Educação Física no Maranhão

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores em Educação Física e Esportes no Maranhão

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevefma/

Uma (nova) História do Futebol no Maranhão , Por Leopoldo Gil Dulcio Vaz ? Parte Ii



Do Blog do Leopoldo Vaz • domingo, 10 de abril de 2016 às 11:25

http://www.blogsoestado.com/leopoldovaz/2016/04/10/uma-nova-historia-do-futebol-no-maranhao-por-leopoldo-gil-dulcio-vaz-parte-ii/

0comentário

Aqui, apresentamos os futuros treinadores, nascidos nos anos 60:

 

JOSÉ DE RIBAMAR PINHEIRO – PEU, PINHEIRO

1961 – Nasceu em São Bento-MA, em 02 de novembro, filho de Faustino Anastácio Pinheiro e Maria José Pinheiro. Tem Licenciatura Plena em Educação Física – UniCEUMA -, e Pósgraduado em Treinamento Esportivo – Faculdade Pitágoras/FAMA.

1976 Quando começou a jogar futebol era chamado de “Peu” pelos colegas, assim como já o chamavam de “Pinheiro”. Quando garoto, jogava bola no asfalto, faziam as travinhas e os peladeiros jogavam 3 x 3; Aos 15 anos (por volta de 1976) jogava nas salinas do bairro onde morava, Bom Milagre. Quando a família mudou-se para o Sá Viana, passa a jogar nas salinas daquele bairro, perto de sua casa. Pela manhã, ia para a escola; pela tarde, para as salinas jogar bola. As ‘peladas’ em muito boas, por isso foi se desenvolvendo no futebol, começando a jogar nos times do bairro. Jogou em uma escolinha do bairro, Deja´s, junto com outros garotos bons de bola, como Fuzué, Chita, Hélio, Raimundinho do Coroado.

1979 sua família retorna para o Bom Milagre. Toma conhecimento de iria haver uma ‘peneira’ no Estádio Santa Izabel, então sede do Vitória do Mar; fez os testes para jogar nos juniores, nas categorias de base do Vitória do Mar. Haviam 200 garotos inscritos e somente 26 foram selecionados, e como se saiu bem, estava entre os 26. Treinando e jogando nas categorias de base, foi chamado para a Seleção Maranhense. Aos 18 anos de idade, fora convidado para o time principal, profissionalizando-se. Jogava como médio volante, mas tinha facilidade de jogar pela lateral direita e de zagueiro, um verdadeiro coringa, com uma marcação muito boa, com saída de passe também boa. Em 1981, é transferido para um time médio a Sociedade Esportiva Tupan. O Tupan fez um grande time naquele ano, dirigido por Pedro Duarte, treinador que gostava muito do futebol maranhense, revelando grandes jogadores: Janio (atual presidente da AGAP-MA), Osvaldo, Dirceu, Gaspar, Malicia, Dicó, Airton Aires, dentre outros. Tornou-se campeão da Taça Cidade de São Luis, Vicecampeão maranhense. Pinheiro ficou dois anos no Tupan, quando em 1983 se transferiu para o Boa Vontade. Conseguira um emprego de dia e à noite ia treinar no Parque do Bom Menino, pois era lá que o Boa Vontade treinava. Jogou por cinco anos nessa equipe, conseguindo a reversão do profissional para o amador, indo disputar o campeonato anilense, da Cohab.

Por ter se dedicado ao futebol, e sido atleta profissional, conseguiu um emprego nas Escolinhas de Futebol da então FUMDEL (hoje SEMDEL). Tendo passado a atuar como treinador de futebol das escolinhas de futebol mantidas pelo Município, pensou em voltar aos estudos, para melhor desempenhar a função, graduando-se em Educação Física, e depois fazendo uma Especialização em Treinamento esportivo. Com a graduação, passou a exercer outras funções, como treinador de Futsal, depois de Voleibol – Projeto Viva Voley – e, por ultimo, passa a trabalhar com o grupo de terceira idade – Projeto São Luís Saudável. Ao mesmo tempo, trabalhava com as divisões de base, sagrando-se campeão por Chapadinha, em 2004 e em 2007 pelo Internacional da Vila palmeira, no Sub-17; campeão nos anos de 2010 e 2011 pela categoria Sub-20, tanto como treinador, como preparador físico.

