O Toque dos Sinos de São João Del-rei Uma Análise das Manifestações Culturais

Por: e Joyce Kimarce do Carmo Pereira.

Licere - v.23 - n.2 - 2020

Send to Kindle


Resumo

O presente estudo propôs investigar as manifestações culturais emergidas a partir do Toque dos Sinos da cidade de São João del-Rei. Dessa forma, a pesquisa aqui compreendida objetivou entender como se dá o ofício de sineiro em relação às festividades, descrever o ofício de sineiro e compreender a dinâmica de experiências constituídas pelo toque cotidiano dos sinos são-joanenses. A metodologia fundamentou-se na abordagem qualitativa, na pesquisa bibliográfica e realização de entrevistas e pesquisa de campo. O roteiro de entrevista semiestruturado contou com a participação de 6 sineiros, sendo 5 tocadores de sino e 1 fundidor de sino. Os dados coletados foram analisados, apresentando como resultados que as manifestações culturais que emergem do toque dos sinos se desembocam em festiva religiosa, função comunicativa e o ofício do sineiro. A festiva religiosa é exemplificada por meio do combate dos sinos, por ser um momento festivo mais esperado pelos sineiros, no qual possibilita encontros, aprendizado, partilha e troca de experiências. Na função comunicativa os depoentes alegam que os sinos são um meio de transmissão na cidade, anunciando as horas, as festividades religiosas e notícias pertinentes para a comunidade além de convidar a população para as celebrações. No ofício de sineiro os entrevistados afirmam ser uma prática iniciada na infância e a aprendizagem se dá por meio da observação e exercício constante. É um ofício no qual o sineiro mantém uma relação de identidade, de afeto e devoção pelos sinos e os toques, além de estabelecer uma conexão lúdica e corporal com o objeto sino. O toque dos sinos traz sentido e significado para a vida dos sineiros, levando-os a um processo de ressignificação humana na própria história, cultura e na experiência vivida

Referências

ÁVILA, Affonso. Uma Encenação Barroca da Morte: as solenes exéquias de Dom João V em São João del-Rei. Barroco, Belo Horizonte, n.3, p.41-7, 1971.

BAKHTIN, Mikhael. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1987.

BRASILEIRO, Vanessa Borges; DANGELO, André Guilherme Dornelles. Sentinelas Sonoras de São João del-Rei. Belo Horizonte: Estudio 43 – Artes e Projetos, 2013.

BOSCHI, Caio César. Os Leigos e o Poder: Irmandades Leigas e Política Colonizadora em Minas Gerais.São Paulo: Ática, 1986.

CAMPOS, Adalgisa Arantes. O Mecenato dos Leigos: cultura artística e religiosa. In: Arte sacra no Brasil colonial. Belo Horizonte: Edita C/Arte, 2011. p.95-111.

CAMPOS, Maria Augusta do Amaral. A Marcha da Civilização: as vilas oitocentistas de São João del-Rei e São José do Rio das Mortes - 1818/1844. 1998. Dissertação (Mestrado) - Departamento de História, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.

DEBORTOLI, José Alfredo. Lazer, Envelhecimento e Participação Social. Licere, Belo Horizonte, v.15, n.1, mar/2012.

______. Linguagem: marca da presença humana no mundo. In: CARVALHO, Alysson et al. (Org.). Desenvolvimento e aprendizagem. Belo Horizonte: Editora UFMG/PROEX-UFMG, p.73-76, 2002.

______.; SAUTCHUK, Carlos Emanuel. Técnica, Corpo e Arte: aproximações entre antropologia e motricidade. Licere, Belo Horizonte, v.16, n.2, jun/2013.

DURKHEIM, Emile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FREINET, Célestin. A educação do trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

GOMES, Christianne. Lazer: Necessidade humana e dimensão da cultura. Revista brasileira de estudos do lazer, Belo Horizonte, v.1, n.1, jan./abr. 2014. p. 03-20.

GOMES, Christianne. Lazer e formação profissional: Saberes necessários para qualificar o processo formativo. In: FORTINI, Janice Lúce Martins; GOMES, Christianne Luce; ELIZALDE, Rodrigo. (Org.). Desafios e perspectivas da educação para o lazer. Belo Horizonte: Editorial SESC/Otium, 2011a. p. 33-46.

______. Mapeamento histórico do lazer na América Latina: em busca de novas abordagens para os estudos sobre o tema. In: ISAYAMA, Hélder Ferreira; SILVA, Silvio Ricardo da. (Org.). Estudos do Lazer: um panorama. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011b. p. 145-164.

______. Estudos do Lazer e Geopolítica do conhecimento. LICERE - Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, Belo Horizonte, v.14, n.3, set. 2011c. p. 01-25.

