Ginástica Artística (olímpica) - a Ginástica Olímpica

Por: .

Atlas do Esporte do Maranhão.

Send to Kindle


GINÁSTICA ARTÍSTICA (OLÍMPICA)

A GINÁSTICA OLÍMPICA

Leopoldo Gil Dulcio Vaz

1841 - primeiro registro encontrado onde aparece a palavra “ginástica”, conforme anúncio no “JORNAL MARANHENSE” sob o título de: “THEATRO PUBLICO” - Prepara-se para Domingo, 21 do corrente huma representação de Gimnástica que será executada por Mr. Valli Hércules Francez, mestre da mesma arte de escola do Coronel Amoroz em Paris; e primeiro modelo da academia Imperial de Bellas Artes do Rio de Janeiro, que terá a honra de apresentar se pela primeira vez diante d’este Ilustrado público, a quem também dirige agradar como já tem feito nos principais Theatros de Europa , e deste Império. Mr. Valli há contractado o Theatro União, para dar sua função, junto com Mr. Henrique, e tem preparado para este dia um espetáculo extraordinário que será composto pela seguinte maneira:Exercícios de forças, Agilidade e posições Acadêmicas, Exercícios no ar e muitas abelidades sobre colunnas assim como admiraveis sortes nas cordas, Nos intervalos de Mr. Valli, se apresentará Mr. Henrique, para executar alguns exercícios de fizica, em quanto Mr. Valli descansa.”

1944 - o professor José Rosa do Liceu Maranhense ministrava nas aulas de educação física a Ginástica Acrobática

DÉCADA DE 1970 - 1974 – O prof. ANTONIO MARIA ZACHARIAS BEZERRA DE ARAÚJO – o PROFESSOR DIMAS – foi o introdutor da Ginástica Olímpica, hoje Artística, em São Luís do Maranhão.

1974/75/76 - a Ginástica Olímpica tinha um núcleo pequeno, sem divulgação em escolas funcionando apenas com as escolinhas do Ginásio Costa Rodrigues, mantida pelo antigo DEFER, com alunos pertencentes às diversas escolas de São Luís: Liceu Maranhense, Humberto Ferreira, La Roque, Centro Caixeiral, CEMA, o antigo Pituxinha, o Rosa Castro, o Santa Teresa, e o colégio Batista;

- A estratégia daqueles primeiros tempos, por falta de professores, era pegar os melhores alunos e transformá-los em instrutores e distribuí-los pelas diversas escolas, especialmente as públicas. O primeiro dos alunos de Dimas a trabalhar como instrutor de Ginástica Olímpica foi Juvenal Castro, ainda em 1975, depois veio Raimundão (1977), José de Arimatéia, que hoje é também professor de educação física; Josué, que é também formado em educação física, e o próprio filho do Dimas, Maurício

1979 - chega às escolas, sendo a primeira o Colégio Batista, por influência do Dimas, que era professor de Educação Física do Colégio; as demais escolas foram no Santa Teresa, Japonês - Inácio Bispo dos Santos; no La Roque, Raimundo Aprígio - Raimundão;  no Pituxinha, Juvenal Castro; no CEFET, antiga Escola Técnica, Vanilde Maria Carvalho Leão; no SESC, tinha uma escolinha, com alunos de varias escolas, nessa época, grátis, como técnico, Raimundão; CEMA; Rosa Castro.

- participação de alguns atletas nos Jogos Escolares Brasileiros.

1981 – Chegada da primeira aparelhagem oficial da modalidade. Até então eram construídas por Dimas e por Raimundão. O pai deste era marceneiro e construía os aparelhos segundo orientação de Dimas.

- fundação da Federação Maranhense de Ginástica Olímpica. O primeiro presidente foi o professor Dimas; sendo vice- presidente o professor Juvenal; e o diretor técnico o professor Raimundão. Quando acabou o mandato do professor Dimas, assumiu a Federação o professor Juvenal, durante dois mandados; depois do professor Juvenal, Raimundo assumiu por um mandato na Federação; aí teve outros presidentes, como Cláudio Cabral Marques - hoje, Juiz de Direito - e a professora Valdeci Vieira das Dores Vale, professora de Educação Física da Universidade Federal do Maranhão, que já ocupou por três vezes o cargo de vice-presidente, continuando no cargo, com o professor Raimundo Aprígio Mendes como presidente até 2005.

   

Depoimento prestado por RAIMUNDÃO – RAIMUNDO APRÍGIO MENDES

1956 - nasce no dia 06 de setembro, em São Luís.

1967/68 - eu fazia o Ginásio, o antigo ginásio, eu era aluno do, do CEMA, colégio de um porte grande, estadual, nesta época. Eu tive o prazer de ser aluno de Educação Física, do prof. Dimas, eu fiz aula com ele no Parque do Bom Menino, era lá que nós desenvolvíamos as atividades de educação física, quando ele era professor do CEMA. E lá eu vim a me interessar um pouco, eu vim enxergar o que era esporte, o que era um trabalho de atividade de educação física até porque eu tinha conhecimento só teórico ou então só pela palavra das pessoas. E lá nós praticávamos tudo, nós praticávamos handebol, praticávamos basquete, ele chegou até se interessar a levar uma das turmas para fazer natação; ai me viu  jogando capoeira, me convidou para fazer ginástica olímpica, então eu fiquei nos dois, mas depois eu me interessei mais pela ginástica, até porque teve uma coisa assim, digamos assim, eu aprendi a gostar mais da ginástica olímpica.