Para se manter atualizado, continua estudando e fazendo cursos de capacitação. Considera o curso de formação de treinadores importante, pois só tem a progredir na carreira. Ao falar do futebol maranhense atual, considera que está faltando organização, primeiro, na federação, e nos próprios clubes, por falta de estrutura. Após tecer algumas considerações sobre os três grandes clubes de nosso estado, Sampaio, Moto e Maranhão, lembra que é necessário que seus dirigentes tenham consciência de manter/montar as Categorias de Base, para daí surgirem os grandes jogadores de tanto se necessita, pois sua experiência de vida, surgindo nessas escolinhas, e como treinador na mesma, descobriu alguns talentos, como Mimica, Ray, Joberth…

 

OSVALDO MONTEIRO

1963 nasceu em São Luis, no dia 12 de dezembro de 1963. Estudou na C. E. Força Aérea brasileira (São Cristovão), Escola São Jose, e CEM Colho Neto, onde concluiu o 2º grau.

Inicia sua trajetória nas peladas dos bairros da capital, em seguida participando de Campeonatos Estudantis e sendo convocado para a Seleção Maranhense, tanto estudantil, quanto os Juniores. Foi levado para a equipe de Juniorers do Internacional de Porto Alegre – RS, sendo campeão gaucho da categoria. Após a passagem pelo Inter, retorna à São Luis, contratado pelo Tupan, sendo vice artilheiro do Campeonato profissional. No ano seguinte, é comprado pelo Moto Club, um ano e meio depois, vai para Portugal, assinado contrato com o Nacional, da Ilha da madeira, ficando lá por uma temporada. Retorna à São Luis, contratado por quatro meses pelo Vitória do Mar. Retorna à Europa, precisamente na França, onde disputou o Campeonato da 2ª Divisão, iniciando suas andanças por vários países. Jogou na Turquia, Bélgica, Yugoslávia, Marrocos, Israel, estados Unidos… Depois de nove anos, retorna ao Brasil, indo jogar no Sampaio. Depois que parou, seguiu a carreira de treinador, trabalhando como auxiliar no Expressinho, dirigiu o Boa Vontade, São José de Ribamar, e categorias de base, como Uberlândia (MG), Sampaio Correia, ocasião em que dirigiu a categoria principal por três vezes, e também Escolinhas de Futebol. Hoje trabalha como treinador das equipes da OAB.

 

CARLOS SOUSA FERNANDES AZEVEDO

1964 nasceu em 21 de março em São Luís-MA, filho de Américo Azevedo e Maria dos Remédios Azevedo.

1983 Iniciou sua vida como jogador profissional na Sociedade Esportiva Tupan, onde jogou até 1988; naquele ano de 83, disputou o Campeonato Brasileiros de Juniores, pela seleção maranhense; 1988/89 disputou o Campeonato Maranhense pelo Vitória do Mar. Tendo abandonado o futebol profissional, passou a disputar o Torneio Intermunicipal durante os cinco anos seguintes.

 

MOACIR SANTOS COSTA – MOACIR

1964 nasceu em 27 de novembro, na Maternidade Benedito Leite, na cidade de São Luís-MA, filho de Ursulina Santos Costa e Marcelino Assunção Costa. Estudou na Escola Felipe Conduru do 1º ao 4º ano, e do 5º ao 8º ano no Evangelsta Rodrigueiro, terminando o 2º grau no Telecurso.

