Marketing Esportivo

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevmkt/

Marketing ou Visibilidade Forçada?



Marcas pagam mico em redes sociais ao presentear homem que quebrou TV

Sony, Samsung, Extra e Magazine Luiza tiveram a mesmíssima ideia e passaram um recado esquisito ao público: estrague sua TV e fique famoso que vamos recompensá-lo

Rafael Gambarim, empresário paranaense de 30 anos, ficou famoso na internet por quebrar uma TV em meio aos pênaltis de Brasil x Chile. Júlio César defendeu, ele se empolgou e estragou o aparelho com um tapa na tela. O vídeo teve milhares de compartilhamentos no Facebook, foi replicado por inúmeros canais no YouTube, enfim, viralizou.

Aí empresas tiveram a estupenda ideia: por que não presenteá-lo com outra televisão? A Sony deu uma de 40 polegadas, a Samsung mandou uma de 46, o supermercado Extra, do Grupo Pão de Açúcar, enviou mais uma, e a Magazine Luiza decidiu premiá-lo com um projetor multimídia para “não correr o risco de quebrar outra TV”.

O caso indica que marcas passaram a dar a devida importância às redes sociais, mas mostra também que falta discernimento. Isto é, foi premiado um torcedor infantil que estragou um equipamento que, para muitos, é só um sonho.

Na tentativa de pegar carona em uma visibilidade momentânea, empresas não só não tiveram sucesso, porque quatro tiveram a mesmíssima ideia, como ainda passaram um recado esquisito para o público: estrague sua TV e fique famoso que vamos recompensá-lo.

Link: http://maquinadoesporte.uol.com.br/artigo/marcas-pagam-mico-em-redes-sociais-ao-presentear-homem-que-quebrou-tv_26741.html

 

 

Comentários

Por Laiane Cristina Macedo
em 25-04-2015, às 14h26.

O marketing está cada vez mais apelativo com suas divulgações, enfatizando o consumidor a comprar mais e mais e a população encara esse fato com naturalidade. Está comum ver nos noticiários e propagandas na TV a ridicularização da mulher, dando a entender sua submissão ao homem entre outras questões. No caso dessa propaganda o marketing esportivo está no fato de que o homem que quebrou sua TV no momento em que estava assistindo um jogo futebol e se empolgou e nisso o jogador citado o defendeu sobre o fato ocorrido, sendo tamanha futilidade do rapaz e mais ainda de quem o defendeu.

Por Cássio Ferreira Figueiredo
em 26-04-2015, às 23h25.

O marketing é a jogada da vez no que se refere a visibilidade. Neste caso, as empresas optaram por uma estratégia um tanto quanto exagerada, pois, enquanto muitos cidadãos trabalham arduamente em busca de viver dignamente, ter uma vida melhor, um conforto em casa (no caso a televisão), um indivíduo que quebrou sua televisão é "premiado" com novoS aparelhoS devido a repercussão do caso, alcançando seus 15 minutos fama. Se, ao invés deste, essas empresas tivessem feito uma campanha e premiado famílias carentes, pois, já que era época de Copa do Mundo, seria interessante esse marketing direcionado para que ninguém ficasse sem ver a copa. O fato ocorrido não impressiona, visto que as empresas buscaram e buscam apenas o próprio beneficio, e uma iniciativa como a que citei, seria ideal para conquistar novos clientes, enquanto os que já foram "conquistados", que deveriam ser também tratados com grande respeito, e por muitas vezes são ignorados nos serviços de atendimento ao consumidor, por exemplo.

Por Caio Aguiar
em 15-05-2015, às 09h58.

Marketing como descreveu o Cássio, é para a visibilidade. No caso dos esportes, há alguns atletas que são pagos só para se destacarem em uma transmissão televisiva. Casos fáceis de se perceber isso, são as contratações no futebol envolvendo atletas que tem ''nome'', mesmo a forma física e aptidão física não estarem de acordo com o que a equipe quer.

Por Rômulo Fenandes Ferreira
em 02-02-2016, às 11h22.

  O torcedor pode ter sido bastante infantil ao quebrar a sua tv com um tapa, mas quando se trata de paixão a coisa muda de figura, é quase impossivel mensurar sentimento , ainda mais com a seleção brasileira desacreditada como estava. Falando sobre o marketing, a atitude das empresas que enviaram novas tvs e até um projetor multimidia, não foi forçada, um projeto de marketing não sai barato, principalmente em um país onde temos várias marcas e um esporte que é a maior paixão nacional, tentaram pegar carona no vídeo e até deu certo ,acredito eu que  eles entenderam o momento do torcedor , a euforia de ver o goleiro de sua seleção defendendo um penalti ,o futebol é isso, paixão , emoção e marketing, é o que movimenta campeonatos, que faz você comprar camisa do seu clube, que até faz você dar preferência por exemplo , a um supermercado que é patrocinador do seu time. 

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2018 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.