1974/79 - não havia disputa de Ginástica Olímpica nos JEM´s, ela tinha um núcleo bem pequeno não era divulgado nas escolas, só a partir de 79 que ela veio chegar nas escolas e a primeira escola que abraçou a ginástica olímpica foi o colégio Batista, por influência do Dimas até por ele era prof. de educação física do Colégio Batista, e ele implantou a Ginástica Olímpica no Colégio Batista e com o meu trabalho e o trabalho dos outros instrutores nós começamos é ter alunos de outras escolas; nós tínhamos uma Escolinha e com isso nós tínhamos vários alunos pertencentes às diversas escolas de São Luís, tínhamos Liceu, Humberto Ferreira, o La Roque, o Centro Caixeiral, o CEMA, o SESI, o antigo Pituxinha, o Rosa Castro, o Santa Tereza, e o colégio Batista; então nós começamos pensar numa competição, ou melhor, implantar é a ginástica olímpica nos jogos escolares maranhense. Essa competição ela foi mais a nível individual, só após de dois anos é que começamos a fazer mesmo competição não só no individual mais também em equipes; os professores nesses colégios, Por exemplo, no Batista estava o Dimas, depois o Juvenal e Raimundão; No Santa Tereza - se chamava Japonês, era Inácio Bispo Dos Santos; No La Roque, eu treinava o La Roque por de traz dos bastidores; No Pituxinha que é o Meng, Objetivo Hoje - era o Juvenal; antiga Escola Técnica, que eu trabalhei CEFETE e CEMA quem trabalhava principalmente na parte da ginástica era profa. Vanilde Leão; No SESC –eu tinha uma escolinha. Lá nós tínhamos alunos de varias escolas, até porque a escolinha nessa época era uma escolinha grátis, a função principal dela mesmo era divulgar a modalidade ter praticantes de ginástica olímpica; No Rosa Castro, como era defronte do SESC a maioria dos alunos treinavam na escolinha do SESC; porque o nosso objetivo era fazer a competição então nós éramos técnicos de vários alunos, mas nós não tínhamos assim digamos apadrinhamento com nenhum nós preparávamos todos com igualdade e o melhor vencia a competição.

1976 - treinava Capoeira no grupo do Mestre Sapo, que funcionava no Ginásio Costa Rodrigues; período da tardezinha, tipo assim 17:30 e ... ia até 20:30 horas.

1977 - o professor Dimas apareceu no final de 1977, à procura de pessoas que tivessem uma boa habilidade para a pratica da Ginástica Olímpica; Nessa época, tinha 14 anos; Então muitos alunos de Ginástica Olímpica dessa época vieram da Capoeira, ele preferiu assim porque os alunos da Capoeira já sabiam fazer alguns saltos que a Ginástica exige, e já tinham um bom trabalho de preparação física, principalmente na parte de resistência orgânica e flexibilidade.

1978 – começou como atleta de Ginástica Olímpica  – A minha carreira como atleta ... logo no primeiro ano, eu participei dos Jogos Estudantis Brasileiros, realizado em São Paulo, foi mais a titulo de ganhar experiência, nós não tínhamos nem um aparelho oficial de Ginástica Olímpica; tudo era braçal, tudo era feito aqui mesmo, e a gente não tinha nem noção, só para você ter uma idéia, eu tive que saltar num cavalo que eu fui conhecer chegando no Estado de São Paulo, no ginásio onde foi realizada a competição.

- instrutor – O meu envolvimento com o trabalho de Ginástica Olímpica veio acontecer no final de 1978, o prof. Dimas querendo difundir mais essa modalidade, principalmente em nossa cidade começou a formar instrutores; eu fiz parte desse grupo; e meu trabalho se iniciou numa escolinha no SESC, localizado na Praça Deodoro, e até hoje continua no prédio do SESC, e de lá eu fiz um trabalho mais ou menos uns três anos, esse trabalho, ele tinha como finalidade, não só atender, ser um trabalho solidário, de atender à comunidade, mas também um trabalho que se voltava para as competições, principalmente os Jogos Escolares Brasileiros.

- quem eram os outros atletas que se tornaram instrutores naquela época – o Juvenal, começou primeiro do que eu, já veio de 75; José de Arimateia, que hoje é professor de educação física, o Josué, que é também formado em educação física, e o próprio filho do Dimas que se chama Maurício...