1979 Se interessou pela bola quando a sede do Moto Clube se mudou para o São Cristovão; foi ai que decidiu ser jogador de futebol, participando do Juvenil, e depois para o Juniores, como eram chamados as categorias de base. Depois de dois anos (1981) passou para o profissional, atuando até 1992, participando do elenco do Moto e de outras equipes daqui de São Luis e de fora, como Fortaleza e Goiás. Aposentou-se em 1999, sendo seu ultimo clube o Açailandia, o treinador era Caio, ex-campeão do mundo pelo Grêmio.

 

LUIS CARLOS LIMA

1964 nasceu em 17 de dezembro, na cidade de Rosário-MA, filho de José Maria Lima e de Escolástica. Iniciou seus estudos no Paulo Ramos, onde fez o primário; em seguida no Raimundo João Saldanha, onde concluiu o Ginásio, ambos na cidade de Rosário-MA. 1982/1984 Mudou-se para São Luis-MA, indo estudar na Escola Agrotécnica federal de São Luis, concluindo o Curso Técnico em Agropecuária.

Começou sua carreira no futebol em sua cidade natal, numa equipe chamada Sociedade Esportiva Filipinho, jogando na equipe de base. Mais tarde, aos 15 anos (1979) foi efetivado na equipe principal. Mais tarde, atuou pela Seleção de Rosário, disputando alguns campeonatos Intermunicipais. Na Escola Agrotécnica, já em São Luis, participou de jogos Escolares, quando foi convocado para a Seleção Maranhense de Juniores, para disputar o Campeonato brasileiro de Seleções, despertando, então, o interesse de equipes da Capital, sendo contratado pelo Sampaio Correia, no ano de 1985, sendo campeão maranhense naquele ano, fazendo o gol do título, e escolhido como atleta revelação. Conquistou, em seguida, os campeonatos de 1986/87/88 e os de 1990/91/92. 1994 encerra a carreira, em função de um acidente em um jogo Sampaio x MAC (1991), pelo Campeonato Brasileiro de Futebol, onde teve um traumatismo craniano, em uma disputa de bola com Zé João, do MAC, sofrendo duas paradas respiratórias.

Com o curso de formação de treinadores, pretende se qualificar, além de aumentar seus conhecimentos, para entrar no mercado de trabalho. Seu objetivo é conseguir um emprego, para melhorar suas condições de vida, sustentar a família, pois como renda tem só mo auxilio-acidente em função da ter abandonado o futebol por motivo de contusão.

 

ELSO LUIS COSTA FONSECA

1965 nasceu a 05 de setembro, numa ilha de Cururupu, de nome Caçacueira. Filho de pescadores e domestica, sendo pai Miguel Arcangelo Gomes da Fonseca Filho, e mãe Clenes Lemos Costa Fonseca. Viveu até os 11 anos de idade em Caçacieira, onde começou os estudos no Colégio Grupo Escolar Dr. Henrique de LaRoque. Caçaciera foi onde começou a dar os primeiros chutes na bola.

Na porta de sua casa faziam o campinho, sendo uma ilha a areia era fofa e servia muito bem para improvisar uma pelada. 1976 seus pais sentiram a necessidade de se retirar de Caçacueira, pois não queriam e Elso e seus outros irmãos tivessem a mesma profissão. Vieram morar com um tio, irmão de seu pai, em São Luis, na Rua da Cerâmica – João Paulo, onde até hoje mora, mas não na mesma casa. Chegando em São Luis foi matriculado no Grupo escolar Duique de Caxias, onde terminou o primário. O Ginásio fez na Escola José Sarney Costa. Morando no João Paulo, aos 12 anos, na época as ruas não eram asfaltadas, eram todas de piçarradas, e mesmo assim, quando chegava do colégio, lá pelas 5:30, Elso e outros vizinhos armavam uma pelada, ali mesmo na rua, e batiam uma peladinha até por volta das 7 horas, quando as mães – no seu caso, a tia – chamavam para banhar e jantar. Quando chegou, em 76, na rua existia um time com o nome de Ipiranga, que na época só os adultos jogavam; foi quando um morador antigo da rua, chamado Eloi, resolveu fazer um time de garotos para jogar contra os garotos das outras ruas. Esses jogos eram realizados no campo do Quartel do 24º BC 0- hoje BIL -, aos domingos pela manhã. Até então não tinha nome o time, era só o nome da rua, no caso, Cerâmica. Foi aí que começaram a dar um nome para esse time; como tinha flamenguistas, vascaínos, e tricolor (no caso, Elso), para ninguém ficar zangado resolveram colocar o nome de Palmeiras, pois na época o futebol de São Paulo não era bem aceito. Com a fundação do Palmeiras logo surgiram outros times no bairro, e isso fez com que pudessem ser realizados campeonatos.