______. Verbete Lúdico. In: GOMES, Christianne L. (Org.). Dicionário Crítico do Lazer. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2004. p.141 - 146.

GOMES, Daniela Gonçalves. As Ordens Terceiras em Minas Gerais: Suas interações e Solidariedades no Período Ultramontano (1844-1875). 2009. Dissertação Mestrado – Universidade Federal de Ouro Preto – Instituto de Ciências Humanas e Sociais.Disponível em: https://www.dhi.uem.br/gtreligiao/rbhr/as_ordens_terceiras_em_minas_gerais.pdf. Acesso em: 25 mar. 2017.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.

IPHAN – INSTITUTO DO INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Disponível em: https://portal.iphan.gov.br/ . Acesso em: 03 jan. 2017.
______. O Toque dos Sinos em Minas Gerais. Dossiê descritivo IPHAN. 2009a. Disponível em: https://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Dossie%20toque%20dos%20sinos1).pdf Acesso em: 29 Abr. 2017.

______. PARECER IPHAN. Processo nº 01450.011821/2009-82. 2009b. Disponível em: https://www.ihgsaojoaodelrei.org.br/repositorio/File/parecer_toque_sino.pdf Acesso em: 16 jan. 2017.

______. PARECER IPHAN. Processo n° 27/GR/DPI. 2009c. Disponível em: https://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Parecer%20Toque%20dos%20Sinos.pdf Acesso em: 16 jan. 2017.

LABURTHE-TOIRA, Philippe; WARNIER, Jean-Pierre. Etnologia antropologia. 2. ed. Tradução de Anna Hartmen Cavalcanti. Petrópolis: Vozes, 1997.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambrige: Cambrige Press, 1991.

LE GOFF, Jacques. A Civilização do Ocidente Medieval. vol. II. Lisboa: Estampa, 1984.

LESAGE, Robert. Os sinos. In: Vestes e objetos litúrgicos. São Paulo: Flamboyant, 1959.

MAINGUENEAU, D. Termos-chave da análise do discurso. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

NEVES, Breno Bello de Almeida. Parecer referente ao processo Iphan 01450.011821/2009-82. 2009. Disponível em: https://www.ihgsaojoaodelrei.org.br/repositorio/File/parecer_toque_sino.pdf Acesso em: 20 fev. 2017.

ORLANDI, Eni P. Análise de discurso. Princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2000.

PEREIRA, Cassia Farnezi. Vida religiosa e mudanças sociais no Distrito Diamantino nos séculos XVIII e XIX. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 26. São Paulo, 2011. Anais... Disponível em: https://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300685151_ARQUIVO_Textocompleto.pdf Acesso em: 25 mar. 2017.

RIBEIRO JÚNIOR, J. C. N. A festa do povo: pedagogia de resistência. Petrópolis: Vozes, 1982.

ROSA, M. C. As festas e o lazer. In: MARCELLINO, N. C. (Org.). Lazer e cultura. Campinas: Alínea, 2007.

SCARANO, Julita. Devoção e escravidão. 2. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1978.

SOUZA, Adalberto dos Santos. Os espaços públicos de lazer da cidade de São João del-Rei: Necessidades e perspectivas. In: Lazer em São João del-Rei: Aspectos Históricos, conceituais e políticos. São João del-Rei: UFSJ, 2011.

SOUZA, Devanilson Álvares de. Formação Litúrgica: a vida litúrgica é a alma pastoral. Brasília, 2012. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=lp9IBQAAQBAJ&pg=PA70&lpg=PA70&dq=sino+%C3%A9+de+origem+do+latim+que+significa+signum,+autor&source=bl&ots=rtZeWVO5eB&sig=iAU4TYpcyg72Ovvs3gseYZRWQCE&hl=ptBR&sa=X&ved=0CCwQ6AEwA2oVChMI3oHPmoiWyQIVh4SQCh0RzAnC#v=onepage&q=sino%20%C3%A9%20de%20origem%20do%20latim%20que%20significa%20signum%2C%20autor&f=false Acesso em: 20 fev. 2017.

TURATO, Egberto Ribeiro. A questão da complementaridade e das diferenças entre os métodos quantitativos e qualitativos de pesquisa: uma discussão epistemológica necessária. In: GRUBITS, S. & NORIEGA (Org.). Método Qualitativo: epistemologia, complementaridades e campos de aplicação. São Paulo: Vetor, 2004. p.17-51.

VENDRAMINI, Maria do Carmo. Sobre os sinos nas igrejas brasileiras. In: MusicaeSacrae Brasiliensis. Roma: Urbaniana University P

Endereço: https://periodicos.ufmg.br/index.php/licere/article/view/24091

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.