– Molusco - ele começou a ginástica no Ginásio Rubem Goulart, 80 83,84 por ai; ele começou com o prof. Juvenal, e depois conseguimos um certo beneficio escolar para ele, pela própria habilidade, pela própria competência que ele tinha de se desenvolver nessa modalidade, e nós levamos para o Batista, conseguimos uma bolsa integral, ai ele passou fazer, ele passou a fazer parte do meu trabalho, porque eu já estava trabalhando no colégio Batista e continuo até hoje trabalhando com ginástica olímpica.

- o material - teu pai tinha uma carpintaria, ele faleceu deixou esse material todo com você, e quando havia uma necessidade, por exemplo, de consertar algum equipamento, ou mesmo de fabricar o equipamento, você que era o responsável por isso, por que você já tinha essa habilidade em carpintaria também - eu acompanhei o meu pai em varias situações de trabalho e com isso eu ganhei um pouco de experiência nessa área então; na ginástica olímpica nós tínhamos muita dificuldade em ter aparelhos, então  a gente fez uma montagem de aparelhos, usando a estrutura de madeiras, e nós fabricamos aqui umas argolas, fabricamos umas paralelas, principalmente masculina, principalmente do sexo masculino, a alem disso quando qualquer material quebrava, e sendo de madeira, eu consertava, nós comprávamos materiais, fazíamos substituição, pequenos reparos, e assim a gente levou a ginástica mais ou menos por vários anos. só tivemos a uma primeira uma aparelhagem oficial de ginástica olímpica, mais ou menos por volta de 1980, 81, 82 por ai.

1979 - o Dimas levou uma equipe de ginástica, e essa equipe se apresentou muito bem; nós conseguimos uma ótima colocação, daí porque o Governo Federal, achando que o Maranhão poderia ser um pólo de ginástica olímpica, resolveu investir na ginástica olímpica, no caso ai, construindo essa praça esportiva que a gente tem aqui na Av. Kennedy, especificamente para a área de ginástica olímpica.

1980 - a ginástica passou a fazer parte dos JEM´s

1981 - A federação de ginástica nasceu que a antiga secretaria de desporto e lazer SEDEL foi fundada até pela necessidade da... Do próprio trabalho da SEDEL em poder ajudar as federações, as modalidades seria necessário que todas elas tivesse um órgão ou uma entidade representativa ou uma entidade jurídica no caso as federações. E a SEDEL nessa época que você deve se lembrar bem, que você fez parte da fundação SEDEL e você conhece bem... A estrutura dessa época era para que as modalidades tivessem um recurso até para facilitar a prestação de contas deste órgão ao Governo do Estado seria necessário que tivesse também federações, ou seja, entidades jurídicas que também pudessem prestações de contas para a SEDEL. Então as federações surgiram e foi fundada com os clubes de futebol um pouco enrolado depois tivemos que re-fundar essas... É a federação por questão de estatuto errado e ela foi fundada

- O primeiro presidente da federação foi o prof.Dimas, O vice presidente era o prof. Juvenal, O diretor técnico neta época era o prof. Raimundão

1985/1988- assim que acabou o mandato do prof. Dimas, assumiu a federação o prof. Juvenal tirando dois mandados,

1988 - - depois do prof. Juvenal eu tive um mandato na federação e me afastei da federação; eu tive que re-fundar essa federação em 1988 e hoje nós estamos filiados à Confederação Brasileira de Ginástica , só que nós não participamos de competição pelo auto investimento, que cada competição exige, como se sabe a ginástica olímpica é um esporte muito caro e até mesmo pra nós participarmos de competições seria necessário um recuso financeiro muito elevado que esta acima de nossas condições, mas de vez enquanto nós participando com um, não em equipe, mas ao menos nos individuais nós temos participado dos eventos da confederação brasileira de ginástica o ultimo evento que nós participamos foi 1999..

- Aí teve outros presidentes, só pra você ter uma idéia o Cabralzinho foi presidente também de federação de ginástica.

- E a prof.Valdeci também da Universidade Federal de Maranhão já ocupou não o cargo de presidente – Valdeci Vieira das Dores Vale, profa. de educação física da Universidade Federal do Maranhão e a modalidade em que ela se destaca é a ginástica rítmica desportiva - já ocupou vários cargos, já ocupou por três o cargo de vice-presidente  da federação, é atualmente a vice-presidente da federação maranhense de ginástica

1992 – forma-se em Química Industrial na Universidade Federal do Maranhão

1996 – realiza Curso Internacional de Técnicas de Ginástica Olímpica, realizado no Flamengo

1997 – realização da 1. "Copa Dimas" de Ginástica olímpica - a família ginástica maranhense considera o Professor Dimas o pai da Ginástica Olímpica maranhense, porque ele quem introduziu a Ginástica em nosso estado, tanto ao nível de competição, como ao nível de recreação e etc...

1999 - Torneio Internacional de Ginástica Olímpica – participação do Maranhão com  quatro atletas e conseguimos uma boa colocações, os meninos chegaram aqui cheio de medalhas inclusive nós temos até um troféu que prova nossa participação, uma boa participação.

2001 - o prof. Raimundo Aprígio Mendes é o presidente da federação de ginástica, até 2005.

 

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.