Elso jogou Futebol de Salão por dois anos, pela Escola José Sarney Costa, onde fazia o curso ginasial, disputando os Jogos Escolares maranhenses – JEM´s. 1978 ouvindo um programa esportivo, na hora do almoço, tinha uma chamada do MAC, para garotos de 12 a 18 anos, para fazer uma peneira, atuar em suas categorias de base, na época chamadas de Dente-de-Leite, Infanto-Juvenil, e Juvenil. A peneira foi realizada em um sábado, com muitos garotos comparecendo, lá no Parque Valério Monteiro, no bairro da Cohama. E lá estava Elso. Quemk cuidava das categorias de base, na época, era o Dr. Jayron Guimarães, médico pediatra. Foi elequem fez a peneira, e Elso foi escolhido para defender a categoria dente-de-leite do MAC. Foi ai que começou sua carreira. Foi passando de categoria amadora até 1986, quando foi convocado para a Seleção Maranhense de Juniores, para disputar o campeonato brasileiro de Seleções, sendo a sede em São Luis, com a participação do Piauí, Pará e Amazonas, ficando o Maranhão em 2º lugar, fora da competição, pois apenas o campeão tinha vaga para a seqüência do campeonato. 1987 assinou seu primeiro contrato profissional, com o MAC; 1988 fez sua primeira viagem de avião, com o MAC, que fora convidado para uma excursão de 15 dias em Angola; lá fizeram quatro jogos, conseguindo um empate, duas vitórias e uma derrota. 1989 participa  de seu primeiro campeonato brasileiro, pelo MAC; em 1990, o segundo, e em 1991 o terceiro. 1992, depois de 15 anos, deixa o MAC para defender o Tupan; 1993 estava no Bacabal Esporte Clube; 1994 foi o ultimo ano contato com o profissional, na Caxiense, da cidade de Caxias-MA.

Hoje, trabalha com escolinhas de futebol, no João Paulo. Essa a razão de fazer o Curso de treinadores, para melhorar os seus conhecimentos e aprendizado, para melhor passar esse aprendizado para seus alunos.

 

