Liames Contextuais e Epistemológicos Entre o Jogo e a Educação Física Escolar

Por: Bruno Adriano Rodrigues da Silva, Fabio Pinto Gonçalves dos Reis e Kleber Tuxen Carneiro.

Corpoconsciência - v.24 - n.2 - 2020

Send to Kindle


Resumo

Trata-se de um ensaio teórico, cujo fito central consistiu em debater o status do Jogo para a Educação Física. Para tanto, fez-se uma sucinta contextualização histórica em relação à eclosão das proposições de ensino decorrentes da crise epistemológica ocorrida a partir da década de 1970. São proposições pedagógicas das quais os conteúdos apresentam características e particularidades específicas, próprias de sua constituição histórica e epistemológica. Contudo, nota-se que há uma espécie de elemento “cônsono” no interior delas; senão em todas, na maioria: o jogo. Todavia, identificá-lo como elemento unívoco, malgrado possa supor certa elucidação, não se torna uma prerrogativa formativa, visto que não afiança uma concepção elaborada a seu respeito, também não assegura seus efeitos para o ensino. Por isso empreendemos a realização deste artigo, tal qual ao dossiê temático que trata desse mote, a fim de fomentar o redimensionamento do estatuto epistemológico do Jogo no interior da Educação Física.

Referências

BETTI, Mauro. Educação física escolar: ensino e pesquisa-ação. 2. ed. Ijuí, RS: Unijí. 2013.

BITTENCOURT, Renato Nunes. O lúdico para questionar. Filosofia ciência & vida, v. 7, n. 82, p. 15-23, 2014.

BROUGÉRE, Gilles. Jogo e educação. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1998.

BRUHNS, Heloisa Turini. A dinâmica lúdica. 1989. 138f. Dissertação (Mestrado em Filosofia da Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1989.

BUYTENDIJK, Frederik Jacobus Johannes. O jogo humano. In: GADAMER, Hans Georg; VOGLER, Paul. (Orgs.). Nova antropologia: o homem em sua existência biológica, social e cultural. São Paulo: EPU, 1977.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa, Portugal: Cotovia, 2017.

CARNEIRO, Kleber Tuxen. O jogo na educação física escolar: as concepções atuais dos professores. São Paulo: Phorte, 2012.

CARNEIRO, Kleber Tuxen; CAMARGO, Ricardo Leite; SCAGLIA, Alcides José. O jogo como elemento pedagógico no sistema prisional. Cáceres, MT: Unemat, 2014.

CARNEIRO, Kleber Tuxen. Por uma memória do jogo: a presença do jogo na infância das décadas de 20 e 30. 2015. 273f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP, 2015a.

CARNEIRO, Kleber Tuxen; ASSIS, Eliasaf Rodrigues de; BRONZATTO, Maurício. O jogo na educação infantil: desafios e benefícios a partir do olhar docente. Cáceres, MT: Unemat, 2015b.

CARNEIRO, Kleber Tuxen; ASSIS, Eliasaf Rodrigues de; BRONZATTO, Maurício. Da necessidade à negação: a percepção da crise epistemológica na educação física a partir da compreensão docente. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 24, n. 4, p. 129-142, 2016a.

CARNEIRO, Kleber Tüxen e colaboradores. Resenha da obra cinematográfica: Tarja branca: a revolução que faltava. Movimento, v. 22, n. 3, p. 1017-1022, jul./ set., 2016b.

CARNEIRO, Kleber Tuxen e colaboradores. A terceira margem do rio: uma perspectiva equilibrada da competitividade no âmbito do ensino da educação física. Corpoconsciência, v. 21, n. 2, p. 80-92, mai./ ago., 2017a.

CARNEIRO, Kleber Tuxen. Por uma memória do jogo: a presença do jogo na infância das décadas de 20 e 30. Curitiba, PR: Appris, 2017b.

CARNEIRO, Kleber Tuxen e colaboradores. A presença do jogo na infância de octogenários e nonagenários. Revista de educação pública, v. 27, n. 66, p. 815-838, set., 2018.

CHATEAU, Jean. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.

DAOLIO, Jocimar. Educação física brasileira: autores e atores da década de 80. 1997. 97f. Tese (Doutorado em Educação Física) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1997.

DARIDO, Suraya Cristina. Educação física na escola: questões e reflexões. Araras, SP: Topázio, 1999.

DUFLO, Colas. O jogo de Pascal a Schiller. Porto Alegre, RS: Artmed, 1999.

FOUCAULT, Michel. História da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva. 2008.

FREIRE, João Batista. Investigações preliminares sobre o jogo. 2001. 200f. Tese (Livre Docência). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2001.

______. O jogo: entre o riso e choro. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

HENRIOT, Jacques. Le jeu. Paris, França: Synonyme. SOR, 1983.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

KOOGAN, Abrahão; HOUAISS, Antonio. Enciclopédia e dicionário ilustrado. Rio de Janeiro: Seifer, 1998.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança. Rio de Janeiro: LTC, 1990.

QUINTANA, Mario. A rua dos cantaventos. 2. ed. São Paulo: Globo, 2005.

SCAGLIA, José Alcides. O futebol e os jogos/brincadeiras de bola com os pés: todos semelhantes, todos diferentes. 2003. 164f. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.

SUTTON-SMITH, Brian. The ambiguity of play. 2. ed. [S.l.]: Harvard University Press, 2001.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WALLON, Henri. Psicologia e educação da infância. Lisboa, Portugal: Editorial Estampa, 1975.

______. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WINNICOTT, Donald Woods. O brincar & a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975


Trata-se de um ensaio teórico, cujo fito central consistiu em debater o status do Jogo para a Educação Física. Para tanto, fez-se uma sucinta contextualização histórica em relação à eclosão das proposições de ensino decorrentes da crise epistemológica ocorrida a partir da década de 1970. São proposições pedagógicas das quais os conteúdos apresentam características e particularidades específicas, próprias de sua constituição histórica e epistemológica. Contudo, nota-se que há uma espécie de elemento “cônsono” no interior delas; senão em todas, na maioria: o jogo. Todavia, identificá-lo como elemento unívoco, malgrado possa supor certa elucidação, não se torna uma prerrogativa formativa, visto que não afiança uma concepção elaborada a seu respeito, também não assegura seus efeitos para o ensino. Por isso empreendemos a realização deste artigo, tal qual ao dossiê temático que trata desse mote, a fim de fomentar o redimensionamento do estatuto epistemológico do Jogo no interior da Educação Física.
 

Endereço: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10802

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.