Educação Física no Maranhão

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores em Educação Física e Esportes no Maranhão

Entrar na Comunidade

Prática de Escravatura e Ruína Institucional ? com Vistas Ao Governador e Ao Reitor da Uema




Prática de escravatura e ruína institucional por Jorge Bento

O Presidente do CRUP não acha mal! Pudera, o CRUP é como o órgão da Concertação Social! Desde o consulado de Sócrates, tem servido para coadjuvar os governos na implementação de infames políticas neoliberais.

 
O RJIES legalizou a captura da Universidade pelo neoliberalismo e o roubo de direitos essenciais. Os reitores, designados à margem da comunidade académica, são ufanos Reis-Sóis, brilhantes no manejo da cartilha e novilíngua mercadológica. A propaganda, com o seu cortejo de galas e festas de ‘empreendedorismos’ para tudo e para nada, vem dissimulando a queda no abismo. Quem vir de fora, parece a corte de Luís XIV! Por dentro, é o caminho para o desastre.

 

É duro assistir à degradação de uma instituição que deveria ser referência de dignidade, de defesa e observância de superiores princípios e valores humanos. A Universidade, idealizada como entidade da cidadania plena, para albergar, promover e alargar a elite intelectual, espiritual, cultural e moral da nação, tem sido intencional e paulatinamente transformada em linha de montagem de escravos, de fiéis serviçais, de gente acuada, apavorada e cheia de medo de ficar sem as poucas migalhas que caem da mesa. É este tipo de quadros que lhe vai dar forma no futuro!

 

A maioria destes docentes precários entrega-se inteiramente às instituições, recebe um salário miserável e está sujeita a ser despedida a qualquer momento. E há ainda estudantes de doutoramento que são explorados até ao tutano: lecionam sem receber um cêntimo! Nalgumas áreas a lecionação é, não raras vezes, garantida por eles.

 

Muitos ‘responsáveis’ encolhem os ombros e até aplaudem a situação, revelando o grau da sua irresponsabilidade institucional, cívica e social. A coragem para denunciar o mal sempre foi limitada. A desfaçatez para o praticar e a cobardia para o consentir não têm limites.

 

Professores a tempo parcial nas universidades já são quase um terço Número de docentes com este tipo de contrato aumentou 15% em cinco anos e a austeridade é uma das causas. Instituições dizem que a prática pode ter… publico.pt|Por Samuel Silva    

Isso, em Portugal… aqui, na UEMA, os ‘boias-frias’ são a grande maioria… algumas unidades, do quadro, só o coordenador/diretor e uns poucos administrativos, nem mesmo os ‘da limpeza’ são do quadro… e querem ‘fazer’ universidades… sem quadro de pessoal… verdadeiros bóias-frias, com salário abaixo do professor normalista mas, exige-se deles, mestrado e doutorado… R$ 1.400 por mes, para 20 mhoras de efetivo trabalho em sala de aula, além das despesas de deslocamentos e estadia nas diversas unidades, inclusive tendo de atender as vezes ate tres unidades, em cidades distantes umas das outras. Sei de que falo!!! já fui boia-fria da UEMA!!!

 

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2016 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.