Para ser rapper, tem que saber compor, escrever, saber história. É o caso da MC Soffia, cantou com a Karol Conka. “Tenho orgulho do meu nariz, orgulho do meu cabelo”. Ela estava na abertura dos Jogos Olímpicos. Ela tem uma identidade que assusta. O outro diz que está faltando água na favela. Hoje, ele tem uma microempresa de produção de cisternas para colher água da chuva a partir do material do catador. Está livre do tráfico, potente na sua capacidade. Aprendeu ciências, física, hidráulica, português, matemática. O problema é que ao fim de algum tempo, deixam de fazer perguntas. Há um estudo que diz que por volta dos 5, 6 anos, cerca de 90% fazem perguntas de modo espontâneo. No fim do ensino fundamental, menos de 10% fazem perguntas. No ensino médio, menos de 1%. O modelo tradicional acaba com a pergunta. Porque o professor entra na sala e dá respostas para perguntas que nunca escutou.

Quando foi criado o Âncora?
Começou em 2011, mas propriamente dito em 2012. Eu estive lá durante três anos. Agora, tenho estado em muitos projetos. E agora vou para a Itália. Falar de quê? Dos projetos brasileiros inovadores. Agora é o Sul que está a informar o Norte. O Janine, a quem devo muita admiração, criou um grupo de trabalho que fez um levantamento de projetos inovadores no Brasil. São 178. O ministério se comprometeu perante esses projetos a acompanhá-los e avaliá-los. Mas entrou o novo ministério e acabou tudo. A questão é essa. Desperdício.


Estamos vendo um movimento de alunos contrários às medidas do governo ocupando as escolas. Qual a avaliação que o senhor faz?
Fico espantado e orgulhoso dos jovens, é evidente. Mas penso que não deveriam ser os alunos a ocuparem. Deveriam ser os professores. Assumir a dignidade profissional e dizer “Isso não serve, temos que fazer outra coisa”. Por outro lado, há os jovens de que eu me orgulho. É uma nova geração que está aí e parece que vai criar condições para que a política seja menos corrupta e mais eficiente. Esses jovens sabem a escola que não querem, mas não sabem a que merecem. Quem sabe? Os pedagogos, os professores. Percebi a ação do ministério, que suspende o Enem, que é para pressionar.

O senhor viu uma medida política a ação do ministério? 

Foi. Não tem nada de pedagógico. É manipulação. Quando os jovens são impedidos de fazer o Enem, eles vão se voltar contra os que fizeram a ocupação. E os que querem ter aula? Também vão se voltar contra eles. Daqui para mais meia dúzia de meses, vai acabar tudo isso. Vai ser preciso ocupar de novo. Mas aí é a parte pública que está na causa e, eu presumo, a polícia vai intervir. Aí temos outro problema. Mas não o fazem. A comunidade tem que assumir. Hoje, o que é preciso não é fazer mais reformas, é preciso conceber novas construções sociais. Aqui no Distrito Federal, com a participação do poder público e da universidade, vai ser criada a primeira comunidade de aprendizagem do Brasil, onde jovens, adultos, aprendem uns pelos outros. A proposta teórica dessa nova formação social vem de brasileiros.

 

 

 

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2016 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.