HILTON SOARES LIMA FILHO – HILTINHO

1965 nasceu em 05 de junho, em Graça Aranha-MA, filho de  Hilton Soares Liuma e de Alaide Araujo Lima. Iniciou os estudos em um pequeno povoado do município de Graça Aranha, denominado Gavião. 1975 sua avó o levou para morar em Imperatriz-MA, onde estudou da 1ª à 4ª séries no Grupo Escolar Tocantins e da 5ª à 8ª séries no Colégio Evangélico Ebenezer. Recorda-se de duas professoras muito educadas, do Grupo Escolar Tocantins: Das neves e Maria das Graças. 1982 inicia sua carreira na equipe Juvenil do Tocantins Esporte Clube, da cidade de Imperatiz, então contava com 16 anos. 1983 sobe para o profissional para a disputa do Campeonato Maranhense, já que o Juvenil disputava o Campeonato amador e foi campeão e artilheiro da competição;  retorna a Graça Aranha, sua terra natal, onde inicia o 2º grau, não o terminando por motivos políticos, pois o mesmo foi extinto. Começa a carreira de jogador. 1984 já em Graça Aranha entrou na Segunda Divisão do campeonato maranhense, sendo contratado, naquele ano, pelo MAC, lembra da data: 11 de junho de 1984, quando se apresenta, para disputar o Campeonato Maranhense da 1ª Divisão; como ainda tinha idade de Juniores, sagrou-se bicampeão, dos anos 1984/85. 1986 passou em definitivo a integrar a equipe de profissionais do MAC. 1987 foi emprestado ao Vitória do Mar, equipe pequena de São Luis, onde foi artilheiro da equipe, com oito gols. 1988 retorna ao MAC, ficando até 1990, disputando competições estaduais e nacionais. Em uma dessas competições nacionais, Campeonato Brasileiro de 1990, se destaca, sendo contratado pelo CSA de Alagoas, tornando-se campeão alagoano do mesmo ano; e nesse mesmo ano retorna ao MAC  para a disputa do Brasileiro, no segundo semestre, mais uma vez se destacando e o MAC acertou com Rubilota, um empresário, sua ida para o River Plate, da Argentina, para fazer um teste. Estava tudo correndo bem, Daniel passarela já havia dito que seria contratado, quando teve uma lesão durante um treino, antes de assinar o contrato. Retornou ao Brasil – março de 1991, e em maio vai para a Bélgica, assinando com o Turnhout, equipe da 2ª Divisão belga, sendo, mais uma vez, acometido da mesma lesão, no púbis, retornando em outubro daquele ano à São Luis, vindo a se operar com o Dr. Cassas de Lima. 1992 assina com o Moto Clube; 1993 retorna ao MAC, com a equipe quebrando um jejum de 14 anos se títulos. 1994 retorna ao Moto ficando até 1995, quando é contratado pelo Bacabal Esporte Clube. 1996 está no Araguaina, do Tocantins, e no Codó – MA. 1997 retorna para o Araguaina; 1999 está no Ferroviário de São Luis, quando encerra a carreira.

 

ROSENILSON SILVA AMARAL – NENEM

1966 nasceu em 05 de novembro, na cidade de Olinda Nova-MA. Filho de Roosevelt Penha Amaral e Maria Irineia Silva Amaral.  Estudou no Colégio CIPE, dos professores Azevedo, Ferreira e Novaes; seu primeiro professor de educação física e de futebol de salão (futsal) foi Carlos Augusto Alves.

1974 Começou a praticar o futebol aos 8 anos de idade, ainda no povoado Coqueiro, em Olinda Nova. Seu pai, conhecido como Coxo, quando vinha à São Luís, levava para ele e seus irmãos uma bola, para jogar. 1975 aos 9 anos mudaram para São Luís, quando começou a jogar nas famosas peladas de rua e, por ainda ser criança, os adultos não ocolocavam para jogar na linha, somente no gol e a partir daí ‘pegou gosto’ de ser goleiro. 1978 aos 12 anos fez teste no Maranhão Atlético Club – MAC, sendo aprovado. Passou a jogar nas categorias de base de 1980 a 1990, quando se submeteu a duas cirurgias de menisco (1990). Nesse mesmo ano passou a jogar no PAC – Pinheiro Atlético Clube, da cidade de Pinheiro-Ma. 1991 transferiu-se para o BEC – Bacabal Esporte Clube -, da cidade de Bacabal, permanecendo por apenas 45 dias, transferindo-se a seguir para o Expressinho, conhecido como “Furacão da Cohab”, quando fez um excelente campeonato. 1992 foi contratado pelo Moto Clube de São Luís, onde jogou até 1993. 1994 não jogou, voltando em 1995, pela Seleção de Guimarães, por onde disputou o Torneio Intermunicipal de Seleções. 1996 estava novamente no BEC, onde sagrou-se campeão maranhense daquele ano.

