Psicologia do Esporte

Ponto de Encontro dos Profissionais, Estudantes e Pesquisadores

Entrar no Grupo

Essa comunidade migrou para o Facebook. Participe: https://www.facebook.com/groups/cevpsicologia/

Basquetebol e Psicologia do Esporte



Boa tarde a todos! Pelo jeito não é só no futebol que algumas pessoas pensam pequeno. Tenho fé que um dia a psicologia esportiva estará realmente presente no nosso esporte! E que os psicólogos não sejam confundidos com bombeiros sendo chamados somente para apagar incendios.

Leiam e opinem!

Hortência admite pane no Mundial: ‘Várias vezes ligamos para psicóloga’

Dirigente, no entanto, mantém a decisão de não levar profissional da área nas viagens da seleção feminina de basquete: ‘Não acho que tem necessidade’

Por GLOBOESPORTE.COM São Paulo

O nono lugar no Mundial feminino de basquete não deixou Hortência satisfeita. A ex-jogadora e atual dirigente da CBB estava na República Tcheca e admite que as jogadoras e o técnico não souberam lidar com as derrotas ao longo do campeonato. Apesar de ter acionado várias vezes a psicóloga que ficou no Brasil, a Rainha afirma que vai manter a decisão de não levar um profissional da área para as competições.

- Por várias vezes, ligamos para a psicóloga no Brasil para ver o que poderíamos fazer. Elas lidaram muito mal com a derrota, o técnico se perdeu. Quando começaram a engrenar, já era tarde. Um dia, eu fiquei às 3h da manhã procurando uma música para um vídeo motivacional que eu ia passar para as meninas. Não acho que tem necessidade de levar um profissional de psicologia e vou continuar não levando – disse Hortência, no “Arena SporTV” desta quarta-feira.

A dirigente lamentou a falta de entrosamento de Érika e Iziane com o restante do grupo no início do torneio. As duas se apresentaram em cima da hora, por causa da disputa da final da WNBA. A derrota para a Coreia do Sul na estreia, segundo Hortência, foi decisiva para o fracasso no Mundial.

- Érika e Iziane estavam completamente desentrosadas com o grupo. Perdemos um jogo no fim, que estava na nossa mão. Aí, deu um descontrole geral na equipe.

A Rainha admitiu que a seleção feminina enfrenta um problema sério de renovação.

- A Adrianinha disse que ficou muito triste pelo que aconteceu, então vamos supor que ela não venha mais, quem vai ser a armadora da seleção? Estamos com um grande problema, principalmente para o ano que vem, quando temos que jogar o Pré-Olímpico – reconheceu.

Comentários

Por Katia Rubio
em 06-10-2010, às 18h00.

Pois é... E ainda há quem pense que Psicologia do Esporte é passar filme com música motivacional. A falta de informação sobre o que fazemos permite que dirigentes e comissões sejam levados por aqueles que fazem um bom marketing de suas ações. Era hora de se esclarecer de uma vez por todas que psicologia é trabalho que envolve processo e isso demanda tempo. Resultados imediatos podem ser obtidos com a intervenção de um mago, ou guru ou até quem sabe de um bom qualquer-nome-que-se-invente-para-a-função. Tenho calafrios de pensar no que dará o próximo ciclo olímpico.

Por Mariana Mendes de Moura Oliveira
em 06-10-2010, às 18h03.

O tamanho do amadorismo me assusta ao pensar que Hortência achou que acionar a psicóloga por telefone seria capaz de interferir no resultado...

Fico triste por saber que um esporte que prezo, amo, pratiquei e trabalho esteja nas mãos de pessoas com esta mentalidade,

Por Rafael Moreno Castellani
em 06-10-2010, às 18h26.

Pois é Kátia... fiquei ainda mais surpreso com a posição que a psicologia do esporte ocupa no ambito esportivo quando li o texto que escreveu no seu blog! Mas tratando-se de COB né...

Se me permite, estou criando outro debate para convidar todos nossos colegas a visitar o seu blog!

bjos pra vc!