Pensa ser, na carreira de treinador de futebol, um treinador organizado, disciplinador. E que o esporte é a melhor maneira de educar as crianças…

 

REGINALDO MENDES DOS SANTOS – REGINALDO

1966 nascido em 07 de setembro, na cidade de Anajatuba-MA, filho de Francisco de Assis dos Santos e Bernardina Vieira Santos. 1969 a família mudou para Miranda do Norte. Lá, estudou no Colégio Raimundo Abraão Bezerra, até o primeiro ano ginasial, concluindo este ciclo e o 2º grau no Liceu Maranhense, em São Luis.

Começou no futebol disputando partidas de futebol nos campeonatos interclasses. Campeonatos amadores, na cidade de Arari, Itapecuru e Bairro Vila Embratel, em São Luis. 1989 tornou-se profissional, jogando pelo Tupan. 1990/95 está defendendo o MAC, sendo campeão nos anos de 93/94/95. Jogou pelo Marcílio Luz-SC e pelo Fortaleza-CE. 1996/97 está no Ceará Sporting Clube, sagrando-se bicampeão cearense. 1997 Academia de Coimbra – Portugal.1998 Sampaio Correia-Ma, bicampeão maranhense e campeão da Copa Norte. 1999 volta para o ceará; 2000 Botafogo de Futebol e Regatas – RJ. 2001/2003 de volta ao Fortaleza Esporte Clube – CE, sendo bicampeão. 2004 submete-se a uma cirurgia de joelho; joga no ‘4 de Julho’ Esporte Clube – PI, Quixada, Limoeiro, Itapajé e 2006 Tiradentes-CE, já com 18 anos como profissional, encerrando sua carreira, aos 41 anos de idade.

 

ROGÉRIO COSTA JANSEN PEREIRA – ROGÉRIO JANSEN

1966 nasceu a 16 de dezembro, em Bacabal (?), filho de José de Ribamar Jansen Pereira e de Vicência Costa Jansen Pereira. Estudou até o 2º ano do primário, na escola União Artística e no colégio Municipal de Bacabal (1º ano) e no Colégio Leda Tagra (2º ano), ambos em Bacabal-MA.

Iniciou sua carreira de futebol a convite de um colega, para participar de um jogo amistoso na equipe amadora da cidade de Bacabal, chamada Internacional, do Sr. José Maria, equipe de garotos nas idades de 12 a 13 anos. Foi formada uma grande equipe, bem competitiva na época, em que se jogava o futebol por amor, prazer e alegria.

Em uma partida realizada pelo Campeonato Amador em Bacabal, o Sr. Araújo, dono da equipe do Americano, convidou um ‘olheiro’ para fazer uma avaliação em alguns garotos de sua equipe – era o Sr. Edgar, do Ferroviário do Ceará. Foi relacionado para fazer o teste em Fortaleza-CE na categoria de base do ferroviário, tendo a felicidade de ser escolhido pela Comissão Técnica. 1984 inica minha carreira, disputando o primeiro campeonato amador do Ceará, categoria Sub-20; no mesmo ano fui convocado para Seleção Cearense Sub-20, para disputar a Copa Nordeste. Feliz porque teve uma oportunidade já na equipe profissional do Ferroviário, profissionalizando-se; sua posição era centroavante, sendo  reserva de Luizinho da Arábia. 1987 retorna à bacabal, por conta de uma contusão; fez o tratamento e voltou ao futebol na equipe do Bacabal E.C, e Americano E.C. disputando o campeonato maranhense profissional e o Intermunicipal, no período de 1988 a 1992. 1992 através do Diretor de Futebol do MAC, recebeu convite para jogar em São Luis, assinando contrato em 03 de março como atleta de futebol profissional. 1994 teve outra contusão, séria, que o afastou dos campos, recebendo da Diretoria do MAC convite para assumir a equipe  Sub-20, iniciando sua carreira como treinador de futebol, tendo, no primeiro da nova função, conquistado o titulo de campeão. Foi, então, efetivado como treinador das categorias de base, onde conquistou vários títulos. 2000 assumiu a equipe profissional, para a disputa da Copa Norte e da Copa do Brasil, sendo, até hoje, o único treinador que passou para a 3ª fase da Copa do Brasil, com uma equipe maranhense. Ainda dirigiu a equipe do Miracema-TO, ficando em 3º lugar no geral; 2001 dirigiu a equipe do MAC, sagrando-se vicecampeão, perdendo o tutulo, daquele ano, para o Sampaio Correia. 2004 recebeu convite da AABB para montar a Escolinha e Futebol para os sócios, e trabalhando, também, como treinador de futebol socyte para várias associações no Maranhão, como OAB, AABB e CEF.