Por Katia Rubio
em 07-10-2010, às 08h13.

Rafa e colegas do CEV.

Quero deixar claro e me fazaer entender. A Psicolgoia é um campo de estudo e de intervenção como qualquer outro na ciência. O que alguns teimam em insistir é que essa diferença não existe. Lamento informar que não fui eu quem a criou. Somos regidos por algumas leis (e que podemos ser contra elas e lutar para alterá-las) que normatizam as funções sociais. No Brasil quem faz a norma sobre isso é nosso Ministério do Trabalho que tem flexibilizado, em muito, o exercício de algumas profissões. Mas, com a psicologia a norma ainda permanece a mesma. Ou seja, o psicólogo é aquele sujeito que fez 5 anos de faculdade, se exercitou durante pelo menos 3 anos ralando para fazer algo em torno de 320 horas de estágio em diferentes sub-áreas da psicologia, que vai da escola ao RH, passando pela clínica e hospital e depois de tudo foi ao Conselho Regional de sua região e teve seu registro deferido por um conselho que existe para servir a sociedade e não à própria categoria para acobertar seus erros. É esse mesmo conselho, que pertencente a um sistema nacional, regula a prática do psícólogo por meio de um código de ética.

Tenho falado isso ao longo de anos, com a mesma clareza que escrevo agora, mas parece que a busca por outras interpretações fica a cargo das intenções de quem me lê.

Minha preocupação em relação àqueles que nos sabotam não se refere à restrição do "mercado", mas ao bem estar de quem está lá na ponta, o atleta. Coletar dados  para uma pesquisa (e você bem sabe do que estou falando) é muito diferente de fazer um diagnóstico e a partir dele promover a intervenção necessária. Convido àqueles que desejam ocupar essa posição a frequentarem os cursos de psicologia que preparam para a prática profissional. Depois disso, nosso debate entrará para o campo da especificidade. Enquanto isso, essas picuinhas não passam de provocação oportuna. Assim como não somos eternos, nossas idéias também não são.

Por Rodrigo Vianna Mulatinho
em 07-10-2010, às 17h11.

pois é, nesse caso não  tem muita coisa para ser feita. existe um problema, todos (inclusive a dirigente) sabem como resolver, mas não investem na solução. então a equipe vai continuar desse jeito, acho que não tem necessidade de levar a dirigente.

Por Abraao Gomes dos Santos
em 15-01-2011, às 13h29.

acho que a psicologia está presente em todos os momentos de nossas vidas, e que lembro-me que até aqui no interior da paraiba trabalhando com o futebol,com uma equipe semi-profissional, e iria participar de uma competição onde eles os meus atletas nubca tinham participado de uma competição de tal nivel envolvia todas as equipes profissionais do nosso estado,lembro-me de uma frase minha além do trabalho fisico claro, que eu disse ao entrar em campo voces não vão assister os seus idolos , ou se deixar levar pela aparencia dos seus adverssarios e sim jogar o que vcs sabem, fomos terceiro lugar no evento, em outra ocasião os dirigentes me dispuseram uma psicologa olha vou ficar por aqui, respeito a hortencia pela atleta que ela é mas , eticamente não podemos menosprezar outros profissionais que podem nos ajudar muito, outros colegas faluo certo,tanto o nosso trabalho, quanto o psicologo há muitos que são de médio a longo prazo sei que o desporto profissional  tem sobrevivido de resultados é cobrança . a pressão por resultados as dirigentes não preparados para a função resulta em ajustes de ordem psicologica, eu fico surpreso de o argumento da nossa querida hortencia que se não me falha a memoria é formada em educação fisica, e pela sua experiencia,foi infeliz na sua intervenção mas acredito que a mesma possa recuperar-se de seu lapso para o bem do nosso esporte e do nosso basquetebol,.

Para comentar, é necessário ser cadastrado no CEV fazer parte dessa comunidade. Clique aqui para entrar.


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.