Hoje, empresário, tem uma empresa de prestação de serviços na área de futebol, na organização de campeonatos e torneios, e uma Escolinha de Futebol, na AABB, que se chama “Ecolinha de Futebol Menino de Ouro”.

 

HELIEZER SEREJO MATOS – HÉLIO MARANHENSE

1967 nasceu em São Luis-MA no dia 16 de setembro; filho de Balbino Matos e de Faustina Serejo Matos. Na infância, tinha objetivo de estudar e ajudar os pais, pois presenciava o sacrifício que faziam. O primário, fez no Colégio Camelia Costa Viveiros, onde teve uma boa base. O Ginásio, concluiu no Luis Viana, onde começou a praticar Atletismo, por conta de uma paixão por uma colega; anos mais tarde descobriu a importância que o atletismo teria em sua carreira. O 2º Grau fez no Arruda Martins, com muito sacrifício, em virtude dos horários de treiunamento coincidir com o horário do colégio.

Considera que sua vida no futebol é igual e diferente, ao mesmo tempo, de tantas outras. Desde quando se entende, tem paixão pelo futebol, a ponto de chorar copiosamente quando seus  pais não o deixavam que fosse assistir aos jogos do time do bairro, onde seu irmão jogava como goleiro. Sua iniciação se deu através dos jogos de travinha, na rua; depois passou para os campinhos de terra, até chegar a oportunidade de participar das categorias de base do Vitória do Mar, uma equipe pequena do futebol profissional de São Luis. Não teve um trabalho de base adequado, onde pudesse aprimorar todos os fundamentos, pois a falta de estrutura era tão grande que só tinham uma bola, mas, em contrapartida, tinham um treinador que os motivava bastante que, na realidade, o futebol maranhense naquela época era aquele, como dizia. Com dedicação e trabalho, conseguiu superar as dificuldades e começou a se destacar em todas as partidas. Em virtude de sua boa estatura e da qualidade técnica, foi protagonista de uma proeza: conseguiu jogar, em uma semana, no Infanto, no Juvenil, no juniores, e no Profissional!

1986 é negociado com um fazendeiro do interior do Maranhão, que doou seu passe para o Moto Clube, onde jogou por vários anos, conquistando títulos e vitórias significativas, sendo considerado, por váwrias vezes, o melhor jogador de sua posição – cabeça de área. 1994 é emprestado para o Clube do Remo – PA, conquistando o titulo de campeão paraense e o do Torneio Pará-Ceará. 1995 é vendido para o Paysandu do Pará, por onde disputou o brasileiro da 1ª Divisão, e provar para si mesmo que tinha condições de jogar em qualquer time do Brasil. Queixa-se de não ter uma pessoa para o assessorar fora do campo.

Quanto ao atual futebol, pensa que passa por um mal momento, parado no tempo, estacionando no quem se refere à evolução tática, pecando pela arrogância, e pela prepotência, por sermos por várias vezes os melhores do mundo, se acomodando. Quanto ao curso, que possa aumentar seus conhecimentos para implantar um trabalho e obter melhores resultados. Apesar de ter jogado por muitos anos, tem muito que aprender, para se tornar um profissional mais competente.

 

Comentários

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.